Arquivo da tag: Athiê

Sylvio Hoffman foi zagueiro do SFC até 1932

Santos FC, CBF e Copas do Mundo: 100 curiosidades

Amigos santistas,

Recebi  um e-mail com um desafio: Listar 100 fatos que unam Santos e as Copas do Mundo.

Como neste ano completa-se 100 anos da fundação da CBF e também teremos a Copa do Mundo em nosso País, pensei em unir as duas efemérides. Sendo assim, ao lado do pesquisador Wesley Miranda, faremos a desafiadora lista, desde a fundação da CBF até a Copa de 2014.

Continue lendo

1992: Falece Athiê, Marcelo Teixeira assume

Santistas de Todo Mundo, uni-vos!

Em 1992 uma nova diretoria assume o clube. Marcelo Teixeira, o  jovem Presidente do SFC é o novo mandatário do alvinegro.

E começa no estilo que ficou bem conhecido, contratando e gastando muito.

Contratado em janeiro, Minelli durou apenas 50 dias ou 6 partidas oficiais
Contratado em janeiro, Minelli durou apenas 50 dias ou 6 partidas oficiais

De imediato acertou a vinda do Técnico Rubens Minelli.  Minelli  teve seu grande momento nos anos 70, chegando a ser tricampeão brasileiro (Inter 75/76 e São Paulo 77), mas em 1992 era mais uma aposta que certeza.

A pedido de Minelli, MT contratou Guga (atacante), Dinho (Lateral), Castro (zagueiro), Gílson (Defesa), Bernardo (volante) e Cilinho (atacante). Apenas Guga vingou…

Assim cheio de contratações, o Peixe começava o Campeonato Brasileiro de 1992 no 1º semestre.

Os 20 clubes disputavam um turno único classificatório, onde os 8 melhores passavam para a fase  semi-final. Nesta fase, os clubes seriam divididos em dois grupos de 4 equipes e jogariam em turno e returno. Os campeões de cada grupo disputariam final em duas partidas.

O começo da caminhada santista  foi claudicante… empates , derrotas e vitórias não convincentes… desta forma, Minelli é demitido por MT, numa passagem meteórica pelo comando alvinegro.

Quem assume a direção técnica é Geninho (que havia feito uma boa campanha no Paulista de 1991). E com Geninho a equipe consegue a classificação a fase semi-final… de quebra, uma goleada histórica sobre o Internacional na Vila Belmiro: 4×0. E o placar só não foi maior por que o time colorado recorreu ao “cai-cai”, do contrário seriam 6, 7 ou 8… A goleada foi aberta graças ao oportunismo de Paulinho MacLaren.

Quer ver os gols? clique aqui: http://www.youtube.com/watch?v=k7DidLaPvXQ

Veja a campanha na fase de classificação:

São Paulo FC – 1×1 (VB)

SC Corinthians P – 1×1 (Pacaembu)

Goiás EC  – 0x1 (Serra Dourada)

Guarani FC – 1×0 (VB)

Payssandu SC  – 2×1 (VB)

Fluminense FC – 0x4 (Laranjeiras)

CR Flamengo – 2×0 (VB)

Sport C Recife  – 2×2 (Ilha do Retiro)

A Portuguesa D – 2×0 (VB)

CA Bragantino – 0x1 (VB)

SC Internacional – 4×0 (VB)

SE Palmeiras  – 1×1 (Parque Antártica)

C Atlético Mineiro  – 0x0 (VB)

C Naútico C – 2×0 (Aflitos)

Botafogo FR  – 0x2 (Caio Martins) * nesta partida houve a quebra do recorde de público no estádio: 13.160 no total

C Atlético Paranaense – 2×2 (VB)

Cruzeiro EC –  1×2 (VB)

EC Bahia  – 2×0 (Fonte Nova)

CR Vasco da Gama  – 0x0 (São Januário)

Com esses resultados, o SFC classificou-se em 8º lugar, ficando no mesmo grupo de Vasco (1º colocado), Flamengo (4º) e São Paulo (6º).

