Arquivo da tag: Rodolfo Rodrigues

1988 – Fichas Técnicas – Despedida de RR

10/04/1988 Santos FC 0x1 EC Santo André

L: Bruno Daniel – Santo André (SP)

C: Campeonato Paulista

R: Cz$ 879.000

P: 2.746 + 971 (3.717)

A: Renato Marsiglia

G: – Arizinho

SFC: Rodolfo Rodrigues; Ijuí, Celso, Nildo e Flavio (Davi); Cesar Ferreira, Junior e Zizinho; Edson, Arturo e Edelvan

Técnico: Geninho

ECSA: Tonho; Ronaldo, Luis Pereira, Adilson e Toninho Oliveira; Gerson, Eduardo (Catanoce) e Jaiminho; Osmarzinho, Gaucho e Arizinho.

Técnico: Jair Picerni

Vendo a inoperância do ataque santista, RR foi jogar como atacante… passou, driblou adversários e esperou em vão, um cruzamento na área para tentar um golzinho de cabeça… Do lado do Santo André, destaque para o veterano Luis Pereira e os ex-santistas Toninho Oliveira, Osmarzinho e Arizinho.

24/04/1988 Santos FC 1×1 EC Santo André

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Amistoso (Festejos de Aniversário do SFC)

R: Portões abertos

A: Euclides Zamperti Fiori

G: Juninho 12′ – Toninho Oliveira 63′

SFC: Rodolfo Rodriguez (Nilton), Heraldo, Celso, Nildo (Davi) e Ijuí (Lula); César Ferreira, Juninho (Edu) e Mendonça (Edelvan); Édson (Miltinho), Soares (Zizinho) e Luvanor.

Técnico: Geninho

ECSA: Tonho; Ronaldo, Luis Pereira, Alaor (Paulo) e Toninho Oliveira; Gerson, Eduardo e Catanoce; Osmarzinho (Mané), Gaucho e Dica (Luis Antonio).

Técnico: Jair Picerni

Zamperti roubou a cena ao final da partida… não marcou um penalti de Luis Pereira em Miltinho, armou-se uma confusão e o juizão encerrou a partida aos 89′ (após 2′ de discussão)… no caminho ao vestiário, Zampertti teve tempo de dar uma cotovelada em Zizinho.. durante a confusão, Gerson (ECSA) acertou um pontapé em Edelvan que ficou estatelado no chão… uma várzea completa a “festa” de aniversário do SFC…

22/05/1988 Santos FC 3×0 São Paulo FC – 3921

L: Morumbi – São Paulo (SP)

C: Campeonato Paulista

R: Cz$ 7.421.000

P: 26.548 + 2.721 (29.269)

A: Renato Marsiglia

G: Serginho Chulapa 33′, Mendonça (p) 37′ e Cesar Sampaio 88′

SFC: Rodolfo Rodrigues; Heraldo, Celso (Davi), Nildo e Ijuí; Cesar Ferreira, Cesar Sampaio, Mendonça (Edson) e Luvanor; Serginho Chulapa e Tuíco

Técnico: Geninho

SPFC: Rojas; Zé Teodoro, Adílson, Dario Pereyra e Nelsinho; Bernardo, Pita e Lê; Muller, Nei (Raí) e Sidney (Renatinho).

Técnico: Cilinho

Seguramente, a melhor partida do SFC em 1988. Show de RR e Chulapa.

Além de ótimo goleiro, RR sabia impor respeito na área. Ali ele era soberano, era rei, era uma Muralha!

03/07/1988 Santos FC 2×3 SC Corinthians P (São Paulo)

L: Morumbi – São Paulo (SP)

C: Campeonato Paulista (fase semi-final)

R: Cz$ 10.472.200

P: 31.333 + 446 (31.780)

A: Arnaldo César Coelho

Expulsões: Expulsões: Dama (SCCP) e Serginho Chulapa (SFC)

G: Mendonça 18′ e Cesar Ferreira 53′ – João Paulo 40′, Biro-Biro 65′ e Everton 77′

SFC: Rodolfo Rodrigues; Heraldo (Junior), Davi, Luisinho e Ijuí ; Cesar Ferreira, Cesar Sampaio, Mendonça e Luvanor (Giba); Serginho Chulapa e Tuíco

Técnico: Geninho

SCCP: Carlos; Wilson Mano, Marcelo, Dama e Ailton (Edson); Biro-Biro, Edmundo (Paulinho Carioca) e Márcio; Marcos Roberto, Everton e João Paulo.

Técnico: Jair Pereira

Última partida de Rodolfo Rodrigues pelo Santos FC.Foi atuar no Sporting (Portugal) e retornou ao Brasil em 1991, para atuar na Portuguesa de Desportos.

Rodolfo Rodrigues foi, sem dúvida o melhor goleiro dos últimos 40 anos. Jogador símbolo dos anos 80 e 90. O único a rivalizar com o excepcional goleiro uruguaio, foi o não menos espetacular Gilmar dos Santos Neves.

A Rodolfo Rodrigues toda a reverência da torcida santista! Obrigado, Rodolfo!!!!!!!

Rodolfo festejado pela companheiros da Seleção Uruguaia

29/11/1988 Santos FC 4×2 CA Cerro (URU)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Amistoso

R: Cz$ 4.667.000

P: 8.058 + 1.526 (9.584)

A: Romualdo Arpi Filho

G: Mendonça 36′, Sócrates 38′, Junior 66′ e Giba (p) 90′ – Vingnello 24′ e Fernandez 59′

SFC: Ferreira; Cesar Ferreira (Heraldo), Nildo, Davi (Cássio) e Luis Carlos (Ijuí); César Sampaio, Mendonça (César Pereira), Sócrates (Zimmerman) e Giba; Junior e Sídnei

Técnico: Marinho Perez

CAC: Revereno; De Leon (Gonzales), Ponze, Wilson Gonzalez e Operti (Ferrem); Escobal (Nestor Martins), Dorneli e Carabajo; Fernandez, Vingnello e De Los Santos (Jorge).

Obs: estreia de Sócrates no SFC. Partida teve pontapé inicial de Telma de Souza, recém eleita Prefeita de Santos pelo PT.

Até que Rodolfo Rodrigues desistiu…

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Depois da melancólica e vexaminosa participação no Brasileirão de 1987 o torcedor santista não esperava por muita coisa boa em 1988.

Sem dinheiro, sem revelações, sem tine competitivo, passou a mandar os clássicos na Vila Belmiro na tênue tentativa de endurecer com os rivais e arrancar uma vitória aqui ou acolá…

Cipó foi tema de matéria da Revista Placar, como a aposta do SFC para 1988

Conseguia manter no 1º semestre Rodolfo Rodrigues, Mendonça e César Sampaio, chegava o uruguaio Arturo Sainz e a grande esperança era Marco Antonio Cipó.

Cipó era um jovem atacante negro, vindo de Bauru e muitos acreditavam que a história poderia ser repetida… mas o velho Marx já ensinava que a história se repete na forma de farsa.

Outra aposta era o meia atacante Zizinho, filho do grande Zizinho dos anos 50… porém a semelhança ficava no nome…

E os amistosos de início de ano comprovavam as previsões mais sombrias: venceu o Maringá (1×0) e a Portuguesa (2×0) e perdeu para o Umuarama (0x2)!!!!!!, Botafogo FR (0x1) e Corinthians (0x1).

