Arquivo da tag: Rubens Minelli

1992: Falece Athiê, Marcelo Teixeira assume

Santistas de Todo Mundo, uni-vos!

Em 1992 uma nova diretoria assume o clube. Marcelo Teixeira, o  jovem Presidente do SFC é o novo mandatário do alvinegro.

E começa no estilo que ficou bem conhecido, contratando e gastando muito.

Contratado em janeiro, Minelli durou apenas 50 dias ou 6 partidas oficiais
Contratado em janeiro, Minelli durou apenas 50 dias ou 6 partidas oficiais

De imediato acertou a vinda do Técnico Rubens Minelli.  Minelli  teve seu grande momento nos anos 70, chegando a ser tricampeão brasileiro (Inter 75/76 e São Paulo 77), mas em 1992 era mais uma aposta que certeza.

A pedido de Minelli, MT contratou Guga (atacante), Dinho (Lateral), Castro (zagueiro), Gílson (Defesa), Bernardo (volante) e Cilinho (atacante). Apenas Guga vingou…

Assim cheio de contratações, o Peixe começava o Campeonato Brasileiro de 1992 no 1º semestre.

Os 20 clubes disputavam um turno único classificatório, onde os 8 melhores passavam para a fase  semi-final. Nesta fase, os clubes seriam divididos em dois grupos de 4 equipes e jogariam em turno e returno. Os campeões de cada grupo disputariam final em duas partidas.

O começo da caminhada santista  foi claudicante… empates , derrotas e vitórias não convincentes… desta forma, Minelli é demitido por MT, numa passagem meteórica pelo comando alvinegro.

Quem assume a direção técnica é Geninho (que havia feito uma boa campanha no Paulista de 1991). E com Geninho a equipe consegue a classificação a fase semi-final… de quebra, uma goleada histórica sobre o Internacional na Vila Belmiro: 4×0. E o placar só não foi maior por que o time colorado recorreu ao “cai-cai”, do contrário seriam 6, 7 ou 8… A goleada foi aberta graças ao oportunismo de Paulinho MacLaren.

Quer ver os gols? clique aqui: http://www.youtube.com/watch?v=k7DidLaPvXQ

Veja a campanha na fase de classificação:

São Paulo FC – 1×1 (VB)

SC Corinthians P – 1×1 (Pacaembu)

Goiás EC  – 0x1 (Serra Dourada)

Guarani FC – 1×0 (VB)

Payssandu SC  – 2×1 (VB)

Fluminense FC – 0x4 (Laranjeiras)

CR Flamengo – 2×0 (VB)

Sport C Recife  – 2×2 (Ilha do Retiro)

A Portuguesa D – 2×0 (VB)

CA Bragantino – 0x1 (VB)

SC Internacional – 4×0 (VB)

SE Palmeiras  – 1×1 (Parque Antártica)

C Atlético Mineiro  – 0x0 (VB)

C Naútico C – 2×0 (Aflitos)

Botafogo FR  – 0x2 (Caio Martins) * nesta partida houve a quebra do recorde de público no estádio: 13.160 no total

C Atlético Paranaense – 2×2 (VB)

Cruzeiro EC –  1×2 (VB)

EC Bahia  – 2×0 (Fonte Nova)

CR Vasco da Gama  – 0x0 (São Januário)

Com esses resultados, o SFC classificou-se em 8º lugar, ficando no mesmo grupo de Vasco (1º colocado), Flamengo (4º) e São Paulo (6º).

Na 1ª partida da fase semi-final, uma partida inacreditável: o empate em 3 gols no Maracanã, numa partida onde Paulinho MacLaren brilhou intensamente, assim como Bebeto…

O empate no Rio de Janeiro animou o alvinegro, e na sequência venceu o forte Flamengo por 1×0, no Morumbi, e empatou com o São Paulo (1×1). A torcida nem acredita… terminava o 1º turno e a liderança era do Peixe.

Mas no 2º turno…  um ponto apenas conquistado no empate com Vasco e duas derrotas deixam o SFC fora de mais uma final.

Campanha na Fase semi-final:

CR Vasco da Gama – 3×3 (Maracanã); 1×1 (Morumbi)

CR Flamengo – 1×0 (Morumbi); 1×3 (Maracanã)

São Paulo FC  – 1×1 (Pacaembu); 0x1 (Morumbi)

Sem participar de partidas finais, sem recursos, e com dívidas crescendo,  a solução era vender.

