Arquivo da tag: Feitiço

Sylvio Hoffman foi zagueiro do SFC até 1932

Santos FC, CBF e Copas do Mundo: 100 curiosidades

Amigos santistas,

Recebi  um e-mail com um desafio: Listar 100 fatos que unam Santos e as Copas do Mundo.

Como neste ano completa-se 100 anos da fundação da CBF e também teremos a Copa do Mundo em nosso País, pensei em unir as duas efemérides. Sendo assim, ao lado do pesquisador Wesley Miranda, faremos a desafiadora lista, desde a fundação da CBF até a Copa de 2014.

Continue lendo

Um presente para o Santos FC, em seu aniversário

O almanaque do Santos FC, permitindo revisões históricas do futebol Paulista

Amigos,

Ontem o maior time de todos os tempos completou mais um ano de fundação.

São 101 anos de futebol-arte, gols, dribles e fair play.

Alguns não valorizam essas qualidades, são aqueles que gostam do 1×0 sofrido, do carrinho, do zagueiro que “chega junto”, do volante brucutu e do centro avante “trombador” .

Ao longo da história do alvinegro, a principal marca tem sido os gols…

Muitos gols…

Milhares de gols…

O ataque mais eficiente do planeta com seus quase 12.000 gols!

Ataque de artilheiros como Feitiço, Araken, Arnaldo Silveira, Ary Patuska, Vasconcelos, Toninho Guerreiro, Coutinho, Pepe, Juary, Serginho Chulapa, Guga, Paulinho McLaren, Giovanni, Robinho, Neymar e Pelé!

E como homenagear estes craques… como homenagear essa vocação artística do Santos FC?

Fazendo justiça histórica.

E na busca da justiça histórica, alguns santistas como Leo Devezas, Evaldo Rodrigues  e Wesley Miranda, munidos do almanaque do Santos  FC, resgataram os artillheiros do Santos FC nos anos 20.

Evaldo Rodrigues e Wesley Miranda fizeram correções importantes na história dos artilheiros do futebol Paulista.

É fato consensual, que Araken foi artilheiro do Campeonato Paulista de 1927 com 31 gols…

Pois bem…

Os dois pesquisadores do Santos FC refizeram as contas e anotaram 36 gols para o craque Araken Patuska!

E mesmo fizeram em relação ao ano de 1929.

É aceito por todos, que o artilheiro daquele ano no Campeonato Paulista foi Feitiço com 12 gols.

Era aceito… uma vez que os dois insistentes pesquisadores recontaram 13 gols para o artilheiro Feitiço.

E, talvez a descoberta mais significativa foi do pesquiador Leo Devesas, e confirmado por mais 4 pesquisadores (Wesley Miranda, Evaldo Rodrigues, Guilherme Nascimento e Marcos Nascimento) : o artilheiro do Campeonato Paulista de 1926 não foi Heitor com 13 ou 18 gols (como algumas listas chegam a publicar), mas sim o santista ARAKEN PATUSKA com 13 gols!

Assim, no aniversário do Santos FC, uma descoberta de valor histórico…

Temos o artilheiro em mais uma edição do Campeonato Paulista!

Que a Federação Paulista de Futebol se posicione e reconheça a conquista de Araken!

Que a mídia esportiva renda-se (mais uma vez) ao reconhecimento deste grande fato.

E que o Santos FC continue em sua tradição de reconhecimento dos feitos do passado e preste mais uma homenagem aos familiares do craque.

Parabéns Leo Devezas, Evaldo e Wesley por resgatar o valor dos atacante santistas.

Araken Patuska, artilheiro do Campeonato Paulista de 1926.

O Santos FC retorna à Bahia, 1936.

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Delegação santista a bordo do "Araraquara" na excursão à Bahia, principal fato do ano de 1936.
Delegação santista a bordo do “Araraquara” na excursão à Bahia, principal fato do ano de 1936.

Depois da conquista do Campeonato Paulista de 35 os santistas imaginavam que o time iria se firmar entre os melhores de São Paulo e do Brasil. Parecia que seria assim, pois logo em janeiro o 2ª quadro do Santos FC foi campeão Paulista na categoria, sinal que havia craques com potencial para substituir os titulares. Nas finais, o 2º quadro do Santos bateu o do Palestra por 4×0 e 2×1. Ficando com o título. 