Sem maiores perspectivas, o SFC começa sua participação da Super Copa da Libertadores de América.  A Super Copa era uma competição oficial promovida pela Conmebol e reunia todos os vencedores da Libertadores em jogos eliminatórios. O adversário santista seria o Racing, da Argentina.

E o resultado foi o esperado… derrota em Avellaneda (0x2) e empate na Vila (0x0), sendo eliminado da competição.

No Campeonato Paulista  de 1988 a perspectiva não era das melhores… talvez por força do regulamento, chegasse mais adiante, mas se fosse em pontos corridos não teria grandes chances… São Paulo e Guarani eram os favoritos, numa competição que mudava novamente de regulamento. Os 20 participantes eram divididos em dois grupos de 10 equipes, no “1º turno” as equipes de um grupo enfrentariam equipes de outro grupo e no “2º turno” os confrontos eram entre os times do mesmo grupo. Ao final dos “dois turnos” (na realidade um só), as 4 melhores colocadas de cada grupo passariam à fase semi-final, sendo reagrupadas em duas chaves de 4. Jogos em turno e returno dentro de cada chave e o campeão de cada chave disputavam a final em jogos de ida e volta.

E a campanha alvinegra foi cheia de altos e baixos… algumas situações foram sofríveis, como nas derrotas para o Corithians e Santo André …. na partida contra o time do ABC o protagonista foi Rodolfo Rodrigues… Inconformado com a total incapacidade do ataque, RR foi para a área tentar um gol de cabeça… em vão, pois sequer  conseguiam cruzar a bola na área andreense… era a 2ª tentativa de RR em ajudar o ataque santista, a 1ª vez tinha ocorrido em 1986:

http://www.youtube.com/watch?v=SawovaSjY5I&feature=results_video&playnext=1&list=PLCE59169BAE7E7381

No “2º turno” o time saiu-se bem… Realizou uma boa sequência de partidas, chegando a vencer o forte São Paulo, por 3×0 no Morumbi. Numa jornada inspiradíssima de Serginho Chulapa, que mais uma vez retornava ao SFC, E Chulapa derrubou a defesa tricolor, fazendo um gol de bico e arrumando espaços para os outros gols santistas. E, claro, RR garantiu tudo no gol. Uma vitória maiúscula, que empolgou a torcida santista. Veja o show de Chulapa e RR:

A campanha no final da fase de classificação foi razoável, ficando em 6º lugar, porém a apenas dois pontos dos líderes (Corinthians, Inter de Limeira, Guarani e São José):

São José EC – 0x0 (SJC)

EC São Bento – 0x0 (VB)

A Ferroviária E – 3×1 (VB)

Guarani FC – 0x2 (Brinco de Ouro)

SE Palmeiras – 1×0 (VB)

América FC – 2×0 (SJRP)

A Portuguesa D – 1×1 (VB)

EC XV de Novembro (Piracicaba) – 3×0 (VB)

SC Corinthians P – 0x3 (Pacaembu)

EC Santo André – 0x1 (Santo André)

Mogi Mirim EC – 1×0 (VB)

AA Internacional – 0x0 (VB)

EC XV de Novembro (Jaú) – 2×1 (VB)

CA Juventus  – 0x0 (VB)

São Paulo FC – 3×0 (Morumbi)

EC Noroeste -1×1 (Bauru)

GE Novorizontino -2×1 (VB)

União São João EC – 1×0 (Araras)

Botafogo FC – 0x1 (Pacaembu)

Na fase semi-final, o grupo do SFC era o mais complicado, com a presença dos 4 maiores clubes do Estado de São Paulo juntos: Santos, São Paulo, Corinthians e Palmeiras. A FPF marcou todas as partidas para a Capital, o que reduzia as chances do alvinegro…

Começou com um empate (0x0) com o Palmeiras, porém duas derrotas seguidas praticamente afasta as possibilidades (0x2, São Paulo e 2×3, Corinthians). No returno, a vitória contra o Palmeiras devolve uma esperança matemática aos torcedores,  extinta com o empate seguinte contra o tricolor… a derrota contra o Corinthians na última rodada é o prego final no caixão alvinegro.

Campanha:

SE Palmeiras – 0x0 e 2×1 (ambos no Pacaembu)

São Paulo  FC – 0x2 (Morumbi)  e  1×1 (Pacaembu)

SC Corinthians P – 2×3 (Morumbi) e 0x2 (Pacaembu)

A derrota contra o Corinthians (2×3) foi a última partida de RR pelo Santos FC.

Uma observação é que o Campeonato Paulista foi paralisado durante a competição, pois a Ponte Preta e o Bandeirante conseguiram liminar na Justiça que garantia a presença de ambos na competição (haviam sido rebaixados em 1987)… Foi uma confusão dos diabos… os clubes protestavam não entrando em campo, o único que furava o boicote era o Corinthians… dessa forma, o Santos teve um WO contra o Bandeirante. Os jogos contra  Ponte Preta até que ocorreram, mas posteriormente foram anulados (assim como as vitórias por WO do Bandeirante), por decisão final da Justiça, que mandou os dois clubes interioranos para a Divisão de Acesso.

Em maio, o alvinegro conquistou o único Troféu da Temporada, num amistoso contra o Operário de Ponta Grossa, no Paraná, na vitória por 1×0 (Troféu Diário dos Campos – jornal de Ponte Grossa).

Terminado o Paulista, o SFC parte para uma excursão na Itália.

Excursão que foi um retrato fiel da terrível fase do glorioso alvinegro praiano… na agenda, adversários da 3º ou 4ª divisão do futebol italiano.

E contra adversários desse teor, os públicos eram fraquíssimos… 500 numa partida, 1.000 em outra e assim ia…

Veja os adversários:

Zimermman jogou no SFC em 1988. Era melhor compositor que boleiro...

07/08 – 6×0 time de Riva Del Garda (Itália) – Em Riva del Garda – Um jogo-treino onde sequer o nome do adversário ficou conhecido…

09/08 – 2×0 Aosta FC (Itália) – Aosta –  Mil testemunhas viram a primeira vitória santista…

11/08 – 2×1 AS Casele Monferrato C (Itália) – Casele Monferrato – O incrível público de 516 pessoas viram a vitória obtida com um gol de Zirmermman…

13/08 – 1×0 Novara C (Itália) – Novara

14/08 – 2×0 Seleção de San Marino – San Marino

16/08 – 3×1 UC Chioggia Sotto Marina (Italia) – Chioggia

21/08 – 0x1 Ternana C  (Itália) –  Ternana

e no encerramento a coroação do improviso e da decadência:

25/08 – 2×1 Combinado de atletas sem contrato da Federação Italiana – Lucca – Mais um jogo-treino, portanto não oficial. Eram atletas da 2ª divisão que estavam sem contrato…No banco de reservas do SFC ficou o atacante Roberto Pruzzo, artilheiro da Roma. Especulava-se que Pruzzo poderia ser contratado pelo SFC…

Ao retornar ao Brasil, o Campeonato Brasileiro já estava para iniciar…  As brigas com a CBF haviam sido superadas, e a competição (novamente chamada de Copa União) apresentava um novo regulamento.

