Arquivo da tag: Giovanni

Fichas Técnicas de 1996

Conforme lembrou o Marcos, seguem as fichas de 1996:

24/01/1996 Santos FC 3×1 SC Corinthians P (São Paulo)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Torneio de Verão

R: R$ 81.210

G: 9.255

A: Leo Feldman

Expulsão: Gláuber (SCCP)

G: Giovani 9′, Kennedy 18′ e Camanducaia 73′ – Jorginho 28′

SFC: Edinho; Marcos Adriano, Ronaldo Marconato, Sandro e Marcos Paulo (Jean); Gallo, Carlinhos (Cerezo), Marcelo Passos (Wellington) e Kennedy; Camanducaia (Arthur) e Giovani (Kiko)

Técnico: Candinho

SCCP: Ronaldo; Henrique, Célio Silva e Silvinho (Luciano); Julio Cesar, Leônidas (Gláuber), Joao Paulo (Silva) e Marcelinho Carioca (Sandro); Mazinho Loyola e Jorginho.

Técnico: Eduardo Amorim

Santos , Campeão do Torneio de Verão.

07/03/1996 Santos FC 4×2 Rio Branco EC (Americana)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Paulista

R: R$ 7.700

P: 1.020

A: Claúdio Vinicius Cerdeira

G: Giovanni 30′ e 53′, Macedo 1′ e Robert 58′ – Chaves 25′ e Marcelinho 71′

SFC: Edinho; Claudio, Sandro, Narciso e Marcos Adriano (Baiano); Gallo, Batista (Cerezo), Giovanni e Robert; Macedo (Marcelo Passos) e Jamelli

Técnico: Candinho

RBEC: Hugo; Polaco, André, Wagner Fernandes e Adriano; Alexandre, Marcos Assunção, Zé Roberto (Garcia) e Aritana (Marcelinho); Chaves e Nelson.

Técnico: Sergio Ramirez

Gol de placade Robert, placa comemorativa na entrada da Vila Belmiro. O meia santista arrancou da defesa, driblou 2 adversários, venceu na corrida outro, driblou o goleiro e marcou um belíssimo gol.

06/04/1996 SAntos FC 8×2 União São João EC (Araras)

L: Hermínio Ormetto – Araras (SP)

C: Campeonato Paulista

R: R$ 17.995

P: 3.566

A: Oscar Godói

G: Giovani 3′, 9′, 32′, (p) 57′, Clóvis 35′, Vágner 78′, Cláudio 88′ e Jamelli 90′ – Cleomar 13′ e (p) 80′

SFC: Edinho; Claudio, Sandro, Ronaldo Marconato e Marcos Paulo; Gallo (Kennedy), Vágner, Robert (Batista) e Giovani; Clóvis (Macedo) e Jamelli

Técnico: Orlando Lelé

USJEC: Adnan; Luciano, Baiano, Fabinho e Edson; Marcelo Lopes (Odair Junior), Rogerinho, Cleomar e Fabrício (Robinho); Valdo e Silvinho (Cilinho).

Técnico: Play Freitas

Uso dos calções quadriculados!!!!!!!

20/06/1996 Santos FC 2×0 Real Madrid CF (ESP)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Amistoso

R: R$ 22.485,00

P: 2.120

A: Oscar Godói

G: Camanducaia 49′ e Jamelli 91′

SFC: Edinho; Claudio, Sandro, Narciso, Marcos Adriano; Gallo (Cerezo), Baiano (Marcos Paulo), Robert (Marcelo Passos) e Jamelli; Macedo (Camanducaia) e Giovanni (Batista).

Técnico: José Teixeira

RMCF: Contreras; Chendo, Sanz, Vaqueriza e Lasa (Molina); Quique, Fernando Redondo (Guti, depois Rincón), Martine (Gomez) e Milla; Ivan Perez e Zamorano (Jaime).

Técnico: Capello (confirmar)

Despedida de Giovanni

A despedida de Giovanni

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Mesmo com frustação provocada por Márcio Rezende de Freitas no final de 1995, a massa santista estava otimista para o ano de 1996.

No entanto, as coisas seriam bem diferentes que os torcedores imaginavam…

Em janeiro, Cabralzinho se desentende com a direção e deixa o clube. Em seu lugar chega Candinho.

Marquinhos Capixaba também deixa o elenco e a grande novidade é a dupla africana Arthur e Kennedy:

Kennedy nasceu no Zimbabue  caiu nas graças da torcida (brevemente) por sua atuação contra o Corinthians, em janeiro de 1996.
Kennedy nasceu no Zimbabue caiu nas graças da torcida (brevemente) por sua atuação contra o Corinthians, em janeiro de 1996.
Arthur era sul-africano. Não teve o mesmo rendimento que Kennedy.
Arthur era sul-africano. Não teve o mesmo rendimento que Kennedy.

Nos gramados, o ano começa com os torneios de pré-temporada. A Federação Paulista tenta ressuscitar o Torneio Início.

O torneio foi disputado no Parque Antártica, e o Santos caiu na 2ª rodada após empatar com a Portuguesa (que seria a campeã) no jogo e nos escanteios, sendo eliminado pelo fato da equipe tomar mais cartões amarelos que a Portuguesa (não houve decisão por penaltis).

Campanha:

1×0 GE Novorizontino;

0x0 A Portuguesa D

Ainda no final de janeiro, outro torneio de pré-temporada e  o santista abre um enorme sorriso: O Santos vence o Torneio de Verão (Santos, Grêmio, Corinthians e Cruzeiro)

A competição foi disputada no estilo dos torneios de pré-temporada da Espanha: dois jogos eliminatórios e os vencedores disputam o título. Dessa forma, o Santos eliminou o Grêmio e o Corinthians eliminou o Cruzeiro.

Na noite de 24 de janeiro, Santos e Corinthians se enfrentaram na Vila Belmiro e Kennedy e Giovanni fizeram a diferença, 3×1 para o alvinegro praiano e mais um título faturado em cima do rival pauilistano. O jejum de títulos já incomodava e a torcida presente na Vila fez a festa pela conquista…

Campanha:

22/01 – 2×2 Grêmio FPA  – Vila Belmiro – 3×0 nos penaltis (Edinho defendeu duas cobranças gremistas)

24/01 – 3×1 SC Corinthians P – Vila Belmiro

Animado com a conquista o Santos começaria o Paulistão 96 como um dos favoritos ao título.

A FPF mudava novamente o regulamento do Campeonato. Em 1996 seriam dois turnos com 16 equipes, com os dois melhores de cada turno classificando-se para a fase final. Os quatro classificados fariam semi-finais e os vencedores as  finais. Porém se uma mesma equipe ganhasse os dois  turnos, ela seria proclamada campeã.

O campeonato começou com obras em diversos estádios para atender às questões de segurança, sendo que alguns estavam interditados e outros liberados com capacidade reduzida.

A trajetória do SFC começou na Vila, numa vitória magra por 1×0 contra o União São João. No compromisso seguinte, outra vitória (3×2, Juventus). Porém as derrotas nos clássicos contra o São Paulo e a Portuguesa, mostravam que o time não era o mesmo de 95…

Na partida contra a Lusa, no Canindé, os torcedores já ficaram sismados antes da bola rolar… quando viram o alvinegro entrar em campo com camisas brancas e calções pretos alguns pensaram que haviam entrado no estádio errado (alguns pensaram  devolver o seu ingresso, pois julgavam  que tinham entrado no estádio errado na mesma Marginal Tiête)… Era a FPF que exigia que  os times usassem 3 peças de roupa diferenciados em relação ao adversário. Como a Portuguesa usava calções brancos, o SFC foi obrigado a usar calções pretos…

Mesmo com resultados razoáveis nas rodadas seguintes,  o time seguia longe do Palmeiras que massacrava seus adversários a cada rodada, e mesmo no início da competição já era considerado favorito disparado para vencer o Campeonato…

No meio do 1º turno, um momento de grande felicidade: o gol de Placa de Robert  na vitória por 4×2 na Vila Belmiro. Robert foi homenageado com uma placa na entrada do Estádio, veja o motivo de tal homenagem:

Era uma felicidade efêmera… alguns dias depois o SFc era eliminado pelo Atlético Paranaense  na Copa do Brasil (seria a 1ª participação do alvinegro nesta competição):

05/03 – 0x3 C Atlético Paranaense – Baixada (Curitiba)

12/03 – 1×1 C Atlético Paranaense  –  Vila Belmiro

Além da eliminação na Copa do Brasil, mais duas derrotas no Paulistão (América e Guarani) selam o destino de Candinho no comando técnico.