Continue lendo

O fim da era do amadorismo

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Chegamos a 1932. O profissionalismo no futebol é cada dia mais evidente. Os interesses financeiros são cada vez mais intensos e o amadorismo  não se sustenta mais. Na Argentina e no Uruguai os craques recebem seus salários para a prática do futebol sem nenhuma camuflagem, os clubes italianos levam os craques “oriundi” sem muito esforço. O defesa sobre o profissionalismo no futebol ganha mais adeptos a cada dia.

Feitiço deixa o alvinegro e foi para o Uruguai defender o tradicional CA Peñarol
Feitiço deixa o alvinegro e foi para o Uruguai defender o tradicional CA Peñarol

O próprio Santos FC sente na pele os efeitos do falso amadorismo, pois Feitiço deixa o clube para receber em “pesos” no Uruguai, defendendo o tradicional CA Peñarol. Enquanto Feitiço estava no time a campanha santista era razoável, depois o time desabou.

Continue lendo

Santos FC: Uma vitória sobre os Campeões Mundiais é a marca de 1931.

Santistas de Todo Mundo, uni-vos!

Nascimento da República Espanhola, em 14 de abril (que bela coincidência): “España es una República de trabajadores de toda clase, que se organiza en régimen de libertad y justicia … Todos sus poderes emanan del Pueblo … La República constituye un Estado integral, compatible con la autonomía de los municipios y regiones …”

 

Enquanto isso, em Santos   novamente uma “atitude valia mais que um Campeonato”. Assim era o Santos FC nos tempos do amadorismo. Enquanto o clube praiano tentava-se valer de suas visões puritanas, os clubes paulistanos iam colecionando títulos. Foi assim em 1927 com o Palestra, depois em 28, 29 e 30  para o Corinthians e em 1931 para o novato São Paulo FC. Não que os adversários eram ruins, mas os fatores extra-campo pesavam… e como pesavam!

Continue lendo

Nasce o alçapão da Vila!

Santistas de todo mundo, uni-vos!

1930, um marco na história política brasileira. Ano que Getúlio Vargas”amarrou” seu cavalo no obelisco do Rio de Janeiro e derrubou a “República Velha”. Era o fim da política do “café com leite”.

Ano da primeira Copa do Mundo, em terras uruguaias:

A primeira Copa do Mundo poderia ter diversos atletas do Santos FC, no entanto, mais uma briga entre as ligas que comandavam o futebol acabou impedindo.

Continue lendo

1928 – Mais um Torneio Início

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Mais ou menos assim, sentia-se o torcedor santista ao começar a temporada de 1928. Um misto de decepção e ressaca, com três meses sem futebol.

Após a traumática perda do Paulista de 27, o time parou suas atividades por quase 3 meses, retornado aos campos apenas na disputa do Torneio Início do Campeonato de 1928.

E foi mais um título!

Continue lendo

A final do Campeonato de 1927: Como operar sem anestesia

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Estudos recentes descobriram o apito usado na final de 1927.

Ah, o apito… 

A equipe santista caminhava para o inédito título estadual, quando houve a interrupção para   a disputa do Campeonato Brasileiro de Seleções. O alvinegro era tão forte que nada menos que doze atletas santistas foram convocados para a  Seleção Paulista!

Na partida final entre Paulistas e Cariocas, disputada em São Januário, com a presença do Presidente da República (Washington Luiz) foi cercada de grande expectativa.

Jogo equilibrado, até que o árbitro assinala um pênalti contra o selecionado paulista, causando a revolta  geral dos paulistas, que reclamavam e impediam a cobrança do penalidade máxima. A confusão em campo era enorme, até que parte a ordem vinda da Tribuna de Honra: “Que os paulistas permitam a cobrança e a partida recomece, ordens do Presidente da República!”

Em pouco tempo chega o recado ao gramado.

Feitiço ao ouvir o recado, devolve ao mensageiro: “Diga ao Presidente que ele manda no Catete (Palácio do Catete, sede do Governo Brasileiro em 1927), no campo mandamos nós”!

Feitiço encarava qualquer dividida.
Feitiço encarava qualquer dividida.

Um escândalo! Uma afronta!

Guilherme Gonçalves, Presidente do SFC e representante da APEA na partida exige a saída de Feitiço e promete suspender o atacante santista.

Dito e feito: Feitiço saiu, o pênalti foi cobrado e os cariocas sagraram-se Campeões Brasileiros.

