Por 10 segundos…

Santistas de todo mundo, uni-vos!

2001, um ano tão impactante para o santista como o filme de Stanley Kubrik..

2001, um ano tão incompreensível como o monolito negro…

2001, um ano tão indecifrável como o computador Hall 9000…

2001, um ano para o alvorecer de uma nova era.

Tudo começou no Rio/São Paulo daquele ano…

Geninho assume o comando técnco do Peixe depois do breve reinado de Carlos Alberto Parreira. O time estava modificado, os medalhões não haviam obtido êxito e as contratações eram mais modestas… Deivid, Elano, Leo, Fabio Costa, Renato, André Luis e Paulo Almeida  se juntavam a Caio, Dodô, Claudiomiro, Rincón e  Robert, deixando o time bem mais jovem e raçudo.

Porém, Geninho padecia de um mal; sempre que possível colocava o time para trás buscando garantir o resultado… muitas vezes deu certo, mas o DNA ofensivo santista estava impregnado na massa santista, que em diversas oportunidades não aceitava tal postura por parte do time.

Mesmo assim, o time saiu-se bem na primeira fase do Rio São Paulo de 2001. Torneio que apresenta uma novidade: na fase de classificação eram dois grupos: um só de times paulistas e outro de times cariocas, os jogos seriam entre paulistas e cariocas. Classificavam-se dois de cada grupo e disputavam-se as semi-finais e finais em mata-mata.

E o Alvinegro foi bem na fase inicial, ficando invicto nas 4 partidas. Na semi-final pegou o Botafogo e empatou no Rio de Janeiro. Todos tinham certeza da classificação santista na partida de volta em Vila Belmiro. Com o alçapão lotado, a classificação foi perdida aos 88’!

1×0 para o time da estrela solitária e uma grande frustação.

CR Flamengo – 3×0 (Edson Passos – Mesquita)

Botafogo FR – 3×0 (VB)

Fluminense FC – 2×2 (Maracanã)

CR Vasco da Gama – 3×0 (VB)

Semi-finais:

Botafogo FR – 2×2 (Maracanã) e 0x1 (VB)

O Campeonato Paulista passava a ser a grande esperança de título…

Em 2001, a cartolagem continuava a fazer suas estrepolias… A competição teria 16 equipes jogando em turno único, para a classificação de 4 equipes para a fase semi-final e final (em mata-mata). A grande invencionice dos dirigentes era que, em caso de empate, haveria decisão por pênaltis, o vencedor ficaria com dois pontos e o derrotado 1 ponto. Porém se o empate fosse em 0x0, o vencedor receberia 1 ponto apenas e o derrotado, nenhum.

O Peixe até que começou bem a competição, com algumas goleadas (5×0 AA Portuguesa, 4×0 Portuguesa Desportos, 5×1 União Barbarense). Mas tudo mudou ao ser goleado, novamente,  pelo arquirival Corinthians: 0x5!

As torcidas organizadas não suportaram mais uma humilhação, e em protesto viraram as faixas de ponta cabeça e só retornariam se o SFC ganhasse um título!

Tempos difíceis…

Mesmo assim , graças a mais algumas vitórias o Alvinegro classificou-se em 2 º lugar na pontuação geral. Com isso, levaria vantagem contra o seu adversário, o Corinthians; na outra semi-final, um clássico do interior: Ponte Preta x Botafogo (RP).

Campanha na fase de classificação:

Guarani FC – 1×0 (VB)

AA Portuguesa  – 5×0 (VB) * Nesse jogo, o SFC recebeu o Troféu ACESAN (Associação dos Cronistas Esportivos de Santos), pelo aniversário da Cidade de Santos.

São Paulo FC  – 2×4 (Morumbi)

União Agrícola Barbarense FC – 5×1 (Santa Bárbara D’Oeste)

A Portuguesa D – 4×0 (VB)

União São João EC -1×1 (Araras) – decisão por penaltis: 2×1

Rio Branco EC – 2×3 (Americana)

Botafogo FC – 1×2 (Santa Cruz)

SC Corinthians P – 0x5 (Pacaembu)

AA Ponte Preta – 0x1 (Moisés Lucarelli)

SE Palmeiras  – 3×1 (VB)

SE Matonense  – 5×4 (Matão)

AA Internacional – 1×0 (Limeira)

AD São Caetano – 2×1 (Sâo Caetano)

Mogi Mirim EC – 5×1 (Mogi Mirim)

Contra o  Corinthians, o Peixe jogava por dois empates.

Na 1ª partida, jogou melhor, poderia ter liquidado no 1º tempo, mas ficou no 1×1. O time dominava o Corinthians até que Geninho tirou Deivid e colocou o volante Marcelo SIlva… acabou dando campo para o rival e saiu o empate.