Quem chega para tentar devolver o bom futebol do ano anterior é o ex-zagueiro dos anos 70, Orlando Lelé (foto ao lado), que trabalhava coma base santista.

Com Orlando dirigindo o time, os resultados demoram um pouco para aparecer… e quem se aproveitou foi o Palmeiras que aplicou uma das maiores goleadas sobre o Peixe: 0x6, na Vila Belmiro, numa tarde onde o zagiueiro Cleber (que mais tarde viria a atuar pelo alvinegro) marcou dois gols… tristes lembranças…

O Massacre sofrido despertou o elenco…

No encerramento do turno, o Botafogo “bancou o holandês, e pagou pelo que não fêz”… Santos 5×1!

O Palmeiras venceu o turno com folga e o SFC ficou na 8ª colocação.

No returno  Giovanni brilhou como nunca…

Contra o União São João, 8×2 e a grande novidade da temporada: os calções quadriculados!

Se não bastasse o calção “tabuleiro de xadrez” criaram um outro… estrelado!!!

Seu 1º uso foi contra o São Paulo, no Pacaembu com todos os ingresso vendidos (27.000) e não deu muita sorte: 1×2  São Paulo.

Mas o time se recupera e engata uma sequência de bons resultados: 2×2 Portuguesa, 3×2 Corinthians, 6×2 Ferroviária (um escorregão em Novo Horizonte – 1×2), 3×1 Mogi Mirim, 5×2 Rio Branco, 5×3 América, 2×1 Guarani…

O Santos era a única equipe em condições de evitar o título antecipado do Palmeiras  (que continuava arrasando os adversários)… mas uma surpreendente derrota em Jaú praticamente decide o campeonato. Uma nova derota contra o Palmeiras  define o campeão de 1996.

O Santos ficou na 2º colocação do returno e em 5º lugar na classificação geral.

Vejam a "beleza" do uniforme duante o Paulistão  - 96
Vejam a "beleza" do uniforme duante o Paulistão - 96

O prêmio de consolação foi ver  Giovannii como artilheiro da competição com 24 gols.

Giovanni, ídolo de uma geração orfã de grandes títulos
Giovanni, ídolo de uma geração orfã de grandes títulos

Campanha:

União São João EC – 1×0 (VB); 8×2 (Araras)

CA Juventus  – 3×2 (Parque Antártica); 2×1 (Santo André)

São Paulo FC – 1×2 (VB); 1×2 (Pacaembu)

A Portuguesa D – 2×3 (Canindé); 2×2 (Pacaembu)

SC Corinthians P – 2×2 (VB); 3×2 (Pacaembu)

A Ferroviária E  – 3×0 (Araraquara); 6×2 (VB)

GE Novorizontino – 1×1 (VB); 1×2 (Novo Horizonte)

Mogi Mirim EC – 0x2 (Mogi Mirim); 3×1 (VB)

Rio Branco EC – 4×2 (VB); 5×2 (Americana)

América FC – 0x1 (SJRP); 5×3 (VB)

Guarani FC – 0x2 (Brinco de Ouro); 2×1 (VB)

EC XV de Novembro (Jaú) – 2×1 (VB); 0x2 (Jaú)

AE Araçatuba – 0x2 (Araçatuba); 5×2 (VB)

SE Palmeiras – 0x6 (VB); 0x2 (Parque Antártica)

Botafogo FC – 5×1 (VB); 2×1 (Santa Cruz)

Terminando o Campeonato Paulista, a tristeza:

Giovanni parte para a Espanha, para o Barcelona.

Na despedida, um amistoso contra o Real Madrid, na Vila Belmiro:

20/06 – 2×0 Real Madrid CF – Na Vila Belmiro

Sem Giovanni, o SFC passava a ser um time comum… e os resultados seriam visíveis em campo no 2º semestre.

Mais uma vez é disputado o Torneio dos Campeões Mundiais, mas o alvinegro não foi feliz, não se classificando para a final:

28/06 – 1×1 São Paulo FC – em Cuiabá

05/07 – 1×0 Grêmio FPA – em Cuiabá

16/07 – 1×2 CR Flamengo – em Brasília

O alvinegro tinha um mês para se preparar ao Brasileiro de 1996… e seguiu para Bebedouro, onde em 1995 também tinha feito sua inter-temporada.

A grande novidade santista era o atacante colombiano Usuriaga, o qual o torcida e os dirigentes depositavam grandes esperanças.

A vinda do craque colombiano deu uma tremenda dor de cabeça...
A vinda do craque colombiano deu uma tremenda dor de cabeça...

E, como em 1995, o Santos enfrentou o time local, desta feita  porém, com uma goleada por 8×0!

Mais dois amistosos contra equipes paulistas (2×2 AA Internacional  – Limeira; e 3×1 Comercial FC) colocavam o Peixe em ordem para a estreia no Barsileirão – 96.

Nestes amistosos, Usuriaga havia marcado 3 gols, sendo o artilheiro, ao lado de Jamelli.

A competição máxima organizada pela CBF iria começar, e o regulamento novamente era modificado…

Os 24 participantes jogavam em turno único e o s 8 melhores disputavam em jogos eliminatórios as quartas-de-final, semi-final e final.

Não parecia muito difícil a classificação para fase eliminatória…

Além de Usuriaga, o Peixe contava como retorno do veterano goleiro Sergio Guedes, o zagueiro Sandro (vindo do Sport Recife) e a efetivação de Marcos Assunção no meio de campo. E um novo técnico comandava o alvinegro: José Teixeira era o contratado com a saída de Orlando.

O Santos teria uma dificuldade… a Vila Belmiro estava fechada para reformas no gramado  e o mando de suaus partidas seria na Capital, no simpático estádio do Complexo Esportivo Vaz Guimarães, no Ibirapuera.

Na realidade, o simpático e bem localizado estádio Ícaro de Castro é para competições de atletismo
Na realidade, o simpático e bem localizado estádio Ícaro de Castro é para competições de atletismo

Começou bem a competição,  obtendo resultados satisfatórios, principalmente fora de casa: 1×1 Guarani, 2×0 Botafogo e 3×1 no Coritiba. Mas o fato de maior destaque era o imbróglio Usuriaga…

O atacante colombiano havia participado da partida contra o Fluminense (1×0), porém sua documentação não estava totalmente acertada na CBF… os dirigentes e a torcida ficaram apreensivos pois havia o risco da perda dos pontos e ter as suas arrecadações confiscadas pela CBF.

A confusão terminou com a saída de Usiuriaga para o futebol mexicano. O atacante colombiano realizou apenas 3 partidas pelo Peixe e marcou 3 gols.

A Super Copa da Libertadores começava mais uma vez, o desta feita a participação santista foi mais adequada a sua história. Mesmo aos trancos e barrancos, chegou até as semi-finais, graças aos milagres de Edinho e de resultados positivos no Brasil. Caiu frente ao bom time do Velez Sarsfield, campeão da Super Libertadores daquele ano. Velez de mítico goleiro paraguaio  Chilavert.

Campanha:

CA Peñarol (Uruguai)- 2×1, em Rivera (Urruguai); 3×0 no Ícaro de Castro (São Paulo). Peñarol era o tetra campeão uruguaio (93,94, 95 e 96)

Atlético Nacional (Colômbia) 2×0, em São José do Rio Preto, no Teixeirão; 1×3, em Medelín. Na decisão por penaltis:  7×6 para o SFC, com Edinho evitando duas conversões.

CA Velez Sarsfield (Argentina) 1×2, em Uberlândia; 1×1 em Buenos Aires. O Velez foi campeão argentino de 1996.

No Brasileirão o restante da campanha foi decepcionante… empates, derrotas e péssimas apresentações…

O Estádio Ícaro de Castro não era satisfatório por seu gramado de dimensões reduzidas e o time pulou de cidade em cidade, de estádio para estádio…

Jogou em São José do Rio Preto (contra o Atlético Nacional e Flamengo), em São Bernanrdo do Campo (Internacional), Bebedouro (Atlético Mineiro), Uberlândia (Velez), Parque Antártica (Paraná) e Morumbi (Corinthians).

A nota curiosa deste período foi o amistoso internacional que a equipe mista do SFC realizou contra a Seleção do Haiti, em Miami (EUA): 27/10, SFC 2×1 Haiti.