Na 1ª partida da fase semi-final, uma partida inacreditável: o empate em 3 gols no Maracanã, numa partida onde Paulinho MacLaren brilhou intensamente, assim como Bebeto…

O empate no Rio de Janeiro animou o alvinegro, e na sequência venceu o forte Flamengo por 1×0, no Morumbi, e empatou com o São Paulo (1×1). A torcida nem acredita… terminava o 1º turno e a liderança era do Peixe.

Mas no 2º turno…  um ponto apenas conquistado no empate com Vasco e duas derrotas deixam o SFC fora de mais uma final.

Campanha na Fase semi-final:

CR Vasco da Gama – 3×3 (Maracanã); 1×1 (Morumbi)

CR Flamengo – 1×0 (Morumbi); 1×3 (Maracanã)

São Paulo FC  – 1×1 (Pacaembu); 0x1 (Morumbi)

Sem participar de partidas finais, sem recursos, e com dívidas crescendo,  a solução era vender.

Desta forma, Paulinho MacLaren foi negociado com o Porto, por 800 mil dólares (quantia irrisória nos dias de hoje…). Bernardo, contratado em janeiro, também foi vendido. O volante Gallo foi contratado para o lugar de Bernardo e Guga assumia a condição de artilheiro. Mas, Guga sofreu com a torcida até firmar-se na equipe…

Para o Campeonato Paulista de 1992, a cartolagem usou fórmula semelhante a de 1991. Dois grupos (um forte e outro fraco) de 14 equipes em turno e returno. Os seis melhores do grupo forte passariam para a fase seguinte, juntamente com os dois melhores do grupo fraco. Os 4 últimos do grupo forte disputariam o grupo fraco no ano seguinte, enquanto que os 6 melhores do grupo fraco passariam ao grupo principal em 1993.

Na fase de classificação, o Santos ficou em 4º lugar, abaixo de São Paulo, Palmeiras e Corinthians.

Campanha santista na fase de classificação:

Botafogo FC – 3×0 (VB); 2×2 (Canindé)

SE Palmeiras  – 0x2 (Pacaembu); 0x1 (Morumbi)

EC Noroeste  – 0x0 (VB); 0x1 (Bauru)

EC Santo André  -1×1 (Santo André); 2×2 (VB)

Guarani FC  – 2×0 (VB); 1×1 (Brinco de Ouro)

SC Corinthians P – 1×1 (Pacaembu); 3×1 (Morumbi)

CA Juventus – 1×1 (Canindé); 2×1 (Canindé)

A Portuguesa D – 0x0 (Canindé); 2×1 (VB)

GE Sãocarlense  – 1×2 (São Carlos); 0x0 (VB)

CA Bragantino  – 3×0 (VB); 1×0 (Bragança Paulista)

São Paulo FC  – 3×2 (VB); 0x0 (Morumbi)

AA Internacional  – 3×0 (Limeira); 4×0 (VB)

Ituano FC – 1×1 (Itu); 2×2 (VB)

As curiosidades desta fase foram muitas…

O Palmeiras fecha parceria com a Parmalat e aposenta a tradicional camisa verde. Os resultados da parceria apareceriam dentro e muitas vezes "fora do campo"
O Palmeiras fecha parceria com a Parmalat e aposenta a tradicional camisa verde. Os resultados da parceria apareceriam dentro e muitas vezes "fora do campo"

* Telê  Santana amargava mais uma derrota na Vila Belmiro… o velho mestre detestava enfrentar o alvinegro no alçapão… e os números mostram que Telê tinha razão.

* O Campeonato Paulista de Aspirantes era uma atração na preliminares da  partidas. E nos jogos do SFC, uma motivação maior aos torcedores: a presença do jovem goleiro Edinho, que dava seus primeiros passos no futebol.