Para a decisão, a massa santista estava otimista… o Botafogo praticamente havia elimindo a Ponte, e caso o Peixe superasse o Corinthians, muitos já viam a Taça de Campeão descendo a Serra…

Na grande decisão, o Santos, mais uma vez era melhor em campo… Logo no início,  pênalti para o SFC… Dodô cobra na trave… O Corinthians também tem um p?nalti ao seu favor, mas também manda na trave a cobrança de Marcelinho Carioca… Aos 33′, Renato abre o placar, mas nem há tempo de comemoração, pois Marcelinho Carioca empata no minuto seguinte… o jogo é equilibrado, mas o SFC esta firme em campo, não dando muitas chances ao adversário.

Sai Deivid e entra o zagueiro André Luis em seu lugar… o tempo vai passando e o SFC resolve segurar o placar… o time já atuava com 3 volantes (Paulo Almeida, Rincón e Renato) e Geninho tira o único atacante (Dodô) e coloca o meia-atacante Caio… Do outro lado, Vanderley Luxemburgo faz o inverso, colocando o Corinthians no ataque… entrando Marcos Sena e Gil em campo.  Fim de jogo se aproximando e uma entrada mais dura de Galván provoca sua expulsão. Quem sai é Robert, dando lugar para Marcelo Silva. Assim, com 4 defensores, 4 volantes e apenas Caio na frente…

Partida acabando e o SFC tem a bola no ataque… ao invés de segurar a bola e gastar o tempo, alguém dá um chutão para a linha de fundo… Faltam 30 segundos… o Corinthians avança e a bola chega ate Gil… Gil, corre, corre, dribla André Luis que cai sentado … faltam 15 segundos… Gil cruza, Marcelinho Carioca faz o corta-luz e Ricardinho bate de primeira… gol.

Um gol inacreditável…

Faltavam 10 segundos…

Fabio Costa vai ao desespero e discute com André Luis… Paulo Almeida  chora, Leo chora, Renato esta atônito e Geninho briga com a arbitragem, sendo expulso… o Morumbi chora… metade de alegria, a outra metade de tristeza profunda.

Nem há ânimo para reclamar que uns 3 atacantes do Corinthians encobriam a visão de Fabio Costa e poderia ser interpretado como impedimento… nem que Ricardinho jogou com um ponto eletrônico, infringindo as normas da FIFA. O Santos estava eliminado da maneira mais brutal, mais dolorida possível. Eram 17 anos de fila…

Pode parecer masoquismo, mas as imagens devem ser revistas… são imagens fortes, sofridas, dolorosas, porém significativas quando, vemos um Leo chorando em campo, quando vemos um Paulo Almeida em prantos…

Depois disso, o ano acabou… acabou em 13 de maio.

Antes disso, a equipe já havia sido eliminada da Copa do Brasil. Não teria sucesso no Campeonato Brasileiro, nem na Copa Nike (Torneio Internacional do México), o SFC entrava numa grave crise existencial  que parecia não teria saída.

Bom, voltando ao o que foi 2001, vamos conhecer a breve campanha na Copa do Brasil:

AA Anapolina  -2×1 (Anápolis) e 5×1 (VB)

EC Bahia  – 0x2 (Fonte Nova ) e 0x2 (VB)

Nos jogos internacionais, uma vitória de destaque: na inauguração do Estádio de Taegu, na Coréia do Sul. Estádio que seria usado na Copa de 2002:

20/05 – SFC 2×1 Seongnam Ilhwa Chunma (Coréia do Sul) – Em Taegu – Coréia do Sul

13/07 – SFC 0x2 CF Atlas (México) – Guadalajara – Copa Nike

15/07 – SFC 1×1 CF America (México) (2×4 Pênaltis) – Guadalajara – Copa Nike

O destaque negativo foi a quantidade de jogadores santistas expulsos nas duas partidas: 4 (Fabio Costa, Paulo Almeida,  Claudiomiro e Orestes) mostrando que o time estava abalado psicologicamente depois do fátidico jogo.

Para o Campeonato Brasileiro o santista não tinha ilusões… seriam 28 equipes correndo atrás de 8 vagas para a fase eliminatória. Mas poucos acreditavam que o alvinegro poderia ser classificar.

Viola retornava ao time e no meio da competição a contratação mais polêmica da história do Santos FC: Marcelinho Carioca!

Marcelinho havia brigado com Luxemburgo e pediu para sair do Corinthians. Deu declarações em jornais que precisava trabalhar e que estavam impedindo que trabalhasse… foi para programas de TV e chorou em frente as câmaras… Marcelo Teixeira acreditou em Marcelinho Caroca e o camisa sete apareceu na Vila…

A torcida se dividiu de imediato… alguns tinham esperanças que Viola e Marcelinho pudessem reeditar suas passagens pelo time de Parque São Jorge, outros duvidavam da capacidade de Marcelinho em se adaptar ao SFC…  foi um breve namoro… no início, bem no início, as coisas caminharam bem com boas exibições de Viola e Marcelinho, como na goleada sobre o Baha (5×1).