Campanha do SFC no Campeonato Brasileiro:

Guarani FC  – 1×1 (Brinco de Ouro)

Fluminense FC – 1×0 (Ícaro de Castro)

São Paulo FC – 1×2 (Morumbi)

Botafogo FR – 2×0 (Maracanã)

Coritiba FC – 3×1 (Couto Pereira)

Juventude EC – 1×1(Ícaro de Castro)

SE Palmeiras  – 1×2 (Morumbi)

Goiás EC – 0x2 (Serra Dourada)

A Portuguesa D – 2×0 (Ícaro de Castro)

C Atlético Mineiro  – 0x1 (Bebedouro)

SC Internacional  -1×2 (Vila Euclides – São Bernardo do Campo)

EC Bahia  – 1×1 (Fonte Nova)

Sport C Recife  – 1×2  (Ícaro de Castro)

Criciúma EC – 1×1 (Criciúma)

CR Flamengo  – 1×2 (Teixeirão, em SJRP)

SC Corinthians P – 0x0 (Morumbi)

CA Bragantino  – 2×2 (Ícaro de Castro)

CR Vasco da Gama  – 2×1 (São Januário)

EC Vitória  – 1×0 (Ícaro de Castro)

Grêmio FPA – 0x3 (Olímpico)

C Atlético Paranaense  – 3×2  (Ícaro de Castro)

Paraná C – 0x3 (Parque Antártica)

Cruzeiro EC  – 1×2 (Mineirão)

A classificação final foi a 20ª colocação entre 24 participantes. Pouco

A crise rondava a Vila Belmiro, como podemos ver neste vídeo após a derrota para o Sport:

O ano se encerra com Edinho em baixa, sem um artilheiro, sem mando de campo… mas a direção santista promete uma virada para 1997.

fichas técnicas de 1995

12/03/1995 Santos FC  3×1 Guarani FC (Campinas)

L: Brinco de Ouro – Campinas (SP)

C: Campeonato Paulista

R: R$ 74.930

P: 8.351

A: José Aparecido de Oliveira

Expulsão: Marcinho (GFC) e Carlinhos (SFC) expulsos

G: Marcelo Passos (p) 44′ e Giovani 49′ e 85′ – Djalminha (p) 59′

SFC: Edinho; Silva, Maurício Cupertino, Narciso e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Giovani e Marcelo Passos (Raniélli); Macedo (Cerezo) e Jamelli (Camanducaia).

Técnico: Joãozinho

GFC: Hiran; Marcinho, Marcelo, Índio e Dedé; Fernando, Fabio Augusto, Djamlinha e Leto (Israel); Luisão e Alex (Fabinho).

Técnico: Givanildo

19/10/1995 Santos FC 4×1 Grêmio FPA (Porto Alegre)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Brasileiro

R: R$ 19.178

P: 3.058

A: Marcio Rezende de Freitas

Expulsão: Carlos Miguel (GFPA) expulso

G: Gallo 9′ e Giovani 52′, 69′ e 88′ – Nildo 51′

SFC: Edinho; Marcelo Silva, Ronaldo Marconato, Narciso e Marcos Adriano; Gallo, Carlinhos, Vagner (Camanducaia) e Robert; Jamelli e Giovani.

Técnico: Cabralzinho

GFPA: Silvio; Arce, Luciano, Wagenr Fernandes e Carlos Miguel; Gelson, Luiz Carlos Goiano, Emerson (Magno) e Alexandre; Paulo Nunes (Raniélli) e Nildo.

Técnico: Luis Felipe Scolari

Giovanni e Jamelli arrebentam com o Grêmio…

04/11/1995 Santos FC 3×2 Baré EC (Boa Vista)

L: Estádio Canarinho – Boa Vista (RR)

C: Amistoso (Troféu Rei Pelé)

A: Marcos Ventura

G: Giovani, Arthur e Marquinhos Capixaba – Marquinhos (2)

SFC: Edinho (Gilberto); Marcelo Silva (Marquinhos Capixaba), Ronaldo, Narciso e Marcos Adriano (Marcos Paulo); Gallo (Batista), Carlinhos, Jamelli (Marcelo Passos) e Robert (Kennedy); Camanducaia (Arthur) e Giovani (Whellington).

Técnico: Cabralzinho

BEC: Macarrão; Zeca, André, Lindomar e Naderlei; Gilnei (Tico), Betinho, Junior (Carlinhos) e Emerson; Gerson (Marquinhos) e Rigoberto.

Técnico:

Santos ganhou o Troféu Rei Pelé . Única apresentação em Roraima na história do SFC.

10/12/1995 Santos FC  5×2 Fluminense FC (Rio de Janeiro)

L: Pacaembu – São Paulo (SP)

C: Campeonato Brasileiro

R: R$ 336.289

P: 28.090

A: Sidrack Marinho

Expulsão: Ronaldo Marconato (SFC) expulso

G: Giovani (p) 25′ e 29′, Macedo 50′, Camanducaia 61′ e Marcelo Passos 83′ – Rogerinho 51′ e 85′

SFC: Edinho; Marquinhos Capixaba, Ronaldo Marconato, Narciso e Marcos Adriano; Gallo e Carlinhos; Macedo (Marcos Paulo), Marcelo Passos (Pintado), Giovani e Camanducaia (Batista).

Técnico: Cabralzinho

FFC: Welerson; Ronald, Lima, Alê (Gaucho) e Cássio; Vampeta, Otacílio, Aílton e Rogerinho; Renato Gaucho e Valdeir (Leonardo).

Técnico: Joel Santana

Um épico… um drama… um espetáculo (no campo e nas arquibancadas)… atuando no velho 4-2-4, o SFC reviveu seus velhos tempos e Giovanni foi soberbo, ganhou nota 10 na “bola de prata”. INESQUECÍVEL.

Para homenagear a grande campanha de 95, o santista louco Wesley Miranda produziu o vídeo abaixo, vale a pena ver:

Dom Giovanni

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

1995,

Ano do resplendor de Giovanni!

Ano do retorno do orgulho santista!

Ano de Edinho!

Ano de Pelé retornando à direção do Santos FC!

Ano de Márcio Rezende de Freitas…

Quando chegou janeiro de 1995,  Pelé já havia retornado à direção do SFC e juntamente com Samir Abdul-Hack no dia 27 de janeiro fizeram o lançamento da pedra fundamental do CT do Santos FC.

Pita começou na AA Portuguesa, atuou no SAntos FC de 1977 até 1984; S]ão Paulo FC 1984/1988; Strasbourg (França) 1988/1989; Guarani FC 1989/1990; Fujita (Japão) 1991/1992; Nagoya Grampus 1993 e AA Internacional (Limeira) 1994
Pita começou na AA Portuguesa, atuou no SFC de 1977/1984; São Paulo FC 1984/1988; Strasbourg (França) 1988/1989; Guarani FC 1989/1990; Fujita (Japão) 1991/1992; Nagoya Grampus (Japão) 1993 e AA Internacional (Limeira) 1994

No dia anterior, Pita fazia sua despedida do futebol, numa partida amistosa entre Santos FC e AA Portuguesa, em Ulrico Mursa. Pita jogou 20 minutos pela Portuguesa e outros 20 minutos pelo Santos. O resultado em si pouco importava, valia mais a festa, no entanto o alvinegro ganhou a partida e levou para a sala de Troféus a Taça Cidade de Santos, em disputa na ocasião.

O Campeonato Paulista começaria ainda em janeiro, e novamente teve seu regulamento alterado. As 16 equipes disputariam uma 1ª fase em turno e returno. Os 7 melhores se classificariam para a 2ª fase, juntamente com o melhor da série B. Os 8 times seriam divididos em 2 grupos de 4, jogariam dentro dos grupos em turno e returno e os campeões de cada grupo disputariam a final.

A grande novidade foi a aplicação da regra dos 3 pontos por vitória, já usada pela FIFA.

Dessa forma, todos sabiam que o que realmente importava era a fase final… e não tinham dúvidas que os grandes estariam todos classificados ao final da 1ª fase.

Palmeiras, São Paulo e Corinthians eram as forças principais. A Portuguesa com Zé Roberto, Capitão e Paulinho MacLaren não poderia ser desprezada. E o Santos?

O Santos era juventude e entusiasmo. As “pratas da casa” estavam valorizadas, pois a política dos “pés no chão” estava implantada.

O principal reforço era Jamelli, vindo do São Paulo FC, os demais eram atletas que já estavam no elenco em 1994.