No lugar dos 16 clubes de 1987, em 88 seriam 24, divididos em 2 grupos de 12 equipes. Voltavam a série principal o America (RJ), Sport Recife, Guarani, Bangu, Atlético Paranaense, Vitória, Portuguesa e Criciúma. E o regulamento inovava, e muito…

Vitórias valiam 3 pontos, em caso de empate a partida teria uma decisão por pênaltis. A equipe vencedora levava dois pontos, enquanto que a perdedora ficava com um ponto.

Os times do grupo “A” enfrentavam os clubes do grupo  “B”  (era o 1º turno). Os dois melhores de cada grupo passavam para  a fase final.

No “2º turno”, as equipes se enfrentavam dentro do grupo. Os dois melhores de cada grupo também passavam para a fase seguinte. Caso o mesmo clube ficasse entre os dois primeiros nos dois turnos, classificaria-se também a equipe de melhor pontuação entre os 24 participantes.

No 1º turno, o SFC enfrentaria: Fluminense, Flamengo, Bangu, Portuguesa, São Paulo, Palmeiras, Internacional, Atlético Mineiro, Atlético Paranaense,Vitória, Sport e Goiás.

No 2º turno: Botafogo, Vasco, America, Corinthians, Guarani, Grêmio, Cruzeiro, Coritiba, Bahia, Santa Cruz  e Criciúma.

Para enfrentar a competição a direção traz o ponta Sidney, revelação do São Paulo em 1985… mas o comportamento extra-campo já havia levado o craque a sair do tricolor, perdido a vaga na Seleção Brasileira comandada por Telê Santana, e mesmo indo atuar no Flamengo não conseguiu fixar sua carreira… buscava a recuperação do tempo perdido no SFC… não obteve êxito…

O torcedor santista sabia que o time não brigaria pelo título, sonhava quando muito, com a classificação entre os 8 melhores… O mais realista entendia que o rebaixamento não aconteceria, e estimava algo em torno de 10º ao 15º lugar…

No 1º turno foi o normal, isto é, poucas vitórias, algumas derrotas e empates… e mesmo assim sem vencer nos pênaltis… ao menos ficou longe da turma que brigava para não cair. Conheça os resultados:

SE Palmeiras – 1×1 (Parque Antártica) – na decisão por pênaltis:  3×4

C Atlético Paranense – 1×1 (Pinheirão) – na decisão por pênaltis: 4×1

SC Internacional – 0x0 (Beira Rio) – na decisão por pênaltis: 3×5

Bangu AC – 2×0 (Parque Antártica)

A Portuguesa D – 0x1 (Canindé)

São Paulo FC – 0x1 (Morumbi)

EC Vitória  – 1×1 (Vila Belmiro) – na decisão por pênaltis: 2×4

CR Flamengo – 0x1 (Maracanã)

Goiás EC – 0x1 (Vila Belmiro)

C Atlético Mineiro – 0x1 (Mineirão)

Sport C Recife -3×0 (Vila Belmiro)

Fluminense FC – 2×1 (Vila Belmiro)

A campanha era ruim… apesar da 7º colocação no grupo, estava em 19º na classificação geral, apenas três pontos acima da linha da degola. Logo, as coisas tinham que melhorar para o 2º turno… e numa jogada de ousadia e desespero por parte da direção do alvinegro, é contratado o já aposentado Sócrates. Sim, o Dr Sócrates era contratado para salvar o SFC… ele que fora seu carrasco quando atuou pelo Botafogo de Ribeirão Preto e pelo Corinthians, era a derradeira esperança santista…

Sócrates trouxe um mínimo de categoria e respeito a um time desacreditado...

Mesmo aposentado, Sócrates sabia jogar bola… e a fase do futebol brasileiro em 1988 não era das melhores… os torcedores imaginavam que Sócrates podia ter o papel que Jair Rosa Pinto tivera nos anos 50. O meio de campo seria bom, com César Sampaio, Mendonça, Sócrates e Junior… o problema era o ataque e a defesa…

Porém, Sócrates teria que recuperar um condicionamento físico mínimo para disputar partidas de futebol profissionalmente… assim demorou um pouco para estrear no time. Mas a simples presença do Doutor, já provocava o surgimentos de convites para o Santos. Dessa forma, em 14 de novembro, o time misto do Santos parte para Catanduva para inaugurar o Estádio local. A única exigência dos promotores: que Sócrates desse o pontapé inicial da partida. E assim  foi feito … Sócrates viajou com o elenco e deu o pontapé inicial do empate em 1×1 entre Santos FC (misto) e Catanduvense.

Sua estreia ocorreu 15 dias depois no amistoso contra o Cerro (Uruguai)… Uma festa em Santos… neste dia quem deu o pontapé inicial foi a Prefeita recém eleita, Telma de Souza (PT)… e Sócrates desfilou sua categoria no gramado… driblou, lançou, marcou um gol e fez jogadas belíssimas… vale a pena conhecer a primeira partida de Sócrates pelo Santos FC:

Uma coisa porém era enfrentar o Cerro , outra era o Campeonato Brasileiro… desta forma novos tropeços ocorreram , porém uma vitória lavou a alma santista. Na penúltima rodada, Santos (de Sócrates) 2×1 Corinthinas! Com direito a um golaço de Mendonça.

Campanha no 2º turno:

Guarani FC – 0x0 (Vila Belmiro) -na decisão por pênaltis: 3×2

Criciúma EC – 1×0 (Heriberto Hulse)

CR Vasco da Gama  – 0x4 (São Januário)

America FC – 2×0 (Vila Belmiro)

Coritiba FC – 0x2 (Couto Pereira)

Cruzeiro EC – 1×3 (Vila Belmiro)

Grêmio FPA – 2×1 (Vila Belmiro)

EC Bahia – 1×5 (Fonte Nova)

Santa Cruz FC – 0x0 (Arruda)-  na decisão por pênaltis: 4×3

SC Corinthians P – 2×1 (Pacaembu)

Botafogo FR – 0x0 (Vila Belmiro) – na decisão por pênaltis: 9×10

Foi o suficiente para permanecer na divisão principal  do futebol brasileiro… O ano de 1989 trazia algumas esperanças para o santista, afinal nada poderia ser pior que o ano de 1988.

Tempos difíceis

Santistas de todo Mundo, Uni-vos!

Depois do fracasso no Brasileirão de 1986, o elenco do SFC foi reformulado. Até mesmo Chico Formiga não ficou muito tempo na Vila… em março,  já estava de saída para a chegada de Candinho.

Entre os atletas que desembarcavam na Vila Belmiro estavam o polêmico ponta esquerda Éder  e o meio campista Mendonça (ambos vindos do Palmeiras). Osvaldo (Ex Ponte e Grêmio) reforçava o meio de campo, assim como Hugo de León que retornava ao SFC. Permaneciam no clube RR, César Sampaio e Toninho Carlos, além do atacante Chicão (Ex Ponte Preta). Veja uma foto do início  do Campeonato Paulista de 1987:

Em pé: Rodolfo Rodrigues, Nildo, Raul, Toninho Carlos e Claudinho; Sentados: Osmarzinho, Oswaldo, Chicão, César Sampaio, Mendonça e Éder.