Em Santos, a coisa ficou ainda pior…

Feitiço e Tuffy são punidos disciplinarmente pela direção santista, com uma pena extrema: Expulsão do Clube!

A Assembleia que determinou a expulsão dos atletas foi tensa, e o direito de defesa de Feitiço foi “dado”. Guilherme Gonçalves (que era médico) usou a tribuna para acusar Feitiço, na base “Quem é Feitiço? Um jogador de futebol?”… “Cafajestada”… E por aí foi…

O lema “Campeão da Técnica e da Disciplina” era levado a ferro e fogo pela direção santista.

(O Título – “Campeão da Técnica e da Disciplina” –  foi atribuído após a vitória santista sobre o Vasco da Gama, por 4×1, em 14/07, nas Laranjeiras, quando os atletas do Vasco bateram a vontade nos craques santistas, que mantiveram o sangue frio, não revidando a pancadaria vascaína. A expressão foi criada por Carlos Gonçalves, redator de “O Globo”).  

Sem Tuffy e principalmente Feitiço, o time caiu de rendimento.

Tuffy foi substituido por Athiê, o que não causou grandes traumas. Mas sem Feitiço os gols rarearam, as goleadas diminuíram sensivelmente, mesmo assim o SFC chega a última partida do 1º turno, líder e invicto, sem nenhum ponto perdido. As partidas sem Feitiço são:

06/11 – 4×2 SC Americano (amistoso)

27/11 – 4×1 CA Sílex (Campeonato Pauilista)

04/12 – 3×2 São Cristóvão AC (amistoso)

O São Cristóvão usou camisas do Fluminense naquela tarde
O São Cristóvão usou camisas do Fluminense naquela tarde

18/12 – 4×2 AA São Paulo Alpargatas (amistoso)

08/01/1928 – 4×4 SC Corinthians P (Amistoso)

15/01/1928 – 5×1 Combinado CA Independência/ CA Ypiranga

22/01/1928 – 1×4 SS Palestra Itália (Campeonato Paulista)

29/01/1928 – 1×1 SS Palestra Itália (amistoso)

05/02/1928 – 4×2 Guarani FC (Campeonato Paulista

26/02/1928 – 1×0 SC Corinthians P (Campeonato Paulista)

Sem a mesma força no ataque , o Santos FC chega à ultima partida, na Vila Belmiro, contra o Palestra Itália, para a decisão.

Para entender como foi a partida, segue o texto deste  blogueiro, publicado no antigo site do “Santista Roxo”:

Anestesia usando éter

“Quem já passou por um tratamento dentário ou sofreu uma intervenção cirúrgica tem a exata dimensão da importância dos anestésicos. A evolução da química e da medicina livrou o homem das privações causadas pela dor ou desconforto. O primeiro produto usado como anestésico foi o éter, e sua primeira aplicação para este fim deu-se em meados do século XIX. Antes disso as operações eram feitas a sangue-frio, onde a força e a rapidez do cirurgião era o que mais contava.

Esta introdução se fez necessária para entendermos o que aconteceu na Vila Belmiro em 4 de março de 1928. Apesar de já serem conhecidos o éter, o clorofórmio ou o gás hilariante (N2O), naquele dia o Santos FC foi “operado” sem qualquer tipo de anestesia.

Naquele dia, 15.000 pessoas se aglomeravam na Vila Belmiro para acompanhar a conquista do Campeonato Paulista de 1927, pelo melhor time da competição, o Santos FC. A certeza da conquista era tão contagiante, que nem mesmo os fortes rumores que o juiz da partida estava “encomendado” provocaram qualquer tipo de precaução por parte da direção santista.

Jogando para vencer, o Santos parte com tudo ao gol Palestrino, e antes do 1º minuto marca seu gol através de Siriri. A festa corria nas arquibancadas, quando o “juiz” tirou o “bisturi” do bolso. Tedesco empata em completo impedimento, todos viram, menos o juiz, 1×1. E daí para frente houve de tudo… ao melhor estilo de 1920, a sangue-frio, sem éter, sem clorofórmio ou muito menos gás hilariante.

Pênaltis para o Santos, foram 3 (!), todos não assinalados.

Para o Palestra foram dois: um questionável (e convertido), outro defendido por Athiê.

Gol anulado do Santos, teve? É evidente que sim. Um gol anulado (era o suficiente).