Guga e Neto foram dispensados, dando oportunidade para Giovanni ficar absoluto com a 10 e Marcelo Passos viver grandes momentos no comando de ataque santista. Edinho estava em grande fase, apesar de não ser exatamente um paredão.. Narciso despontava na defesa, Gallo e Carlinhos compunham o meio de campo e Jamelli caia como uma luva no esquema de jogo santista. Além desses atletas, o elenco ainda dispunha de Macedo, Robert, Vágner e Camanducaia… um time com o DNA ofensivo, sem dúvida.

A Vila Belmiro estava inteditada para reforma no gramado,  e o alvinegro peregrinou pelo Ulrico Mursa, Santo André e Morumbi.

Com um futebol envolvente e jogando no ataque, o Santos era a sensação do futebol paulista, com exibições convincentes e gols… muitos gols. Foi muito bem nos clássicos, vencendo Palmeiras, Corinthians e Portuguesa , mas perdia pontos bobos no interior… de qualquer forma terminou a 1ª fase em 3º lugar na classificação geral à frente de Palmeiras e Corinthians. A Lusa do Canindé foi a 1ª colocada, levando para a 2ª fase o ponto de bonificação.

Campanha na 1ª fase:

União São João EC – 2×0 (Ulrico Mursa); 1×1 (Araras)

América FC – 3×0 (Ulrico Mursa);1×1 (SJRP)

EC Xv de Novembro (Piracicaba) – 0x0 (Piracicaba); 4×1 (VB)

SE Palmeiras – 2×2 (Parque Antártica);3×1 (VB)

CA Bragantino  – 3×2 (Morumbi);1×1 (Bragança Paulista)

CA Juventus  – 2×2 (Santo André);2×0 (VB)

Guarani FC – 3×1 (Brinco de Ouro); 1×2 (VB)

SC Corinthians P – 0x0 (Pacaembu); 3×1 (VB)

A Portuguesa D – 1×1 (VB); 2×1 (Canindé)

AA Ponte Preta – 4×1 (VB); 1×2 (Moisés Lucarelli)

Rio Branco EC  – 2×4 (Americana);0x1 (VB)

GE Novorizontino – 1×2 (Novo Horizonte); 1×1 (VB)

AE Araçatuba – 3×1 (VB);0x1 (Araçatuba)

A Ferroviária E – 1×0 (Araraquara);1×0 (VB)

São Paulo FC – 1×1 (VB); 0x0 (Pacaembu)

Ao final da fase de classificação,  o Peixe tinha o melhor ataque da competição, fato que foi confirmado ao término do campeonato. Algumas grandes exibições nesta fase… Marcelo Passos e Giovanni faziam uma dupla infernal para os zagueiros adversários, que digam os defensores do Palmeiras e Corinthians.

Marcelo Passos realizou um grande campeonato naquele 1º semestre…

Mas a grande notícia que manteve a Vila Belmiro nas manchetes esportivas era a possibilidade da contratação de MARADONA!

Seria uma grande jogada de marketing, onde Maradona seria o principal garoto-propaganda. Não seria a contratação de mais um medalhão, pois o dinheiro não seria do SFC, mas sim de investidores.

No entanto, da mesma forma que surgiu a notícia, ela foi embora… não se concretizando a possibilidade do encontro dos dois maiores futebolistas do Mundo.

Voltando ao mundo real, Edinho vivia grande fase… fechava o gol em diversas partidas e Pelé (pai coruja) pedia Edinho na Seleção Brasileira.

Em maio um encontro insólito… um amistoso que poderia ficar perdido na poeira de velhos arquivos… Santos x União (Mogi das Cruzes).

Qual a importância desta partida?

Praticamente nenhuma… nenhuma Taça em disputa… um amistoso para preencher calendário, certamente seria apenas uma partida a mais entre as  5.500 realizadas pelo alvinegro.

Seria tudo isso, se não fosse um detalhe… no gol santista, Edinho, filho de Pelé. No ataque do União, um certo Neymar… nome familiar,  não? Sim, meus amigos… ele mesmo… Neymar, pai do atacante santista, a joía da Vila, o autor do gol mais bonito do Mundo em 2011. Santos, Pelé e Neymar tinham seus destinos traçados desde 1995. O resultado do amistoso? 1×1.

Destino traçado desde 1995
Destino traçado desde 1995
Edinho, Dondinho e Pelé
Edinho, Dondinho e Pelé

Em junho a Vila Belmiro recebia a equipe da Lazio , vice Campeã Italiana, para um amistoso.

Numa partida ao melhor estilo dos anos 50, foi cheia de gols… no final, vitória da equipe italiana por 5×3.

09/06/1995 SFC 3×5 SS Lazio (Itália)

A 2ª fase do Paulistão iria começar, o grupo do SFC era difícil; Portuguesa, Corinthians e União São João.

Na 1ª rodada, a Lusa do Canindé fez valer seu mando de campo e sua melhor campanha na 1ª fase e venceu por convincentes 3×1.

O confronto seguinte seria em Ribeirão Preto, no clássico contra o Corinthians. Os estádios da Capital estavam em reformas (adequando-se às novas regras sobre segurança).

Mesmo contando com uma grande exibição de Edinho e Giovanni, o Peixe ficou no empate, reduzindo drasticamente as possibilidades de uma final.

Nem mesmo a vitória contra o União, na Vila deixou o SFC em condições de sonhar mais alto… deveria vencer todos os compromissos do returno para disputar diretamente o título. A classificação era: Portuguesa e Corinthians, 7 pontos; Santos, 4 e União, zero.

Uma nova derrota contra a Lusa (1×2, na Vila), tirou qualquer possibilidade de sucesso… mais uma ano na fila…

Campanha na 2ª fase:

A Portuguesa D – 1×3 (Canindé); 1×2 (VB)

SC Corinthinas P – 2×2 (Santa Cruz); 2×4 (Limeira)

União São João EC – 3×2 (VB); 1×1 (Araras)

Com esses resultados o SFC ficou na 5ª colocação na classificação geral.

Desde a década de 90 a briga por audiência na TV chegava ao futebol… e o SBT, junto com a cartolagem criava a Copa dos Campeões Mundiais. Um quadrangular (SFC, São Paulo, Grêmio e Flamengo), disputado em turno único com uma final entre os dois melhores classificados. As partidas eram realizadas pelo interior do Brasil e despertou o interesse do torcedor.

O Peixe foi muito bem na fase de classificação, ficando em 1º lugar:

São Paulo FC 2×1 (Em Uberlândia)

CR Flamengo 1×0 (Em Brasília)

Grêmio FPA 0x0 (Em Brasília)

A final foi contra o São Paulo, e nenhuma das equipes marcou, forçando a decisão nos penaltis… Giovanni e Marcelo Passos, as estrelas santistas erraram suas cobranças e o título foi para o Morumbi:

Santos FC 0x0 São Paulo FC – Uberlândia – 3×4 na decisão por penaltis.

Uma pena.. o Santos havia mostrado melhor futebol que os demais participantes, e mesmo sem perder nenhuma partida e ter feito maior número de pontos não ficou  com o título.

Havia ainda o Brasileirão…

E mais um regulamento diferente… os 24 times foram divididos em 2 grupos de 12. No 1º turno, jogos entre os participantes do mesmo grupo; no 2º turno, os participantes de um grupo enfrentavam os do outro grupo. Os campeões de cada turno em cada grupo estariam classificados para as semi-finais. Os vencedores fariam as finais.

Antes de começar a competição o alvinegro seguiu para Bebedouro para treinamentos… Aproveitou a estadia na Capital da Laranja e enfrentou a Internacional, num amistoso em favor ao Fundo de Solidariedade de Bebedouro. A partida ficou no empate em 0x0, mas a arrecadação foi de R$ 13.000,00, uma boa quantia para 1995… como cortesia,  mesmo com o empate, a equipe visitante ficou com o Troféu Prefeito Hélio Bastos. Mais uma taça na coleção santista.

O começo do Brasileirão não foi muito animador para a massa santista… empate em Goiás (onde o destaque foi Edinho), derrota na Vila para o Vasco (e Joãozinho demitido), outra derrota (Fluminense, nas Laranjeiras), até que chegou Cabralzinho….

Jogador do SFC nos anos 60, Cabralzinho foi Técnico do timaço de 95.
Jogador do SFC nos anos 60, Cabralzinho foi Técnico do timaço de 95.

Venceu a 1ª partida (Criciúma), perdeu para o Inter no Beira Rio, e colocou o time nos eixos…

Armou o Santos como todo torcedor gosta: no ataque.