A estreia de Éder aconteceu num amistoso contra o Flamengo na Vila Belmiro em 26/02 (SFC 3×2) e a de Mendonça foi contra o Palmeiras, no Pacaembu (SFC 3×2).

E animado com as duas vitórias, o Santos partia para o Paulistão 87, com um regulamento mais simples: Turno e returno, os 4 melhores disputam as semi-finais e final em “mata-mata”.  Se o mesmo time vencesse o 1º e o 2º turno seria declarado Campeão, sem a necessidade de semi-finais e final.

Mas as coisas estavam estranhas na Vila… depois de dois bons resultados nos amistosos, o ataque parou de fazer gols, ficando três partidas no “zero” (0x0 contra o São José – amistoso; 0x1 Santo André e 0x0 com o América). A situação de Formiga se complicava… a torcida santista pegava no pé do técnico… a Direção do Clube contrata Hugo de León em total desacordo com Formiga… e na vitória magra contra o Mogi Mirim  (VB -2×1), Formiga deixa o campo contrariado com as vaias e, acreditem, sofre uma agrassão estúpida de algum tresloucado: uma cusparada em seu rosto. Nos vestiários ainda, Chico Formiga pede demissão e afirma que seu ciclo terminava no Santos FC. Que forma triste de sair do clube tão querido…

No entanto a crueldade do futebol é implacável… na verdade, sem Formiga e com Candinho no comando e com De León como volante , o time engrena e atinge 15 partidas invictas… incluvise nos clássicos contra o Palmeiras, São Paulo e Corinthians, além do confronto contra a Campeã de 86, a Inter de Limeira.

No meio da boa campanha, uma surpresa: Éder é transferido ao Sport Recife, e vindo parta o Peixe mais dois reforços, Luis Carlos (atacante) e Luisinho (Lateral). Na sua curta passagem pelo alvinegro praiano, Éder conquistou apenas uma Taça, A “Taça Ademar Santillo”, na vitória sobre o Atlético Goianiense por 2×1, no Serra Dourada.

Veja, aqui, dois gols de Éder:

A invencibilidade santista é derrubada em Bauru, pelo Noroeste, na derrota por 3×1. Conheça a série invicta:

América FC  – 0x0(VB)

Mogi Mirim EC  – 2×1 (VB)

SE Palmeiras – 2×2 (Pacaembu)

Atlético C Goianiense  – 2×1 (Serra Dourada)  – amistoso

AA Internacional – 2×2 – (Limeira)

Botafogo FC – 1×1 (VB)

AA Ponte Preta  – 1×0 (Moisés Lucarelli)

Bandeirante EC  – 3×0 (VB)

São Paulo FC – 3×2 (VB)

EC XV de Novembro (Jaú) – 0x0 (VB)

EC São Bento – 0x0 (Sorocaba)

CA Juventus – 1×1 (Pacaembu)

SC Corinthinas P – 0x0 (Pacaembu)

EC XV de Novembro (Piracicaba) – 1×0(VB)

A Portuguesa D – 3×1 (Canindé)

GE Novorizontino – 0x0 (Novo Horizonte)

E mesmo após a derrota para o Noroste, o Santos continuou bem no Campeonato Paulista… Luis Carlos era realmente um bom atacante… fazedor de gols… Candinho montou o time no 4-4-2, com um meio de campo de excelente técnica: César Sampaio, Hugo de León,  Osvaldo e Mendonça.  Luis Carlos e Arizinho (pela esquerda) ou Osmarzinho (pela direita) um ataque rápido. RR era  a segurança que qualquer defesa queria ter…e a defesa era razoável… contava muito com a cobertura dos dois volantes (César Sampaio e De León).

Perceba como o ataque era eficiente, como na partida contra a Portuguesa:

Mesmo com a boa campanha, não venceu o 1º turno, ficando o título com o Palmeiras.

No returno o SFC manteve a mesma batida… vitórias convincentes em casa e alguns empates no interior… O Palmeiras perde o ritmo; o Corithians que havia terminado o 1º turno em último, troca de técnico e quem assume é Chico Formiga, que coloca o alvinegro de Parque São Jorge novamente no páreo; no Morumbi, Pita comanda o tricolor, jogando muita bola; e a Inter de Limeira acumula empates e mais empates… Desta forma, quando o Peixe parte para a Europa, quem liderava o campeoanto era o glorioso alvinegro praiano…

O giro na Europa é curto, apenas 3 partidas. Duas serão no torneio de Marselha (França), contra os fortes Hamburgo (Alemanha) e Olympique de Marselha (França) e mais um amistoso em Paris.

No torneio de Marselha, o Santos vence o Hamburgo e o Olympique, ambos por 1×0 e coloca na bagagem a taça do torneio de Marselha.

Aqui, o Santos enfrentou o Belenenses.

Em Paris, enfrenta o Belenenses (Portugal), numa partida dirigida à colônia Portuguesa na França. A partida acontece no acanhado (e simpático) Estádio Saint-Maur, pertencente ao US Lustanos, clube fundado em 1966, por portugueses exilados em Paris, devido a Ditadura Salazarista.

Campanha do SFC na França:

1×0 Hamburgo SV (Alemanha) – Torneio de Marselha

1×0 Olympique de Marselha (França) – Torneio de Marselha

2×0 CF Os Belenenses (Portugal) – Paris (França)
Ao retornar ao Brasil, o time fica muito irregular… alterna vitórias e derrotas, porém termina a fase de classificação em 1º lugar. O Corinthians vence o 2º turno e a tabela marca nas semi-finais: Santos x Corinthians e Palmeiras x São Paulo

Se o Santos enfrentasse o Corinthians com a mesma disposição que enfrentara a Ponte, o clube paulistano passaria por maus momentos… assim pensava a massa santista. Veja os gols e entenda o motivo:

Porém enfrentar um Corinthians embalado, comandado por Chico Formiga (ressentido com o SFC), não seria a mesma coisa de enfrentar a Ponte Preta…

E Formiga surpreendeu até o mais fanático corintiano… com Edmar em atuação inspiradíssima, o  Santos caiu por 5×1!

Havia a partida de volta… Friamente, bastava uma vitória por 1×0 e um empate na prorrogação que o Peixe estaria na final… porém o abalo emocional foi enorme…

Na semana seguinte, um empate em 0x0 eliminava o time de melhor campanha do campeonato e colocava seu rival  numa final contra o São Paulo.

A vitória em Marselha era na verdade, o canto do cisne santista… O Alvinegro entraria numa curva descendente que terminaria, parcialmente, em 1995. Seriam anos de jejum, penitencias e sofrimentos.

O Campeonato Brasileiro de 1987 seria a prova maior da derrocada santista… disputado por apenas 16 agremiações, o SFC ficou em 15º, acima apenas do Corinthians , que voltava a ocupar a última colocação.