Com tudo isso, numa partida final, não é preciso dizer que o “couro” comeu na Vila Belmiro. A torcida invadiu o campo, hurrando de dor e revolta. A cavalaria da Força Pública (A PM da época) avançou sobre o público para “acalmar” os ânimos.

Nessa confusão, o Palestra já vencia por 3×1, mas Camarão marcou o 2º gol santista. Faltavam ainda dois gols e mais cinco minutos de partida. Para o ataque dos 100 gols, era tempo mais que suficiente. Mas para evitar “surpresas indesejáveis” o juiz encerra a partida.

Graças a sua “habilidade”, “força” e “rapidez”, extraiu o título de campeão do Santos. Atuou como um cirurgião-barbeiro do Brasil colônia e graças a sua barbeiragem, o campeão foi o Palestra”.

Material de trabalho usado pela arbitragem na final de 1927.

 

(O texto é uma versão apaixonada de um torcedor santista, baseado em relatos de jornais da época)

04/03/1928 Santos FC  2×3 SS Palestra Itália (São Paulo) (323)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

D: Domingo

C: Campeonato Paulista de 1927

R: R 24:005$300 (Recorde)

P: 15.000 (Recorde em Santos)

A: Anthero Mollinaro

G: Siriri 23”e Camarão (2º tempo) – Tedesco 25’, Lara e Perillo (ambos no 2º tempo)

SFC: Athiê; Meira e Bilú; Hugo, Julio e Alfredo; Omar, Camarão, Siriri, Araken (cap) e Evangelista.

Técnico: Urbano Caldeira

Uniforme: Camisas brancas

SSPI: Augusto; Bianco e Miguel; Xingó, Gogliardo e Serafim; Tedesco, Heitor, Armando, Lara e Perillo.

Capitão: Amílcar Barbuy

 

O Santos FC ficou com o Vice Campeonato de 1927;  Teve o melhor ataque (100 gols), e o artilheiro da Competição: Araken 

Segundo diversos pesquisadores (Evaldo Rodrigues, Leo Devesas, Guilherme Nascimento, Marcelo Fernandes e Walmir Gonçalves) os gols atribuídos à Araken estão errados. A FPF informa 31 gols, no entanto foram 36 gols e Feitiço marcou outros 30 gols. 

 

Fontes e agradecimentos: Arquivo Pessoal; “Almanaque do Santos FC” (Guilherme Nascimento); Álbum de Ouro do Santos FC -edição de 1965 (De Vaney); Assophis; Evaldo Rodrigues; Leo Devesas; Marcelo Fernandes; Walmir Gonçalves e Wesley Miranda


O time mítico de 1927 – Parte I

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Nasce o cinema sonoro: “The jazz singer” lançado em 1927 é um marco na história do Cinema.

Após vencer o Torneio Início Extra no final de 1926, o alvinegro é um dos favoritos ao título do Campeonato Paulista Extra.

A competição foi dividida em 2 grupos (par e ímpar). O alvinegro ficou no grupo para ao lado do SC Sirio, SC Internacional, CA Ypiranga e Auto SC. No grupo ímpar ficaram o SC Corinthians P, SS Palestra Itália, AA São Bento, CA Silex e A Portuguesa E. 

A boa fase é confirmada logo na primeira partida: 11×1 CA Ypiranga. Mas o tal campeonato não empolga os dirigentes do SFC, e mesmo antes de finalizar sua participação no grupo que disputava, o time praiano desiste a competição, em virtude do forte calor, segundo comunicado da APEA:

02/01/1927 SFC 11×1 CA Ypiranga

30/01/1927 SFC 3×2 SC Internacional 

02/06/1927 SFC x SC Sirio – não disputado, o Santos desistiu da competição

Classificação geral do Campeonato Paulista Extra:

1) SS Palestra Itália

2) SC Sirio

Grupo Par:

1) SC Sírio

2) Santos FC

3) SC Internacional

4) CA Ypiranga

* O Auto SC abandonou a competição

Grupo Ímpar:

1) SS Palestra Itália

2) AA São Bento

3) CA Silex

4) A Portuguesa E

* SC Corinthians P  abandonou a competição

Que ano! 

Veja aqui como foram os anos 20 no Santos FC, pela ótica de Wesley Miranda, em vídeo comemorativo do centenário do alvinegro: 

Foi uma temporada espetacular, com apenas duas derrotas, ambas no início do ano:

23/01 – 2×4 AA São Bento

0/04 – 5×6 Guarani FC

A derrota para o Guarani foi algo inacreditável…

O 1º tempo terminou em 5×1 para o Santos e no final acabou levando a inesperada virada, uma partida histórica para os dois clubes!