E que ataque… Camanducaia (ou Macedo), Wagner, Jamelli (ou Marcelo Passos), Giovanni e Robert.

No meio de campo havia Gallo, Carlinhos e Pintado

Edinho, soberano no gol, mesmo provocando alguns calafrios nas tentativas de cortar os cruzamentos na área , deficiência que compensava com agilidade, elasticidade e reflexo.

Narciso era o comandante da zaga, dando a segurança necessária para Jean ou Ronaldo Marconato ou ainda Marcelo Fernandes. Nas laterais, Marquinhos Capixaba e Marcos Adriano, davam conta do recado.

Mesmo com 4 derrotas, o alvinegro terminou o 1º turno em 3º lugar em seu grupo, apenas 2 pontos atrás de Inter e Fluminense (Campeão).

Campanha no 1º turno:

Goiás EC – 1×1 (VB)

CR Vasco da Gama – 3×5 (VB)

Fluminense FC – 0x1 (Laranjeiras)

Criciúma EC  – 1×0 (VB)

SC Internacional  – 2×4 (Beira Rio)

C Atlético Mineiro – 2×1 (Mineirão)

A Portuguesa D –  2×0 (Canindé)

São Paulo FC – 0x1 (VB)

União São João EC – 3×2 (VB)

EC Bahia – 3×2 (VB)

Sport C Recife  – 2×1 (Ilha do Retiro)

No 2º semestre era o período da Super Copa Libertadores da América… e desta vez o santista estava confiante… e ficou animado com o empate obtido em Avellaneda, contra o Independiente (1×1), só não ficou exultante porque o Peixe tomou um gol aos 95’… deixando escapar um vitória certa… na Vila, acreditava o santista, a sorte sorriria ao alvinegro…

Logo os 7 minutos Giovanni colocava o Santos na frente… mas os argentinos eram valentes e viraram (1×2)… o Peixeo tinha meia hora para superar o aguerrido Independiente… e de tanto martelar, Giovanni empatou aos 88′.

Decisão nos penaltis, como no Copa dos Campeões Mundiais, e novamente o SFC não foi feliz… Edinho fez sua parte, defendendo as cobranças de Garnero e Cagna, porém Jamelli, Robert e Marquinhos Capixaba não converteram suas cobranças, final 2×3 e mais uma vez desclassificado.

13/09 – 1×1 Independiente (Argentina (Em Avellaneda)

04/10 – 2×2 Independiente (Argentina )(na Vila ) – 2×3 na decisão por penaltis

De 1994 a 1996, com Giovanni em campo foram anos incríveis...
De 1994 a 1996, com Giovanni em campo foram anos incríveis... "anos incríveis" era um seriado de televisão exibido no Brasil nessa época

Com o foco voltado com exclusividade ao Brasileiro, o Santos deslanchou com a goleada sobre o Grêmio (4×1)… Giovanni começou a fazer gols de todas as formas possíveis  e os adversários  iam caindo um a um… Grêmio, Cruzeiro , Flamengo, Corinthians, Botafogo e Guarani… eram tempos incríveis!

O time jogava com raça e elegância, sorte e determinação, coletivamente e com o brilho individual de seus craques…

E mais uma vez o Maracanã viu uma exibição de gala do alvinegro, no baile (3×0) sobre o Flamengo.

19 de novembro, dia  de Pelé, Vila Belmiro lotada… Pelé homenageado pela direção, emoldura a marca de seus pés no cimento fresco para ficar marcado para a eternidade (hoje a placa de cimento esta exposta no memorial da Vila Belmiro)… nas arquibancadas a massa delirava coma entrada triunfal de Pelé ao lado de Edinho… e no campo foi um baile… Giovanni conduzia a orquestra santista com a maestria dos gênios  e o resultado foi outra goleada: 3×0!

Chegara a vez do Botafogo, líder do outro grupo, era um adversário temido… Túlio e Donizeti era uma dupla de área mortal… porém o verdadeiro ataque  mortífero era o ataque santista… 3×1 sem menor chance ao alvinegro carioca.

Contra o Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo alardeava na imprensa que iria parar Giovanni e que venceria o Santos… Pacaembu com a lotação máxima permitida (28.000 pessoas)… e Amaral, obediente à Luxemburgo, grudou 90′ em Giovanni… porém quando Amaral “piscou”, Giovanni deixou Wagner na cara do gol… final, Santos 1×0!

Última rodada, Santos e Atlético Mineiro disputam a derradeira vaga… o Peixe esta um ponto na frente. O adversário é o Guarani, que aceita transferir o mando de campo para o Pacaembu (visando maior arrecadação)… o Bugre já estava desclassificado e longe do rebaixamento, jogava sem qualquer compromisso.

E não é que o Guarani jogava melhor que o nervoso SFC?

Enquanto isso o Galo mineiro despachava o Vitória, em Salvador,  e ficava com a vaga…

O torcedor santista sofria nas arquibancadas do Pacaembu… jogo enrolado, difícil… até Marcelo Passos mostra sua categoria como no 1º semestre,  pega a bola na esquerda, avança na diagonal e manda um balaço de fora da área… Gol… um lindo gol.  Giovanni marcou outro e ainda teve tempo para o “olé”… tudo isso nos 10 minutos finais… Santos na semi-final.

Veja algumas passagens marcantes da campanha santista na 2ª fase:

Santos 3×0 Corinthians:

Santos 1×0 Palmeiras

Santos 3×1 Botafogo

Santos 2×0 Guarani

Campanha na 2ª fase:

CA Bragantino – 4×4 (VB)

Juventude EC – 1×1 (Alfredo Jacomi)

Grêmio FPA – 4×1 (VB)

Cruzeiro EC – 2×1 (VB)

EC Vitória  – 0x4 (Barradão)

CR Flamengo – 3×0 (Maracanã)

Paraná C  – 0x0 (Durival de Brito)

SC Corinthinas P – 3×0 (VB)

SE Palmeiras – 1×0 (Pacaembu)

Paissandu SC  – 2×1 (VB)

Botafogo FR – 3×1 (VB)

Guarani FC – 2×0 (Pacaembu)

Nas semi-finais o adversário seria o Fluminense (Campeão Carioca de 95) de Renato Gaucho.

Começa a decisão com Giovanni abrindo o marcador… e mantendo o Peixe na frente durante todo 1º tempo…

No 2º tempo, o inacreditável… até a metade da etapa final, resistiu bem, mas o gol de desempate aos 25′, desmontou o time. Em seguida Robert foi expulso, depois Jamelli… aos 89′, gol tricolor e mais outro aos 91′.

Mas havia o jogo do Pacaembu…

A partida mais alucinante do Santos FC em todos os tempos… comparável apenas a Santos e Milan, no encharcado Maracanã em 1963.

Giovanni agitou a torcida e o time pintando o cabelo de vermelho… Jamelli pintou o seu cabelo de amarelo… Robert desenhou o escudo do SFC na nuca. E Cabralzinho montou o time no 4-2-4!!!!!!

O alvinegro tinha que vencer com 3 gols de diferença, e Cabralzinho arriscou tudo… e fez o SFC entrar com : Edinho; Marquinhos Capixaba, Ronaldo Marconato, Narciso e Marcos Adriano; Gallo e Carlinhos; Macedo, Marcelo Passos, Giovani e Camanducaia.

O que aconteceu virou lenda…

A exibição perfeita de Giovanni (raríssima nota 10 de bola de prata  – Placar)…

O time sentado no gramado no intervalo…

E a incrível vitória por 5×2!!!!!!!

Melhor ver  as imagens:

Santos na final… ninguém duvidava do Título…  era o time mais sensacional dos últimos anos no Brasil… o adversário na final era o Botafogo, antigo rival dos anos 60.

Na decisão, muito equilíbrio no 1º jogo, porém Túlio faz a diferença e o Botafogo vence por 2×1. Mesmo assim, a massa santista saiu cantando do Maracanã, pois era certa a vitória praiana no Pacaembu.

Mas o futebol tem alguns mistérios… Pelé estava em rota de colisão com Ricardo Teixeira (sim, desde aquele tempo era Mr Ricardo Teixeira que comandava o futebol brasileiro)… o Presidente da FPF assim como seu vice, viajaram para o exterior na semana da decisão… e a CBF determinou Márcio Rezende de Freitas para arbitrar a final.