Brasileiro de 87 que foi o retrato da incompetência e bagunça da CBF… Como comentamos por aqui, na postagem de 1986, o Brasileirão daquele ano foi uma chuva de ações na justiça e de decisões extra-campo… o tapetão comeu solto, permitindo que este ou aquele clube estivesse numa fase ou outra… Assim, não foi surpresa que os clubes se unissem e estabelecessem novas regras para a uma competição nacional. Era a época de fundação do “Clube dos 13″, rebelados contra a CBF…. Desta forma foi organizado um campeonato com apenas os 16 clubes de maior rentabilidade (4 de São Paulo, 4 do Rio de Janeiro, 2 de Minas, 2 do Rio Grande do Sul, o EC Bahia, além dos convidados Coritiba, Santa Cruz e Goiás). No final da rebelião, houve um “acordão”. O Campeonato do “Clube dos 13″, a Copa União, seria denominada de “Módulo verde”… os clubes que ficaram de fora e que deveriam disputar o Campeonato Brasileiro da 1ª divisão (conforme regulamento de 86), ficaram no “Módulo amarelo”. Foram criados ainda, os Módulos azul e branco (uma 2ª divisão).

No regulamento da competição da CBF, os dois melhores do módulo verde enfrentariam os dois melhores do módulo amarelo para apontar o campeão Brasileiro e os reperesentantes na Taça Libertadores da América.  Os times do módulo verde inicialmente aceitaram a proposta e depois recusaram-se a fazer o “cruzamento” com os times do módulo amarelo… resultado é o imbróglio que dura até hoje… Oficialmente, e por determinação da Justiça, o Sport Clube do Recife é o Campeão Brasileiro e 1987.

Em Relação ao Santos… uma campanha vergonhosa… um ataque totalmente inoperante e que contava com apenas um atleta digno das tradições vencedoras do Santos FC; RODOLFO RODRIGUES. Esse goleiro carregou outros 10 atletas nas costas ao longo daquelas 15 partidas que não terminavam nunca… e foi graças as suas intervenções e espírito de luta que o Santos levou apenas 17 gols, nas 6 derrotas que sofreu. Garantiu o 0x0 em nada menos que 6 vezes.

Rodolfo Rodrigues, pelo que fez em 1987 e 1988 (além da defesa de placa em 1984) merece de todos os santistas o maior carinho e respeito. Merece mais que um nome num camarote, ou placa recebida… merece ficar na memória como um herói, como a verdadeira e legítima Muralha!


Na ilustração de goleiro de futebol de mesa, Rodolfo Rodrigues, um mito na história santista .

As campanhas santistas em 1987:

Paulista:

EC Santo André  – 0x1 (Santo André); 0x0 (VB)

América FC  – 0x0(VB); 3×0 (SJRP)

Mogi Mirim EC  – 2×1 (VB); 0x2 (MM)

SE Palmeiras – 2×2 (Pacaembu); 1×2 (Pacaembu)

AA Internacional – 2×2 – (Limeira); 1×0 (VB)

Botafogo FC – 1×1 (VB); 2×1 (Santa Cruz)

AA Ponte Preta  – 1×0 (Moisés Lucarelli); 6×1 (VB)

Bandeirante EC  – 3×0 (VB); 1×1 (Birigui)

São Paulo FC – 3×2 (VB); 0x1 (Morumbi)

EC XV de Novembro (Jaú) – 0x0 (VB); 0x0 (Jaú)

EC São Bento – 0x0 (Sorocaba); 1×1 (VB)

CA Juventus – 1×1 (Pacaembu); 1×0 (Pacaembu)

SC Corinthians P – 0x0 (Pacaembu); 0x2 (Morumbi)

EC XV de Novembro (Piracicaba) – 1×0(VB); 0x0 (Piracicaba)

A Portuguesa D – 3×1 (Canindé); 0x0 (VB)

GE Novorizontino – 0x0 (Novo Horizonte); 2×0 (VB)

EC Noroeste  – 1×3 (Bauru); 2×1 (VB)

Guarani Fc – 1×0 (VB); 0x0 (Brinco de Ouro)

A Ferroviária E – 4×0 (Araraquara); 3×1 (VB)

Nas semi-finais: SC Corinthinas P – 1×5 e 0x0 (ambas no Morumbi)

Brasileiro -87 – 16 clubes, divididos em 2 grupos. No 1º turno, times de um grupo enfrentam clubes de outro grupo. No 2º turno, os times se enfrentam no mesmo mesmo grupo. Os campeões de cada grupo em cada turno disputam as semi-finais e finais em “mata-mata”

C Atlético Mineiro – 1×5 (Mineirão)

SE Palmeiras – 0x0 (Pacaembu)

CR Flamengo – 0x0 (Pacaembu)

SC Corinthians P – 0x0 (Pacaembu)

Grêmio FPA – 1×0 (Pacaembu)

Botafogo FR – 0x0 (Maracanã)

Santa Cruz FC – 1×3 (Arruda)

EC Bahia – 0x1 (Pacaembu)

Com esse resultados, o SFC ficou em último em seu grupo , ao lado de São Paulo e Coritiba

2º turno:

São Paulo  FC –  1×3 (Morumbi)

Coritiba FC – 2×1 (Pacaembu)

Goiás EC – 0x0 (Serra Dourada)

CR Vasco da Gama  – 0x0 (Pacaembu)

SC Internacional – 0x2 (Beira Rio)

Fluminense Fc – 1×1 (Maracanã)

Cruzeiro EC – 0x1 (Pacaembu)

Com esses resultados, o alvinegro ficou em 6º lugar em seu grupo e em penúltimo na classificação geral.

Fichas técnicas – 1984

14/07/1984 Santos FC 2×0 América FC (São José do Rio Preto)

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Paulista

R: Cr$ 15.938.000,00

P: 6.906 + 1.140 (8.046)

A: José de Assis Aragão

G: Serginho Chulapa 26′ e 52′

SFC: Rodolfo Rodrigues; Chiquinho, Márcio (Fernando), Toninho Carlos e Gilberto (Paulo Robson); Dema, Humberto e Paulo Isidoro; Lino, Serginho e Zé Sergio.

Técnico: Carlos Castilho.

AFC: Paulo Cesar; Nena, Orlando Fumaça, Jorge Lima e Daniel; Paulo Martins, Catanoce (Mazola) e Toninho; Formiga, Tarciso e Vilmar (Ílton).

Técnico: Candinho

Rodolfo Rodrigues realizou 3 defesas seguidas, à queima roupa, de maneira fantástica aos 39’ do 1º tempo

29/08/1984 Santos FC 2×0 EC Santo André

L: Vila Belmiro – Santos (SP)

C: Campeonato Paulista

R: Cr$ 11.943.000,00

P: 5.509 + 732 (6.241)

A: Almir Laguna

G: Paulo Isidoro 50” e Gersinho 78′

SFC: Rodolfo Rodrígues; Chiquinho, Márcio Rossini, Fernando e Toninho Oliveira; Humberto, Lino e Paulo Isidoro (Mário Sergio); Gersinho, Ataliba (Ronaldo) e Zé Sérgio.

Técnico: Carlos Castilho.

ECSA: Tonho; Marcos, Julião, Neto e Jaime Bôni; Élcio, Rota e Arnaldo; Barbosa, Jones e Esquerdinha (Brinda).