Vale a pena conhecer a ficha técnica da partida:

10/04/1927 Santos FC 5×6 Guarani FC (Campinas) (292)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

D: Domingo

C: Amistoso

R: R 5:229$000

P: 10.000

A: Tedesco

G: Araken 7’, 11′ e 27′ , Omar 29′ e Hugo 39′ – Paulo 19′ e 17’(2º tempo), Roberto 9’ e 11′ e 33′ (todos no 2º tempo) e Nenê 23′ (2º tempo)

SFC: Ballio; Bilú e David; Hugo, Julio e Renato Pimenta; Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Siriri.

GFC: Camisola; Orlando e Joca; Barbanera, Rafael e Joaquim; Paulo, Roberto, Aristides, Nenê e Robertinho.

Comentário: Uma Vila Belmiro lotada para ver Feitiço (sua 1ª partida na Vila Belmiro). No 2º tempo, mesmo com 10 atletas, o bugre campineiro provocou uma das maiores viradas da história do futebol.

Feitiço foi um caso à parte no Santos FC…

Dono de uma poderosa “bicuda”, era o grande artilheiro da AA São Bento e chegou à Santos com “status” de ídolo popular, e em pouco tempo  se transformaria na principal atração do elenco santista. Graças a Feitiço, o jornal “A Gazeta” (que irá originar “A Gazeta Esportiva”) criou uma coluna “A Gazeta em Santos”.

Sua estreia no time santista foi com uma vitória sobre o Palestra Itália, 3×2 em São Paulo, na disputa da Taça Cruz Azul.

Essa Taça foi a primeira de outras sete conquistadas naquele ano.

Veja a relação de Taças vencidas em 1927:

Taça Cruz Azul:  04/04 – 3×2 SS Palestra Itália (Parque Antártica – SP)

Troféu “A Vitória”:  21/04 – 5×3 CR Vasco da Gama (São Januário – RJ) – Partida de inauguração do Estádio Cruzmaltino

Taça Guilherme Gonçalves: 24/04 – 5×3 AA Portuguesa (Vila Belmiro)

Taça Dr Francisco Negreiros Reinaldo:  12/06 – 4×0 AE Velo Clube Rio-Clarense (Benito Agnello Castellano – Rio Claro – SP)

Taça Joalheria Montandon:  21/08 – 10×1 Guarani FC (Vila Belmiro)

Taça America FC:  20/09 – 4×3 America FC (R. Campos Salles – Rio de Janeiro)

Taça João Cantuária:  04/12 – 3×2 São Cristóvão AC (Laranjeiras – Rio de Janeiro)

No Torneio Início, foi eliminado na semi-finais:

01/05 – Santos FC 4×3 Guarani FC

                   Santos FC 0x1 SS Palestra Itália

A briga entre a APEA e a LAF se aprofundava e alguns clubes aderem à LAF, como o Corinthians, Internacional, São Bento, Silex e Sirio.

Para compensar a saída de tantos clubes a APEA abre a entidade para os clubes do interior, desta forma Guarani (Campinas), Comercial (Ribeirão Preto), Corinthians e Primeiro de Maio (Ambos de São Bernardo, atual município de Santo André ) . Na LAF, Taubaté, Paulista (Jundiaí), Espanha e  Atlético Santista (Santos) entraram na disputa.

Mas a situação era tão confusa que alguns clubes começaram o campeonato numa Liga e terminavam em outra. Foi o caso do  Silex e do Corinthians.   

A campanha do alvinegro no Campeonato Paulista  foi arrasadora:

03/05 – 12×1 CA Ypiranga (S)

13/05 – 10×2 República AA (S)

22/05 – 4×2 Primeiro de Maio FC (São Bernardo, atual  Santo André) (S)

05/06 – 11×2 AA Barra Funda (S)

26/06 – 5×2 A Portuguesa E (S)

03/07 – 11×3 SC Americano (S)

31/07 – 9×1 AA São Paulo Alpargatas (S)

14/08 – 4×3 Comercial FC (RP)

21/08 – 10×1 Guarani FC (S)

29/08 – 4×1 Corintians FC (S)

04/09 – 8×3 SC Corinthians P (SP)

27/11 – 4×1 CA Silex (S)

22/01/1928 – 1×4 SS Palestra Itália (SP)

05/02/1928 – 4×2 Guarani FC  (C) – 2º turno

26/02/1928 – 1×0 SC Corinthians P (S) – 2º turno

04/03/1928 – 2×3 SS Palestra Itália (S) – 2º turno.