Túlio abriu a contagem em completo impedimento… mas MRF validou a ilegalidade… Na raça, o Santos acuava o Botafogo. Logo no 2º tempo, Marcelo Passos empata a partida, após Marquinhos Capixaba vencer na garra, no braço, no tranco uma bola perdida no canto da área… o desempate era questão de tempo… até que ao Camanducaia marca o gol da vitória… Santos 2×1!

Santos, Campeão de 1995!!!!!!

Márcio Rezende de Freitas não quis essa verdade e anulou o gol legítimo de Camanducaia… os bastidores do futebol faziam a festa… assim como em 1974, 1980, 1982 e   1983 o Campeão precisou de um “auxílio extra” (fato que se repetiu em 97, 2000 e 2005).

Fichas técnicas 1994

15/03/1994 Santos FC 1×0 CA Bragantino (Bragança Paulista) –

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Paulista

R: CR$ 16.474.000

P: 4.580

A: José Mocelin

G: Gallo 23′

SFC: Edinho, Sérgio Santos, Júnior, Marcelo Fernandes e Luciano Carlos; Gallo,Dinho, Cerezo e Carlinhos; Macedo (Neizinho) e Guga.

Técnico: Serginho Chulapa

CAB: Marcelo; Valmir, Remerson, Nei e Da Guia; Pires, Marcão, Marcelo Prates e Alberto; Silvio e Ciro.

Técnico: Dusan Drascovic

Dinho tomou um cartão amarelo absurdo… estava avisando o árbitro que a bola estava murcha, o juizão pensou que estava fazendo cera e amarelou o craque… minutos depois, parou a partida para trocar de bola, pois a redonda estava mesmo murcha…

24/04/1994 Santos FC 4×3 SC Corinthians P (São Paulo) -

L: Morumbi – São Paulo (SP)

C: Campeonato Paulista

R: CR$ 145.250.000

P: 26.271

A: Oscar Godói

G: Guga 23′, 41′ e 86′ e Dinho (p) 26′ – Marcelinho Carioca (p) 8′ e Casagrande 21′ e 88′

SFC: Edinho; Índio, Marcelo Fernandes, Cerezo e Silva; Dinho, Gallo e Ranielli (Sérgio Santos); Macedo, Guga e Kobayashi (Zé Renato).

Técnico: Serginho Chulapa.

SCCP: Ronaldo; Valdo, Gralak, Wilson Mano e Daniel (Elias); Embu (Marques), Zé Elias, Casagrande e Marcelinho; Viola e Rivaldo.

Técnico: Carlos Alberto Silva

Espetacular partida de Edinho (que praticou umas 4 defesas sensacionais) e Guga… imprensa já cogitava a convocação de Edinho para a Seleção Brasileira

19/05/1994 Santos FC 7×1 Seleção de Hortolândia -

L: Municipal de Hortolândia (Tico Breda) – Hortolândia (SP)

C: Amistoso (Aniversário de Hortolândia)

G: Guga (2), Paulinho Kobayashi (2), Demétrius (2) e Serginho Fraldinha – Não informado

SFC: Edinho (Nando), Índio (Luciano Carlos), Junior (Marcelo Fernandes), Maurício Copertino e Silva (Piá); Dinho, Gallo (Sergio Santos), Paulinho Kobayashi (Demétrius) e Ranieli (Zé Renato); Macedo (Serginho Fraldinha) e Guga (Neizinho).

Técnico: Serginho Chulapa.

SFC recebeu Troféu comemorativo (3º aniversário de Hortolândia)

14/08/1994 Santos FC  1×0 C Remo (Belém)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Brasileiro

R: R$ 60.957

P: 9.937

A: Leo Feldman

Expulsão: Marcelo (CR) e Demetrius (SFC) expulsos

G: Paulinho Kobayashi 14′

SFC: Edinho; Índio, Júnior, Narciso e Silva; Dinho, Gallo, Neto e Paulinho Kobayashi (Cerezo); Macedo e Demétrius.

Técnico: Serginho Chulapa

CR: Clemer; Marcelo, Belterra, Fabio e Serginho; Cleberton, Rogerinho, Mazinho (Wandêr) e Helinho; Mauro e Alencar (Junior).

Técnico: Valdemar Carabina

Edinho defendeu um penalti, mandando a bola para escanteio.

22/10/1994 Santos FC 2×0 Botafogo FR (Rio de Janeiro) -

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Brasileiro

R: R$ 17.529

P: 3.211

A: Marcio Rezende de Freitas

Expulsão: Rogério Pinheiro (BFR) expulso

G: Guga 18′ e Marcelo Fernandes 66′

SFC: Edinho; Indio, Marcelo Fernandes, Narciso e Silva; Dinho, Gallo, Raniéli (Paulinho Kobayashi) e Giovani (Cerezo); Macedo e Guga.

Técnico: Serginho Chulapa

BFR: Carlão; Beto, Wilson Gotardo, Rogério Pinheiro e Jeferson; Nelson, Bonamico (Moisés), Juninho e Sergio Manoel; Mauricinho e Tulio (Marcelo).

Técnico: Renato Trindade

Destaque da partida foi Giovanni (sua 2ª partida oficial)… será assim nos próximos anos.

16/06/1994 Santos FC 4×2 C Atlético Mineiro (Belo Horizonte)

L: Caio Martins – Niterói (RJ)

C: Copa Denner

Árbitro: Aluísio Viug (RJ)

Gols: Luciano, aos 8’, Ânderson, aos 12’, Ranielli, aos 17’, Luciano, aos 37’, Demétrius, aos 49’ e Renaldo, aos 63’

SFC: Robson; Sergio Santos, Marcelo Fernandes, Maurício Cupertino e Cerezzo; Piá, Raniéli (Marcelo Passos), Zé Renato e Serginho Fraldinha (Neizinho); Demétrius e Luciano.

Técnico: Joãozinho

CAM: Percovich, Vladimir (Alessandro), Adeílson, Zezé (Edílson) e Guto “Ganso”; Ânderson (Lúcio Mário), Canela e Vanderlei; Renaldo, Wiver e Leandro Tavares.

Técnico: Erivelto Martins

SFC Campeão da Copa Denner. Tanto SFC, como o CAM atuaram com equipes mistas. Neste dia o time principal do Atlético Mineiro enfrentava o Vasco pela Copa do Brasil, em São Januário.

28/08/1994 Santos FC 2×3 C Deportivo Guadalajara AC Chivas (MEX)

L: Estádio Jalisco – Guadalajara (MEX)

C: Amistoso

A: José de Jesus Robles

G: Marcos Paulo 44′ e Serginho Fraldinha 64′ – Guzmán 9′ e 30′ e Misael 50′

SFC: Gilberto; Rogério, Marcelo Fernandes, Maurício Cupertino e Marcos Paulo; Sergio Santos, Carlinhos e Ranielli (Giovani); Serginho Fraldinha, Neizinho (Moisés) e Mundinho (Dirceu).

Técnico: Joãozinho

CDGAC: Morales; Arellano, Vidrio, Hernadez e Robles; Coyote, Garcia (Arreola), Ramon Ramirez (Matias) e Chepo (Zarate); Misael (Vazquez) e Guzmán.

Técnico: Guerra Lopez

Primeira partida de Giovanni pelo Santos FC. Ocorreu nesta excursão ao México com o time misto.

Pés no chão! (1994)

Santistas de todo mundo, uni-vos!

Depois da boa campanha de 1993 o santista esperava muito de 1994.

Porém, fora das 4 linhas, as coisas estavam “mal paradas”…

Marcelo Teixeira deixa a presidência e quem assume é Miguel Kodja Neto, com Pelé fazendo parte da diretoria.

Pelé defendia uma política mais austera, onde o saneamento do clube e os investimentos em infra-estrutura (Reforma da Vila Belmiro, construção do CT, fim da política de medalhões e fortalecimento da base) falassem mais alto. Eram tempos de “pés no chão”!

Dessa forma, é que logo em seguida a posse da Nova Diretoria, Miguel Kodja Neto, Pelé, David Capistrano (prefeito de Santos – PT, já falecido), Mariângela Duarte (presidenta da Câmara de Vereadores, na época eleita pelo PT) subiriam a Serra para se encontrar com FHC (Ministro de Itamar Franco) para acertar a documentação do CT (afinal a área pertencia ao Governo Federal).

Com dívidas acumuladas perante a família Teixeira, Pelé avisava a massa para ter paciência, pois a meta era estabilizar o SFC financeiramente e alicerçá-lo para o futuro…  Pelé atuaria como um “consultor internacional”, viabilizando contatos e abrindo portas junto ao empresariado.