Técnico: Roberto Correa

Santos conquistou a Taça dos invictos de “A Gazeta Esportiva” ao atingir 15 jogos (nova série da VI Taça dos Invictos)

02/12/1984 Santos FC1x0 SC Corinthians P (São Paulo)

L: Morumbi – São Paulo (SP)

C: Campeonato Paulista

R: Cr$ 419.323.500,00

P: 101.587 + 9.758 menores (111.345)

A: José de Assis Aragão

G: Serginho Chulapa 72′

SFC: Rodolfo Rodrigues; Chiquinho, Márcio Rossini, Toninho Carlos e Toninho Oliveira (Gilberto Sorriso); Dema, Paulo Isidoro e Humberto; Lino, Serginho Chulapa e Zé Sergio (Mario Sergio)

Técnico: Castilho

SCCP: Carlos; Edson, Juninho, Vagner e Vladimir; Biro-Biro, Arturzinho (Paulo César), Zenon e Dunga; Lima e João Paulo.

Técnico: Jair Picerni

SFC Campeão Paulista , melhor defesa do Campeonato e Serginho Chulapa foi o artilheiro.

16/12/1984 Santos FC 2×1 EC Noroeste (Bauru)

L: Alfredo de Castilho – Bauru (SP)

C: Amistoso

R: Cr$ 21.250.000,00

P: 4.114 + 1.600 (5.714)

A: Renato Fidalgo

G: Serginho Chulapa 16′ e Mazinho 69′ – Jânio 23′

SFC: Silas, Chiquinho, Marcio Rossini, Toninho Carlos e Toninho Oliveira; Lino, Paulo Isidoro (Mazinho) e Humberto; Mario Sérgio, Serginho Chulapa (Enéas) e Zé Sérgio (Gersinho).

Técnico: Carlos Castilho.

ECN: Silvio Luiz; Edinho, Jorge Fernandes (Dedé), Carlos Alberto (Edson) e Ferreira (Valter); , Marcão (Mauri), Bira e Jenildo; Amauri (Jorge Maravilha), Osmair e Jânio.

SFC recebeu o Troféu dos Campeões (Campeão da Divisão Especial x Campeão da 1º divisão)

No ano das “Diretas”, SFC é Campeão!

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

1984 não é apenas o título do Livro de George Orwell, mas o ano que marcou profundamente o Brasil e os santistas.

No Brasil,  explodem as manifestações populares exigindo eleições diretas para a Presidência da República, numa demonstração clara e inequívoca que a Ditadura Militar não tinha mais a menor chance de sustentação… Trabalhadores, Estudantes, Intelectuais, a classe média, e mesmo setores conservadores não suportavam mais a censura, a inflação, a decadência econômica e a opressão dos militares.

O povo brasileiro ia às ruas, e em São Paulo, embalados pelas baterias de torcidas do Santos FC e do Corinthians, multidões bradavam: Diretas, Já!

Nos palanques a presença de Osmar Santos, genial e revolucionário locutor de rádio, comandava a massa e abria os microfones para lideranças díspares, como Lula, FHC, Ulisses Guimarães (Ex- dirigente do SFC nos anos 40), Leonel Brizola, Tancredo Neves, Chico Buarque, Fafá de Belém, Sócrates, Casagrande e uma infinidade de brasileiros, inclusive o Rei Pelé.

Nos jogos do Santos, apareciam faixas exigindo : “Diretas, já”… e ao contrário da campanha pela anistia, as faixas não eram mais retiradas e nem seus portadores presos…

A campanha foi tão intensa , que no Maracanã, num Fla-Flu, antes da partida começar, as torcidas se uniram e gritavam: “Diretas, Já! Diretas, Já! Diretas, Já!”

Sócrates, em um dos comícios avisava… se a Emenda pelas Diretas passasse no Congresso, assumia o compromisso de permanecer no Brasil, abrindo mão de qualquer proposta italiana…

E a Rede Globo não mostrava os comícios em seus telejornais...

Para conhecer mais sobre o movimento que arrebatou o Brasil, clique aqui: http://virtualiaomanifesto.blogspot.com/2009/06/diretas-ja-quando-o-povo-voltou-as-ruas.html

Outra referência sobre as Diretas, esta na música “Nome aos bois” (Titãs), onde você pode ver  e ouvir aqui: http://prof-guilherme.capesp.org/?p=2439

No vídeo aparece o General Newton Cruz, que impedia as pessoas de entrarem ou saírem de Brasília por ocasião da votação da emenda pela Diretas…

No Santos algumas novidades… o que era mais que esperado, pois o Vice Brasileiro e a queda nas semi-finais do Paulista foram bem frustantes… o time era um dos melhores do Brasil, mas não havia ganho nenhum título…

Porém o fato de voltar à Libertadores depois de 18 anos, enchia de esperanças a massa  santista e a direção do Clube…

O grande reforço era o uruguaio Rodolfo Rodrigues… um mito no gol santista, o maior goleiro que vi atuar sob os arcos santistas… E Rodolfo chegou ao clube com a ajuda do Rei Pelé, que emprestou dólares ao SFC para que o goleiro assumisse a condição de titular.

Chegava RR, mas João Paulo partia… o Papinha da Vila ia para o Flamengo. Dos meninos da Vila sobrava apenas Pita… Claudinho, outro menino, era um reserva de luxo…

A temporada começa com o Campeonato Brasileiro. Ainda com 40 clubes, divididos em 8 grupos de 5 equipes, mas com mudanças na Taça de Prata. A CBF já tinha achado um jeito de garantir os clubes mais tradicionais na Taça de ouro, instituindo o convite baseado num ranking histórico… assim, aos clubes que participassem da Taça de Prata era garantindo apenas uma vaga ao seu campeão na 3ª fase da Taça de Ouro…

Os 3 melhores de cada grupo se classificavam à 2ª fase, assim como outros 4 provenientes de confrontos entre os 4ºs colocados de cada grupo. Os 28 clubes eram divididos em 7 grupos de 4 equipes e as 2 melhores se classificariam à 3ª fase, assim como o clube que mais pontuasse nas duas primeiras fases e o Campeão da Taça de Prata. As 16 equipes seriam, novamente, divididas em 4 grupos de  4 equipes… as duas melhores de cada grupo seguiam em frente e teríamos as quartas de final, semi -finais e finais. Tudo muito simples…

Na 1ª fase do Brasileirão, o alvinegro terminou invicto… com apenas  um empate:

Campanha:

29/01 – 1×1 Fluminense FC – Morumbi – 24.392 + 1.883 gratuitos (26.275)

02/02 – 2×0 AD Confiança – Batistão – 21.197

05/02 – 2×0 ABC FC – Castelo Branco – 46.111

09/02 – 2×0 Ferroviário AC – Vila Belmiro – 12.206 + 2.396 gratuitos (14.602)

15/02 – 4×1 ABC FC – Vila Belmiro – 8.450 + 813 (9.273)

23/02 – 5×0 Ferroviário AC – Castelão – 4.930

26/02 – 1×0 Fluminense FC – Maracanã – 25.903

29/03 – 3×0 AD Confiança – Vila Belmiro – 11.262 + 1.142 gratuitos (12.404)Para Libertadores a co

Para a Libertadores, a confiança era grande… a primeira partida seria no Rio de Janeiro, contra o Flamengo. Os outros adversários seriam da Colômbia (Atlético Junior e America).

No Rio de Janeiro, foi um desastre… O Flamengo deu um baile e venceu por 4×1!

Tudo seria decidido na Colômbia e nos jogos de volta em São Paulo.