* O atacante Denner, da Portuguesa, marca um gol de placa contra a Internacional. Por sinal, Denner fez alguns gols de placa (inclusive contra o alvinegro) ao longo de sua (curta) carreira. Denner era um atacante que, se vestisse a imaculada camisa branca santista ficaria muito a vontade…

* O elenco do SFC apresentava como destaques: Sérgio Guedes, Axel, Edu Marangón, Almir, Guga e Marcelo Passos.

* Guga tinha a desconfiança da massa santista. Ressabiada com a saída de Paulinho MacLaren, artilheiro inconteste do SFC, Guga era cobrado e em algumas partidas não correspondia…

Porém,  tudo acabou num Santos x Corinthians.

Jogando muita bola e com o faro de gol apuradíssimo, Guga deixou sua marca 3 vezes no gol corintiano, tornando-se ídolo da torcida!

Veja um dos gols de Guga no vídeo abaixo:

Durante o Campeonato Paulista  uma rápida excursão ao Japão, duas partidas contra o Shimizu-Pulse:

26/08- 3×0 Shimizu S Pulse (Japão), em Tóquio

29/08 – 1×1 Shimuzu S Pulse (Japão), em Shizuoka

Na Super Copa da Libertadores mais uma eliminação na primeira fase: desta vez, foi o São Paulo o adversário:

30/09 – 1×1 (Parque Antártica)

13/10 – 1×4 (Morumbi)

Na fase semi-final do Paulista, o  SFC ficou no mesmo grupo de São Paulo (que por ter sido a equipe com mais pontos na 1ª fase, levou um ponto de bonificação), Portuguesa (5ª colocada)  Ponte Preta (vinda dos grupo das equipes mais fracas).

Assim como no Brasileiro, o Santos começou bem, vencendo a Ponte, em Campinas por 1×0. A parida decisiva seria contra o São Paulo, logo na 2ª rodada… uma vitória era fundamental para tirar a vantagem tricolor… mas do outro lado havia Telê e Raí, o e tricolor venceu por 3×0, deixando o alvinegro com chances remotas. Na última partida do turno, a pá de cal: nova derrota, agora para a Portuguesa (1×2).

No returno, desmotivado, foi uma sequências de derrotas: Sâo Paulo, Portuguesa e Ponte Preta.

AA Ponte Preta –  1×0 (Moisés Lucarelli); 1×2 (VB)

São Paulo FC  – 0x3 (Pacaembu); 1×2 (Pacaembu)

A Portuguesa D – 1×2 (VB); 1×3 (Canindé)

Nesta fase a FPF garantia uma cota mínima de público e renda, surgiam os “públicos virtuais”, isto é, o público e a renda divulgada não correspondiam com a realidade. Por exemplo, na última partida contra a Ponte, com as duas equipes eliminadas, a FPF divulgou um público de 15.030 na Vila Belmiro, no entanto menos de mil torcedores fizeram-se presentes naquela ocasião…

Poucos dias depois de mais uma eliminação, o Santos FC perdia seu presidente Athiê Jorge Cury. No dia 1º de dezembro falecia o ex-dirigente santista que mudou a história do alvinegro.

Athiê, mesmo com seus erros administrativos, foi sem dúvida, o principal dirigente do clube em toda história santista.

Athiê: um marco, uma lenda que passou pelos portões de Vila Belmiro.

Athiê: Talvez o maior Presidente de todos os tempos do SFC
Athiê: Talvez o maior Presidente de todos os tempos do SFC

2

1934, e a briga pelo domínio no futebol brasileiro

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Nasce a USP em 1934 com a integração das Faculdades de Medicina, Direito, Escola Politécnica, Escola Superior de Agricultura, Faculdade de Farmácia e Odontologia e a novata Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras. Um marco e um orgulho dos brasileiros.

Enquanto isso… 

O Início do profissionalismo foi bem tumultuado. A CBD era um aglomerado de entidades amadoras, inclusive no futebol. No entanto, usava sua filiação na FIFA como arma de pressão sobre os times profissionais, pois os principais clubes de São Paulo e Rio de Janeiro estavam filiados a FBF.

Continue lendo