Assim, não foi surpresa a saída de Ricardo Rocha… atletas agora, apenas vindos da base ou jovens (e baratas) promessas… Almir foi vendido para um clube japonês, Axel foi para o Morumbi (em troca vieram Gilberto, Macedo e Dinho), Veloso foi devolvido ao Palmeiras.

E logo em janeiro o alvinegro encarava o Campeonato Paulista.

Depois de 10 anos, retornava o regulamento óbvio e simples: turno e returno, pontos corridos.

O SFC deveria começar o Campeonato contra o Bragantino, mas as fortes chuvas de  verão adiaram o confronto, para o final do 1º turno.

Desta forma, o 1º adversário foi o Guarani, na Vila Belmiro. Com Pelé nos camarotes, o Peixe empatou por 2×2 como forte Bugre de 1994.

Mas no clássico contra o São Paulo… numa verdadeira disputa de pólo aquático, Gilberto leva um enorme frango possibilitando a vitória tricolor por 2×0.

Contra o Ituano, nova falha de Gilberto, e mais um empate (1×1). A massa se impacientava nas arquibancadas…

Gilberto vai para o banco e quem vai para o gol é Edinho… o príncipe… o filho do Rei.

Os santistam se encheram de saudosismo…

Uma espécie de “Sebastianismo”* tomava conta do santista naqueles tempos.

Edinho, como Pelé, começava sua carreira em Santo André.

E o Bruno Daniel lotou… lugar nas arquibancadas, esgotados, apenas nas cadeiras é que haviam vagas… e este blogueiro lá estava, perto de Clodoaldo (agora como Diretor Técnico), voltando aos estádios depois de 7 anos, com a esperança renovada e a certeza que dias melhores estariam por vir…

Se Pelé teve Jair Rosa Pinto ao seu lado, Edinho não teve essa sorte.

Com um time sofrível, nervoso  e pressionado pela posição na tabela, o Santos não teve melhor sorte.

Veja as imagens desta partida:

A campanha continuava irregular, porém uma derrota contra o Corinthians (0x4), onde Edinho teve boa atuação, faz com que a crise exploda na Vila.

Uma providencial excursão ao Japão surgia… poderia ser um alívio ao elenco, mas no aeroporto os torcedores cercam os atletas e a coisa ficou bem feia…

No Japão, os resultados não foram animadores:

23/02 – 1×0 Bellmare Hiratsuka (atual Shonan Bellmare), em Yokohama

26/02 – 2×1 Cerezzo Osaka, em Tokushima

02/03 – 0x0 Kashiwa Reysol, em Fukuoka

Ao retornar do Japão mais resultados adversos e mais uma goleada sofrida: 1×4 Palmeiras. Pepe não resistiu e pediu demissão.

Serginho Chulapa assume como Técnico e o tima muda a forma de jogar… boleiro, “malandro”, e conhecedor da alma dos jogadores, Srginho falava o que o atleta precisava ouvir… e ai dele se não ouvisse….

E Chulapa ainda era o mesmo dos tempos de atleta… na sua 2ª partida como Técnico é expulso do banco de reservas…  e o Peixe ganha do América.

Na raça, o time sai da última colocação e passa a encarar os adversários de igual para igual… fica nove partidas invicto e vence o Corinthians numa partida histórica no Morumbi: 4×3! Três gols de Guga !!!! E Edinho soberano no gol.

Na 2ª feira, o santista andava pelo Gonzaga com a camisa branca e fazendo o “4” com os dedos… uma vitória de lavar a alma.

Nesta altura do Campeonato, Edinho era a grande revelação do futebol Paulista… alguns, mais apressados, já viam o filho do Rei com a camisa nº 1 da Seleção Brasileira.

Veja 10  minutos de imagens dessa vitória:

Ao final do Campeonato, o alvinegro ficou num honroso 4º lugar.

Campanha santista:

Guarani FC – 2×2 (VB); 1×1 (Brinco de Ouro)

São Paulo FC  – 0x2 (Morumbi); 0x0 (Morumbi)

Ituano FC – 1×1 (VB); 2×0 (Itu)

EC Santo André – 0x1 (Bruno Daniel); 2×0 (VB)

AA Ponte Preta  – 0x0 (Moisés Lucarelli);2×1 (VB)

Mogi Mirim EC – 1×0 (VB); 1×1 (Mogi Mirim)

Rio Branco EC – 0x2 (Americana); 3×0 (VB)

SC Corinthians P – 0x4 (Pacaembu); 4×3 (Morumbi)

A Ferroviária E – 1×1 (VB);1×2 (Araraquara)

SE Palmeiras – 1×4 (Pacaembu);1×1 (Pacaembu)

União São João EC – 1×1 (Araras);1×1 (VB)

América FC – 3×1 (VB);2×1 (SJRP)

A Portuguesa D – 2×1 (VB); 1×1 (Canindé)

CA Bragantino  – 1×0 (VB);1×1 (Bragança)

GE Novorizontino – 0x1 (Novo Horizonte); 2×0 (VB)

Com o fim do Paulistão (vencido pelo Palmeiras/Parmalat), chega a Copa do Mundo e os times ficam parados esperando o Brasileirão no 2º semestre.

Seriam 3 meses sem uma competição oficial, e o jeito era ser criativo…e nisso a cartolagem é mestra…

O Peixe realiza alguns amistosos, um deles é contra a seleção de Hortolândia, no 3º aniversário de emancipação da cidade. O alvinegro vai até Hortolândia a goleia por 7×1, levando um Troféu comemorativo na bagagem…

Na sequência, o Torneio Internacional Brasil-Itália, um torneio bancado pela Parmalat. Participantes: Santos, Palmeiras, Parma e Lazio. Torneio ao estilo dos torneios de pré-temporada espanhola…

Campanha:

21/05 – 0x1 SE Palmeiras (Parque Antártica)

22/05 – 3×1 Parma AC  (Parque Antártica)

Com a Copa do Mundo acontecendo nos EUA, a cartolagem e a TV inventam a Copa Denner. Uma competição para preencher a grade horária na TV e com times mistos… Não é necessário dizer que os estádios ficavam às moscas para as partidas…

Participantes: Santos, Portuguesa, Atlético Mineiro, Cruzeiro, Botafogo e Vasco da Gama .

E o mistão santista, sob o comando de Joãozinho fez bonito:

Botafogo FR – 1×2 (Ítalo del Cima – Estádio do Campo Grande AC – Rio de Janeiro)

C Atlético Mineiro – 4×0 (Juiz de Fora)

CR Vasco da Gama  – 3×3 (Caio Martins, Niterói)

Cruzeiro EC – 1×0 (Juiz de Fora)

A Portuguesa D – 4×1 (Canindé).

Com esses resultados o Peixe ficou em 1º lugar, porém o regulamento previa que os dois melhores colocados fariam uma decisão em jogo único. E lá foram Santos e Atlético Mineiro jogar a final em Ítalo del Cima, no suburbio de Campo Grande, a oeste do Rio de Janeiro.

E o SFC finalmente ganhava um título: Santos 4×2 Atlético Mineiro!

Time misto… é verdade… mas o torcedor santista, àvido por conquistas ainda festejou o caneco… claro, não teve concentração na Praça Independência, mas já era possível esboçar um sorriso…

Demétrios foi o artilheiro do alvinegro (7 gols) e o time na final foi :

Robson; Sérgio Santos, Marcelo Fernandes, Maurício Cupertino e Cerezzo; Piá, Raniéli (Marcelo Passos), Zé Renato e Serginho Fraldinha (Neizinho); Demétrius e Luciano.

Técnico: Joãozinho

Em julho mais um “caça -níquies”:  A Copa Bandeirante… na realidade um “caça-reais”, pois desde o dia 1º de julho era a nova (e atual) moeda brasileira.

O prêmio seria a vaga na Copa do Brasil de 1995.

Eram oito clubes (os 6 melhores do Paulistão, mais o Campeão da 2ª e da 3ª divisão),  divididos em duas chaves:

Santos, Palmeiras, América e Nacional (da Capital) num grupo; Corinthians, São Paulo, Araçatuba e Novorizontino no outro.

Apesar de perder a 1ª partida, o time de Serginho acertou o pé, vencendo o grupo, classificando-se para a final contra o Corinthians.