O grande teste seria o clássico na Vila, entre Santos e Corinthians.

Se Marcelinho jogasse bem e o SFC vencesse, Marcelinho tornar-se-ia ídolo, caso contrário seria execredo na Baixada.

Numa partida sem o menor brilho, o Santos de Cabralzinho, perde por 2×0. Os dias de Marcelinho estavam contados…

E Marcelinho não durou até o final do Campeonato, sendo sacado do time titular nas duas últimas apresentações.

Campanha no Brasileiro de 2001:

Santa Cruz FC – 1×1 (VB)

EC Vitória – 1×1 (Barradão)

SE Gama  – 1×1 (Brasília)

Coritiba FC – 2×0 (VB)

Botafogo FC – 1×0 (Santa Cruz)

Botafogo FR – 0x0 (VB)

Juventude EC – 2×2 (VB)

C Atlético Paranaense  – 1×1 (Arena da Baixada)

Goiás EC – 1×2 (VB)

CR Flamengo  – 0x2 (Taguatinga)

Guarani FC  – 1×1 (Brinco de Ouro)

América FC (MG) – 3×0 (VB)

Sport C Recife  – 2×0 (Ilha do Retiro)

EC Bahia  – 5×1 (VB)

Paraná C  – 0x1 (Durival de Brito)

São Paulo FC  -1×0 (VB)

AD São Caetano  – 1×2 (VB)

SE Palmeiras  – 1×2 (Parque Antártica)

C Atlético Mineiro – 1×0 (Mineirão)

SC Corinthians P – 0x2 (VB)

Grêmio FPA  – 4×2 (VB)

A Portuguesa D – 0x0 (Canindé)

Cruzeiro EC  – 4×2 (VB)

SC Internacional – 0x3 (Beira Rio)

AA Ponte Preta  – 1×2 (VB)

Fluminense FC – 1×2 (Maracanã)

CR Vasco da Gama – 2×2 (VB)

Um ano triste, onde a única coisa que salvou era a bela  camisa, com o logo da FIFA: “O melhor do século nas Américas”

http://files.colesantos.webnode.com.br/200000099-ad305ae2c5/2000_AB%20Fifa.jpg

Comments Closed

3 opiniões sobre “Por 10 segundos…”

  1. E eu colocando a culpa no Fábio Costa hahhahahaha Mas quando estou no estádio acabo ficando meio perdido, ai depois quando chego em casa vou ver os lances, no outro dia o jornal….mas quando o Santos perde, é assim…prefiro esquecer hehehehe Valeu Danilão!!!
    Esse Rafael nada tem haver com o Cabral, eu lembro dele, em 2002 foi o reserva durante o Brasileiro, porque agora sim, o nosso herói estava contundido e o Julio Sérgio mandou muito bem, o campeonato todo!! O Rafael jogou contra o São Caetano na última rodada da primeira fase, 3 a 1….Da-lhe Dimba, Da-lhe Gama!!!

  2. O ano de 2001….o ano mais difícil da minha vida, e olha que não estou falando de futebol, embora ele seja muito importante e intenso desde que me entendo por gente, 2001 ficou literalmente marcado.
    Vamos primeiro falar de futebol….sabe o jogo que virou as faixas, os 5 a 0 no Pacaembu com uma expulsão de Fábio Costa logo no início do jogo em pênalti a favor do rival? Eu estava no Tobogã até os 4 a 0, e já na saída fui informado por um feliz policial que o jogo já estava 5 a 0!! Deixa estar, mau sabia que estaria no jogo em que as faixas se desvirariam e Fábio Costa seria o herói!E no meu raciocínio, isso só foi possível devido essa primeira e principalmente na segunda frustração!
    Mas nem foi essa derrota sonora que abalou a torcida, e sim a das semifinais…que dia terrível! Sonhei nitidamente na noite anterior que o jogo estava 1 a 1, e nos acréscimos o lateral Kleber fazia o gol da vitória. Dai para o que aconteceu não foi muito diferente!!
    Depois veio a “era” Marcelinho, até cheguei a pensar em boicotar o Santos enquanto ele estivesse por lá, mas não consegui e quando vi já estava apoiando!
    Logo no começo de Outubro, um grave acidente de moto quando voltava do serviço por muito pouco não abreviou a minha vida, foram dias de lutas entre UTI, e meses para voltar andar, e anos para me recuperar das sequelas, o pior passou, mas essa luta não tem fim.
    E é com essa camisa, citada no post, uma das mais lindas, que adentrei na minha casa pós alta do coma, e lá toda minha família uniformizada, Pai, mãe, irmãos, então namorada, sobrinhos, cunhadas, tia….todos trajando minhas camisas do Santos, em vários períodos da minha vida! Alguns nem santistas prestando essa homenagem! A explicação: Você não partiu para ver o Santos campeão…e isso não demoraria muito para acontecer hehehehe

Os comentários estão encerrados.