Classificação Geral do Campeonato Paulista de 1927:

1) SS Palestra Itália 3 PP; 15j; 13v; 1e, 1d; 84 gp; 21 gc

2) Santos FC 4 PP; 16j; 14v; 0e; 2d; 100 gp; 33gc

3) SC Corinthians P 8 PP; 13j; 9v;0e; 4d; 48gp; 28gc

4) Guarani FC 13 PP; 14j; 7v; 1e; 6d; 47 gp; 38 gc

não classificados para o 2º turno

5) Comercial FC 8 PP; 7j; 3v; 0e; 4d; 12 gp; 18 gc

6) AA São Paulo Alpargatas 9 PP; 11j; 6v; 1e; 4d; 32 gp; 29 gc

7) CA Silex 11 PP; 10j; 4v; 1e; 5d; 22gp; 22gc

8) A Portuguesa E 12 PP; 12j; 6v; 0e; 6d; 36 gp; 43 gc

9) AA República 13 PP; 12j; 5v; 1e; 6d; 28 gp; 39 gc

AA Barra Funda 13 PP; 10 j; 3v; 1e; 6d; 11gp; 36 gc

11) Primeiro de Maio FC 18 PP; 12j; 3v; 0e; 9d; 29 gp; 43 gc

CA Ypiranga 18 PP; 11j; 2v; 0e; 9d; 17 gp; 61 gc

13) Corinthians FC 19 PP; 13j; 3v; 1e; 9d; 20 gp; 43 gc

SC Americano 19 PP; 12j; 2v; 1e; 9d; 16 gp; 48 gc

Como se pode observar nem todas as partidas foram disputadas, mostrando como a organização da competição não foi lá essas coisas. 

- O SC Auto mudou de nome para SC Auto-Audax, e posteriormente mudou novamente para SC Americano. 

- O Campeonato foi longo, terminando apenas em 1928;

- O segundo turno teve a participação de apenas 4 clubes (os melhores classificados no 1º turno): Santos FC, SS Palestra Itália, SC Corinthians P e Guarani FC.

Uma das partidas mais importantes em 1927 ocorreu no dia 21 de abril, na inauguração do Estádio de São Januário, até então o maior do Brasil:

21/04/1927 Santos FC 5×3 CR Vasco da Gama (Rio de Janeiro) (293)

L: São Januário – Rio de Janeiro (DF)

D: 4ª feira

C: Inauguração do Estádio

P: 40.000

A: Carlito Rocha

G: Evangelista 19′, 60′ e 89′, Omar 72′ e Araken 78′ – Negrito 44′, Galego 67′ e Pascoal 86’

SFC: Tuffy; Bilú e David; Hugo, Julio e Alfredo; Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista.

Técnico: Urbano Caldeira (provável)

Uniforme: Camisas brancas

CRVG: Nelson; Espanhol e Itália; Nesi, Claudionor e Badu; Pascoal, Torterolli, Galego, Russinho e Negrito;

Técnico: Harry Welfare

Comentários: O SFC recebeu troféuA vitóriacomemorativo ao jogo. Evangelista marcou o gol em São Januário. São Januário era o maior estádio do Brasil em 1927. Presença de diversas autoridades, inclusive o Presidente da República, Washington Luiz.

Fotos da inauguração de São Januário
Fotos da inauguração de São Januário

 

A maior goleada do Santos em sua história:  

03/05/1927 Santos FC 12×1 CA Ipiranga (São Paulo) (295)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

D: 3ª feira

C: Campeonato Paulista

R: R 2:690$000

Pe: 2.400

A: Américo Bertolini

G: Araken (7), Feitiço (2) (2ºT), Hugo 3’, Camarão 5’ e Evangelista (2ºT) – Grané II 44’ (2ºT)

SFC: Tuffy; Bilú e Américo; Hugo, Julio e Alfredo; Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista.

CAY: Julio; Zacca e Guedes; Japonês, Raphael e Barão; Jardim, Grané II, Tomazini, Teppet e Vicente.