Campanha:

América FC  – 0x2 (SJRP);1×0 (VB)

SE Palmeiras  – 0x0 (Santo André);2×1 (VB)

Nacional AC – 4×0 (VB); 1×0 (Anacleto Campanella – São Caetano do Sul)

Na final, foram dois encontros… O Título foi decido na prática nos últimos 10 minutos do primeiro confronto…

Santos e Corinthians fizeram um jogo cheio de alternativas… lá e cá… O alvinegro de Parque São Jorge fazia um gol, o Santos ia para o ataque e marcava outro… foi assim: 0x1…1×1…1×2…2×2…2×3…3×3, porém em 5 minutos dos 83′ aos 88′ o Corinthians marcou outras 3 vezes e liquidou a fatura: 3×6!

Na última partida, o Corinthians jogava por um empate… em caso de vitória santista (mesmo por 1×0), prorrogação… e se fosse necessário, pênaltis.

E Demétrios, o gladiador, marcou logo aos 8 minutos… mas Gralak (!!!!) empatou ainda no 1º tempo. Final, 1×1 e o título para o Parque São Jorge…

Demétrios veio do Botafogo (RP)... esperança santista de gols.
Demétrios veio do Botafogo (RP)... esperança santista de gols.

Em agosto, finalmente começa o Brasileirão – 94.

O regulamento, novamente é alterado…

Foram 24 clubes divididos em 4 grupos de 6 equipes. Classificavam-se os 4 melhores de cada grupo.O campeão de cada grupo recebia um ponto de bonificação para a 2ª fase.

Na 2ª fase, os 16 classificados eram divididos em dois grupos de oito.

Os oito desclassificados da 1ª fase, iam para a repescagem… os dois melhores (entre os piores) passariam para as quartas de final do campeonato!

Nos dois grupos dos melhores, os jogos eram em “turno e returno”. No turno os jogos eram dentro dos grupos, e no returno os jogos seriam contra os adversa?ios do outro grupo, totalizando 15 rodadas.  Os campeões de cada turno e em cada grupo, também se classificariam para as quartas de final, juntamente com os dois melhores por pontos na classificação geral (apenas entre os 16 classificados da 1ª fase).

Tudo muito simples… como sempre.

O grupo do SFC na 1ª fase contava com: Bahia, Remo, Vasco, Cruzeiro e Guarani.

Serginho continuava como Técnico, mas as coisa mudaram nos bastidores… Miguel Kodja cansou dos “pés no chão” e contratou o veterano Neto, contrariando Pelé… Pelé estava nos EUA, trabalhando como comentarista do Globo.

A parceria Santos – Pelé chegava ao fim com críticas de Miguel Kodja à Pelé.

E o tempo mostrou que Pelé estava certo…

Além de Neto, chegavam na Vila, Narciso e Marcelinho Paraíba… ambos provenientes do Corintians de Alagoas.

Na 1ª fase  o alvinegro ficou apenas um ponto atrás do Guarani, com a seguinte campanha:

Clube do Remo – 1×0 (VB); 4×1 (Mangueirão)

Cruzeiro EC – 0x0 (Mineirão); 4×1 (VB)

CR Vasco da Gama – 2×0 (VB); 0x0 (São Januário)

EC Bahia – 3×0 (VB);1×2 (Fonte Nova)

Guarani FC – 0x4 (Brinco de Ouro); 1×0 (VB)

Veja os gols contra o Cruzeiro:

Na partida contra o Vasco em São Januário… uma tragédia… uma briga generalizada nas arquibancadas com mais de 10 feridos e 3 hospitalizados. Apenas 6 policiais faziam a “segurança” em São Januário… os torcedores santistas foram perseguidos e acuados… a pancadaria levou quase uma hora,  mas o jogo não foi suspenso nem o Vasco sofreu qualquer punição… nâo… eram tempos de Eurico Miranda…na ocasião candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro.

Na virada do 1ºpara o 2º turno, o mistão santista segue em excursão para o México para 3 amistosos.

Seriam jogos sem importância se não fosse por um detalhe histórico: a presença de Giovanni!

Sim, amigos foi longe da Vila belmiro que Giovanni deu seus primeiros passos coma imaculada camisa branca.

28/08 – 2×3 CD Guadalaja AC Chivas (em Guadalajara)

01/09 – 3×1 CD Tepec (em Tepec) – Giovanni marcava seu 1º gol.

04/09 – 2×0 Atlético San Luiz (em San Luiz de Potosi)

Essas 3 partidas não são consideradas como oficiais, tratava-se de uma equipe mista, com outra comissão técnica. Afinal o time titular estava disputando o Campeonato Brasileiro.

Durante a 1ª fase, o SFC disputou novamente a Super Copa da Libertadores… e mais uma vez caiu na 1ª eliminatória:

CA Independiente (Argentina) – 1×0 (VB); 0x4 (Avellaneda)

Giovanni chegou ao Santos e logo conquistou a condição de titular
Giovanni chegou ao Santos e logo conquistou a condição de titular

Na partida do returno contra o Clube do Remo, em Belém do Pará, Giovanni faz sua estreia oficial com a camisa santista.

Na 2ª fase, os adversários seriam: Paraná, Flamengo , Botafogo, São Paulo, Palmeiras, Sport e Bahia.

A campanha foi decepcionante, ficando apenas na 5ª colocação:

CR Flamengo – 1×1 (Maracanã)

São Paulo FC – 2×3 (VB) – Finalmente, Telê vence na Vila Belmiro…

Sport C Recife  – 2×2 (VB)

SE Palmeiras  – 0x2 (Parque Antártica)

Botafogo FR – 2×0 (VB) – ótima exibição de Giovanni… começava o reinado do “messias”

EC Bahia  – 2×3 (Fonte Nova)

Paraná C – 1×0 – Gol de Giovanni

O 2º turno da 2ª fase iria começar e Giovanni já tomava conta da camisa que no início do Campeonato era para ser de Neto…

Agora os adversários seriam do outro grupo…

E o time arrancou…

Paissandu SC  -1×0 (Mangueirão)

CR Vasco da Gama – 3×0 (Pacaembu)

SC Internacional  – 1×0 (VB)

A Portuguesa D – 0x0 (Canindé)

e no dia 16 de novembro, o desastre… Santos x Corinthians, no Pacaembu… Serginho montou a equipe no 4-4-2, mas com 3 volantes (Dinho, Gallo e Carlinhos) e Neto na armação… na frente, Macedo e Guga.

O alvinegro paulistano abriu 2×0, ainda no 1º tempo… ao final do 1º tempo, Neto entra na área é derrubado…. e nada. O árbitro não marca o pênalti. Nas arquibancadas a massa berra por Giovanni e Chulapa atende… Com Giovanni, organizando o meio de campo, Neto fica livre para atuar mais no ataque… O Santos cresce em campo… Giovanni lança Neto, o meia dribla Gralak e marca!

Apesar dos esforços santistas o placar não se altera… após a partida, torcedores invadem o vestiário para cobrar os atletas… um repórter do jornal “Diário Popular” tenta entrevistar Serginho Chulapa… Serginho perde a cabeça e agride o jornalista… Era, na prática, o fim da carreira de Chulapa como técnico de futebol.

Serginho é demitido em seguida, assumindo a tarefa o ex-zagueiro Joãozinho (campeão em 1978).

Com Joãzinho são mais três compromissos:

Fluminense Fc – 1×0 (Maracanã)

Grêmio FPA – 0x1 (Olímpico)

Guarani FC – 3×0 (VB)

O alvinegro fica com 17 pontos e na vice colocação de seu grupo. Na pontuação geral fica atrás de São Paulo e Bahia, faz mais pontos que Palmeiras e Corinthians (que farão a final do Brasileirão) mas é eliminado do Campeonato… Coisas da CBF nos anos 90…

No último compromisso do ano é um amistoso internacional no México, contra o Chivas Gaudalajara, em 14 de dezembro. Uma convincente vitória por 3×1!

Apesar de conquistar apenas uma Taça comemorativa e a Copa Denner, o torcedor santista havia descoberto dois ídolos: Edinho e Giovanni.

O ano de 1995 prometia ser bem melhor…

*Sebastianismo: Movimento místico-secular que ocorreu em Portugal na segunda metade do século XVI como consequência da morte do rei D. Sebastião na Batalha de Alcácer-Quibir, em 1578. Basicamente é um messianismo adaptado às condições lusas e à cultura nordestina do Brasil. Traduz uma inconformidade com a situação política vigente e uma expectativa de salvação, ainda que miraculosa, através da ressureição de um morto ilustre. (Fonte: wickipédia)