A 2ª fase começava no Brasileirão e os resultados continuavam positivos:

08/03 – 1×1 Fortaleza EC – Vila Belmiro – 19.557 + 3.125 gratuitos (22.682)

14/03 – 0x0 CRB –  Rei Pelé – 31.957

17/03 – 2×2 SE Palmeiras- Morumbi – 33.291 + 2.239 gratuitos (35.526)

21/03 – 2×0 CRB – Vila Belmiro – Vila Belmiro – 8.354 + 915 gratuitos (9.269)

25/03 – 2×3 SE Palmeiras – Morumbi – 41.405 + 3.925 (45.330)

30/03 – 4×1 Fortaleza EC – Castelão – 36.939

Entrava o mês de abril… trágico mês de abril…

Brasília em Estado de Segurança Nacional… ninguém podia entrar na Capital da República e a transmissão de TV foi cortada… A emenda “Dante de Oliveira” que restabelecia as eleições Diretas para Presidente não obteve a quantidade suficiente de votos… o mobilização popular fora  derrotada momentaneamente.

Para o Santos o mês de abril foi uma sucessão de tragédias…

Começou no giro pela Colômbia..  a 1ª apresentação foi uma convincente vitória contra o Atlético Junior de Barranquila (3×0);  em seguida a derrota para o America de Cáli (ox1), e com 3 atletas expulsos. No returno não restava outra alternativa a não ser vencer as 3 partidas restantes…

No Brasileirão, a 3ª fase começava com uma vitória sobre o Náutico por 4×2, depois empatou com o America (RJ) em São Januário, 1×1. O último adversário seria o Flamengo, no Morumbi.

Quase 50.000 pessoas ocuparam o Morumbi

E viram Tita marcar logo aos 3 minutos… depois disso, o Santos tentou mas não conseguiu superar o rubro-negro. Na realidade, se não fosse Rodolfo Rodrigues e as atuações da dupla Márcio Rossini e Davi as coisas seriam piores…

A derrota traria mais consequências: A queda de Formiga!

Quem assume a direção técnica seria Del Vechio.

A derrota para o Flamengo colocava o alvinegro em situação de risco contra o Náutico em Recife.

O Náutico jogou a partida de sua vida e derrotou o Santos por 1×0, assumindo a 2º colocação do grupo.

A única esperança santista seriam duas vitórias seguidas contra o Flamengo, uma pela Libertadores e outra pelo Brasileirão.

O SFC bancou o Judas no Morumbi

E numa sexta-feira Santa, o Flamengo massacrou o Peixe no Morumbi.

5×0!

E vexame maior foi não saber perder… o campeão da técnica e da disciplina apelou feio e distribuiu pontapés… terminando a partida com 9 atletas.

No desespero, o time viajou para o Rio de Janeiro para decidir a classificação no Brasileirão, novamente contra o Flamengo. Com o time carioca jogando com o freio de mão puxado, ao menos o SFC arrancou um empate (2×2).

A última partida seria contra o America, na Vila Belmiro. O time tinha que vencer e torcer para o Flamengo vencer o Náutico no Recife.

Na Vila, o Santos fez sua obrigação e bateu os rubros por 1×0. Porém, no Recife, o embalado Náutico passou por cima do Flamengo (2×1). Náutico e Flamengo classificados e o Santos eliminado

Restavam ainda duas apresentações pela Libertadores…

Num desértico Morumbi (457 testemunhas) novo vexame, 1×0 paro América e mais uma vez o time  apelou, sobrando apenas 8 atletas em campo devido às expulsões.

E para encerrar a deplorável campanha, uma última derrota para o Atlético Junior… 1×3!

Campanha na Libertadores:

11/02 – 1×4 CR Flamengo – Maracanã

04/04 – 3×0 CPD Atlético Junior – Barranquila

06/04 – 0x1 CD América – Cáli

20/04 – 0x5 CR Flamengo – Morumbi

27/04 – 0x1 CD América – Morumbi

08/05 – 1×3 CPD Atlético Junior – Vila Belmiro

Campanha na 3ª fase do Brasileirão:

09/04 – 4×2 C Náutico C – Vila Belmiro – 11.564 + 1.418 gratuitos (12.982)

12/04 – 1×1 America FC – São Januário – 1.756

15/04 – 0x1 CR Flamengo – Morumbi – 45.267 + 3.151 gratuitos (48.418)

18/04 – 0x1 C Náutico C – Arruda -19.072

22/04 – 2×2 CR Flamengo – Maracanã – 46.236

25/04 – 1×0 America FC – Vila Belmiro – 8.602 + 1.250 gratuitos (9.852)

Fora da Libertadores e fora do Brasileiro, o time parte para amistosos.

A direção contrata Castilho para técnico do time.

E será com Castilho no comando que o alvinegro retorna à Ásia para um amistoso com a Seleção de Israel. O  placar apontava a derrota santista (1×2), porém o destaque foi a torcida do SFC. Isso mesmo, meus amigos, A “Torcida Jovem, de Chail” compareceu ao Estádio de Tel Aviv e abriu suas faixas, uma delas com os dizeres: “Diretas, já!”

Voltou ao Brasil e empatou com o Maringá: 0x0

E retornou ao aeroporto… destino: as Antilhas, no Caribe. No roteiro a “Copa Centro Desportivo de Corsow”.

Os participantes seriam 4: Santos FC, Atlético Junior (Colômbia), Seleção da Venezuela  e a Seleção das Antilhas. A seleção antilhana contaria com Clodoaldo, Rivelino e Jairzinho em cada uma de suas apresentações.

Jogos:

31/05 – 1×0 Venezuela  – Curaçao

02/06 – 2×0 Antilhas – Curaçao – Rivelino jogou pela Seleção das Antilhas

04/06 – 1×2 CPD Atlético Junior – Curaçao

O Paulistão de 1984 teria início apenas em julho e finalmente a competição seria a mais racional possível. Pontos corridos… e só!

O time sofria uma alteração importante… Pita seria trocado por Humberto e Zé Sérgio. Outro atleta que chegava era o folclórico ponteiro Ataliba.

E A FPF ressuscitava o Torneio Início.

Numa competição muito parecida com os festivais varzeanos, a maratona de jogos curtos começaram pela manhã e terminaram com o céu já escuro. Umas 60.000 pessoas circularam pelo Morumbi ao longo do dia, porém no momento de maior concentração não mais de 30 mil pessoas estavam no Estádio.

E foi neste dia que Rodolfo Rodrigues começou a fazer história no SFC… não que tivesse ido mal no 1º semestre, mas o mito ainda não tinha sido construído…

No Torneio Início, RR iniciou seus milagres… como as partidas normalmente terminavam empatadas, o desempate ocorria nas disputadas por pênaltis… e aí apareceu a muralha. Em seis cobranças, o estupendo goleiro uruguaio defendeu 2 vezes, uma outra a bola foi para a trave e sofreu apenas 3 gols…

Campanha:

24/06 – No Morumbi, 61.486 pagantes ao longo do dia.

Adversários: 0x0 Taubaté (3×0 nos escanteios) – Quando ocorria empate a decisaõ era na base da quantidade de escanteios conquistados!

0x0 Marília (2×1 nos pênaltis) – Quando ocorria empate até nos escanteios, a decisão ia para os pênaltis… RR defendeu um pênalti;

0x0 Palmeiras (3×2 nos pênaltis) – Mário Sérgio, atacante do Palmeiras, cobrou um pênalti na trave.