Comentário: Maior goleada do SFC em todos os tempos, igualada apenas em 1959. Araken estabelece recorde de gols numa só partida (sendo 3 no 1º tempo e 4 no 2ºtempo), superado apenas em 1964 por Pelé. No início daquele ano o Ypiranga já havia tomado de 11×1!!!

A vingança!

21/08/1927 Santos FC  10×1 Guarani FC (Campinas) (307)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

D: Domingo

C: Campeonato Paulista

A: Antônio Molinaro

G: Araken 5’, 16’, 19’e 68’, Camarão 9’e 80’, Feitiço 37’, 46’e 64’e Omar 58’ – Robertinho 66’

SFC: Tuffy; Bilú e David; Hugo, Julio e Alfredo; Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista.

GFC: Luis; Branco e Tavares; Joaquim, Raphael e Barbanera; Roberto, Prado, Pedro e Nenê e Robertinho.

Comentários: O SFC recebeu a Taça Joalheria Montandon. Vila Belmiro lotada na partida da vingança. O tempo terminou em 5×0. Vale a pena ler a descrição do 6º gol santista: 

O juiz apitou o início do tempo. Feitiço rolou para Araken, que avança  na partida e devolve para Feitiço. Feitiço avança, dribla Barbanera, evita Carabina e invade a área. Luis sai desesperado do gol, leva um drible seco e Feitiço fica com o gol escancarado sua frente.

Ele não chuta…

Para a bola sobre a linha fatal e coloca os pés em cima da bola…

Levanta a mão esquerda mostrando 5 dedos, vibrando, levanta a mão direita e mostra o dedo indicador em riste… O estádio vibrava com o gestual de Feitiço… E, em seguida ele deu um leve tapa de bico na bola e marcou o gol santista” . O Guarani estava derrotado, não poderia mais repetir a virada de 10 de abril… (ver em Feitiço do BixigaLuciano Sabbatini, Leda Letra e Daniel Lisboa). Nos 10′ finais a bola rolou de em santista, sem que os jogadores do Guarani tivessem a oportunidade de encostar o pé na pelota!

Na arbitragem, Antero Molinaro… Guardem bem esse nome. 

Feitiço, goleador e vingador!
Feitiço, goleador e vingador!

 

Mais uma goleada:

04/09/1927 Santos FC 8×3 SC Corinthians P (São Paulo) (309)

L: Parque da Antártica Paulista – São Paulo (SP)

D: Domingo

C: Campeonato Paulista

A: Antonio de Souza Villas Boas

G: Omar 15’, Camarão 20’, 25’ (1º tempo) e 5’ (2ºT), Araken 30’ (1º tempo), 38’ e 39’ (2ºT) e Feitiço 20’ (2ºT) – De Maria 26’, Gambarotta 21’ (2ºT) e Grané 42’ (2ºT)

SFC: Tuffy; Bilú e David; Hugo, Julio e Alfredo; Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista.

Técnico: Urbano Caldeira

Uniforme: Camisas brancas

SCCP: Colombo; Grané e Del Debbio; Cristófani, Vanni e Leone; Apparício, Gambarotta, Gambinha, Rato e De Maria.

Técnico: Ângelo Rocco

Comentários: Athiê estreia no quadro santista. Público colossal no Parque Antártica, milhares e milhares de pessoas, conforme relato da imprensa. Partida era vista como o grande teste do SFC no Campeonato. Durante a semana, após a partida era possível encontrar um anúncio em “A Tribuna” com os dizeres:

“Por que o Santos bateu no Corinthians?”

Porque almoçou no Minhoto, em São Paulo - Rua da Quitanda, 13″

E amigos santistas e anti-santistas, conheçam o escudo do Corinthians com a boia já em 1926, bem antes do que se divulga. Uma exclusividade do Blog do prof. Guilherme, como selo Assophis:

Vejam o escudo corintiano com uma boia enorme. Talvez uma referência a tentativa de salvação após enfrentar o Santos de Feitiço e Araken...
Vejam o escudo corintiano com uma boia enorme. Talvez uma referência a tentativa de salvação após enfrentar o Santos de Feitiço e Araken…

 

Fontes e Agradecimentos: Arquivo Pessoal; “Almanaque do Santos FC” (Guilherme Nascimento); Assophis; Wesley Miranda; Walmir Gonçalves; “Álbum de Ouro do Santos FC” (De Vaney)