0x0 XV de Jaú – (1×0 nos pênaltis) – RR defendeu mais um pênalti e garantiu o Título ao Santos FC!

Imagem: Revista Placar

Com a conquista do Título, RR saia do gramado carregado pelos torcedores e pela Comissão Técnica.

Começa o Campeonato Paulista e o Peixe desanda a ganhar… na 3ª apresentação, uma apresentação fenomenal de Rodolfo Rodrigues.

É contra o América de São José do Rio Preto, na Vila Belmiro.

O Santos vencia por 1×0 e o América vai para o ataque… O chute da intermediária vem forte… RR se estica e toca com a ponta dos dedos e a bola vai na trave… a bola passa por trás de RR e corre sobre a linha fatal… o atacante americano se atira na bola e RR também… a bola explode no goleiro e sobra para o centro-avante livre na pequena área… ele enche o pé e RR ágil feito um leopardo pula para o alto e salva o gol com a bola batendo em seu braço… a bola vai para o meio da área e mais uma bomba em direção ao gol… RR estica-se novamente, e com a ponta dos dedos toca levemente na bola, a bola vai saindo e um outro atacante adversário que se joga de carrinho contra o gol santista… do chão RR pula novamente fechando a única passagem possível para a bola… novamente a esfera choca-se com a trave santista e, finalmente, a zaga santista dá um chutão para escanteio…

Carlos Castilho, técnico santista e que foi goleiro da Seleção Brasileira nas Copas de 58 e 62, afirmava que nunca tinha visto algo semelhante em sua longa carreira de goleiro consagrado.

Não havia mais dúvidas… ali estava um mito, um monstro, uma muralha… algo que somente na Vila Belmiro poderia acontecer…

Veja as imagens da façanha:

E o alvinegro continuou vencendo… ficou 15 partidas invicto e ganhou a Taça dos Invictos, prêmio do jornal esportivo “A Gazeta Esportiva”.

Ironicamente, após ganhar a Taça, perde para o São Paulo de Pita e Casagrande, e fica outras 5 partidas sem vencer, cedendo a liderança para o Palmeiras.

Engata uma nova série de resultados positivos até que chega o clássico contra os verdes… e aquele time  sabia enfrentar jogos difíceis… todos eram experientes, não tinha nenhum “santo” no elenco, mas Castilho sabia controlar aquela coleção de “maladragens e picardia”. E atuando com enorme competência chegou aos 2×0 sem a menor chance ao Palmeiras. Novamente RR fechou o gol e no ataque as coisas ficaram por conta de Chulapa e Paulo Isidoro.

A tabela indicava o São Bento com  próximo adversário na Vila Belmiro.. O SFC era franco favorito, defendia a liderança e todos apostavam numa vitória.

Aos 7 minutos, César abre o placar… São Bento 1×0.

Ainda no 1º tempo, Humberto empata em cobrança de falta. Na etapa final o SFC aluga metade do campo e não sai do campo sorocabano… ao mesmo tempo, o “pau quebra” no gramado… Dema quebra a perna de César numa dividida… o tempo vai passando e tudo na mesma… 30 minutos, e o São Bento segura o empate… 35 minutos, 40 minutos e o SFC continua tentando sem sucesso… 45 minutos  e o banco do São Bento pede o fim de jogo…  Emídio Marques Mesquita consulta seu relógio e manda seguir a partida… os jogadores do São bento, o banco de reservas do time de Sorocaba, todos estão desesperados… 50 minutos do 2º tempo e nada de acabar a partida… Emídio olha o relógio e afirma que ainda tem jogo… 54 minutos, Humberto pega a bola e manda para o fundo do gol…

Um minuto depois, Emídio encerra o jogo… cercado pelos jornalistas e alertado por todos pelo tempo a mais de jogo, Emídio declara que o seu relógio tenha quebrado e que só percebeu depois do gol santista… parece que o relógio de sua senhoria era daquele lote de brindes que o SFC ofereceu em 1983…

Dali para frente a estratégia do alvinegro era uma só: vencer em casa e empatar no interior… se 2 pontos viessem do interior seria ainda melhor… e foi o que aquele time fez… e assim foi mantendo a liderança do campeonato até a última rodada.

O adversário seria o Corinthians… O alvinegro paulistano tinha perdido Sócrates (como a emenda das diretas não passou, o craque foi para a Itália) e Casagrande (emprestado ao São Paulo), assim a “democracia corinthiana” tinha se desmanchado e o time voltava ao comum das outras equipes. Eles tinham arrancado no 2º turno , numa recuperação de time de chegada… contava com Carlos, Juninho, Vladimir, Zenon, Dunga e João Paulo (Ex SFC).

E o Morumbi lotou novamente…

Serginho tinha certeza do Título… e com a constelação de “bad boys” que usavam a imaculada camisa santista, muitos torcedores tinham a certeza que o título viria… e caso não conquistasse o título, o outro alvinegro não daria a volta olímpica…

O Jogo foi nervoso… eles até hoje choram um suposto pênalti em João Paulo… claro que é choro absurdo… o SFC foi cozinhando o jogo até que aos 72′ Zé Sérgio avança pela esquerda e cruza… quem aparece feito um corisco é ele… Serginho Chulapa.

E Chulapa só encosta na bola… e tudo esta encerrado… gol do Santos… gol de Serginho….

Explode metade do Morumbi.

A justiça esta sendo feita… o melhor time de toda a competição esta a um passo de conquistar o título… Serginho é o artilheiro do Campeonato… o Corinthians tenta, mas não há mais tempo.

Fim de jogo, fim de Campeonato. Santos Campeão, do início ao fim.

Veja todos os gols do alvinegro na conquista de 1984:

Campanha do Campeão:

Comercial FC -1×0 (VB); 3×0 (Francisco Palma Travassos)

Guarani FC – 1×0 (VB); 1×2 (Brinco de Ouro)

América FC – 2×0 (VB); 0x0 (SJRP)

EC São Bento  – 3×0 (Sorocaba); 2×1 (VB)

AA Ponte Preta – 1×0 (Brinco de Ouro); 2×1 (VB)

A Ferroviária E – 2×2 (VB); 1×0 (Araraquara)

Botafogo FC – 3×1 (Santa Cruz); 1×1 (VB)

SE Palmeiras – 1×1 (Morumbi); 2×0 (Morumbi)

EC XV de Novembro (Piracicaba) – 3×0 (VB); 0x0 (Piracicaba)

EC Taubaté  –  3×0 (Taubaté); 2×0 (VB)

CA Taquaritinga – 0x0 (Taquaritinga); 3×1 (VB)

Marília AC -1×0 (VB); 0x0 (Marília)

CA Juventus  – 4×2 (Pacaembu); 0x0 (Pacaembu)

A Portuguesa D – 1×1 (Pacaembu); 1×0 (Pacaembu)

EC Santo André -2×0 (VB); 0x1 (Santo André)

São Paulo FC  – 1×4 (Morumbi); 0x0 (Morumbi)

AA Internacional – 0x0 (Limeira); 2×0 (VB)

EC Xv de Novembro (Jaú) – 1×1 (Jaú); 3×0 (VB)

SC Corinthians P – 0x0 (Morumbi); 1×0 (Morumbi)