Desta forma, Paulinho MacLaren foi negociado com o Porto, por 800 mil dólares (quantia irrisória nos dias de hoje…). Bernardo, contratado em janeiro, também foi vendido. O volante Gallo foi contratado para o lugar de Bernardo e Guga assumia a condição de artilheiro. Mas, Guga sofreu com a torcida até firmar-se na equipe…

Para o Campeonato Paulista de 1992, a cartolagem usou fórmula semelhante a de 1991. Dois grupos (um forte e outro fraco) de 14 equipes em turno e returno. Os seis melhores do grupo forte passariam para a fase seguinte, juntamente com os dois melhores do grupo fraco. Os 4 últimos do grupo forte disputariam o grupo fraco no ano seguinte, enquanto que os 6 melhores do grupo fraco passariam ao grupo principal em 1993.

Na fase de classificação, o Santos ficou em 4º lugar, abaixo de São Paulo, Palmeiras e Corinthians.

Campanha santista na fase de classificação:

Botafogo FC – 3×0 (VB); 2×2 (Canindé)

SE Palmeiras  – 0x2 (Pacaembu); 0x1 (Morumbi)

EC Noroeste  – 0x0 (VB); 0x1 (Bauru)

EC Santo André  -1×1 (Santo André); 2×2 (VB)

Guarani FC  – 2×0 (VB); 1×1 (Brinco de Ouro)

SC Corinthians P – 1×1 (Pacaembu); 3×1 (Morumbi)

CA Juventus – 1×1 (Canindé); 2×1 (Canindé)

A Portuguesa D – 0x0 (Canindé); 2×1 (VB)

GE Sãocarlense  – 1×2 (São Carlos); 0x0 (VB)

CA Bragantino  – 3×0 (VB); 1×0 (Bragança Paulista)

São Paulo FC  – 3×2 (VB); 0x0 (Morumbi)

AA Internacional  – 3×0 (Limeira); 4×0 (VB)

Ituano FC – 1×1 (Itu); 2×2 (VB)

As curiosidades desta fase foram muitas…

O Palmeiras fecha parceria com a Parmalat e aposenta a tradicional camisa verde. Os resultados da parceria apareceriam dentro e muitas vezes "fora do campo"
O Palmeiras fecha parceria com a Parmalat e aposenta a tradicional camisa verde. Os resultados da parceria apareceriam dentro e muitas vezes "fora do campo"

* Telê  Santana amargava mais uma derrota na Vila Belmiro… o velho mestre detestava enfrentar o alvinegro no alçapão… e os números mostram que Telê tinha razão.

* O Campeonato Paulista de Aspirantes era uma atração na preliminares da  partidas. E nos jogos do SFC, uma motivação maior aos torcedores: a presença do jovem goleiro Edinho, que dava seus primeiros passos no futebol.

* O atacante Denner, da Portuguesa, marca um gol de placa contra a Internacional. Por sinal, Denner fez alguns gols de placa (inclusive contra o alvinegro) ao longo de sua (curta) carreira. Denner era um atacante que, se vestisse a imaculada camisa branca santista ficaria muito a vontade…

* O elenco do SFC apresentava como destaques: Sérgio Guedes, Axel, Edu Marangón, Almir, Guga e Marcelo Passos.

* Guga tinha a desconfiança da massa santista. Ressabiada com a saída de Paulinho MacLaren, artilheiro inconteste do SFC, Guga era cobrado e em algumas partidas não correspondia…

Porém,  tudo acabou num Santos x Corinthians.

Jogando muita bola e com o faro de gol apuradíssimo, Guga deixou sua marca 3 vezes no gol corintiano, tornando-se ídolo da torcida!

Veja um dos gols de Guga no vídeo abaixo:

Durante o Campeonato Paulista  uma rápida excursão ao Japão, duas partidas contra o Shimizu-Pulse:

26/08- 3×0 Shimizu S Pulse (Japão), em Tóquio

29/08 – 1×1 Shimuzu S Pulse (Japão), em Shizuoka

Na Super Copa da Libertadores mais uma eliminação na primeira fase: desta vez, foi o São Paulo o adversário:

30/09 – 1×1 (Parque Antártica)

13/10 – 1×4 (Morumbi)

Na fase semi-final do Paulista, o  SFC ficou no mesmo grupo de São Paulo (que por ter sido a equipe com mais pontos na 1ª fase, levou um ponto de bonificação), Portuguesa (5ª colocada)  Ponte Preta (vinda dos grupo das equipes mais fracas).

Assim como no Brasileiro, o Santos começou bem, vencendo a Ponte, em Campinas por 1×0. A parida decisiva seria contra o São Paulo, logo na 2ª rodada… uma vitória era fundamental para tirar a vantagem tricolor… mas do outro lado havia Telê e Raí, o e tricolor venceu por 3×0, deixando o alvinegro com chances remotas. Na última partida do turno, a pá de cal: nova derrota, agora para a Portuguesa (1×2).

No returno, desmotivado, foi uma sequências de derrotas: Sâo Paulo, Portuguesa e Ponte Preta.

AA Ponte Preta –  1×0 (Moisés Lucarelli); 1×2 (VB)

São Paulo FC  – 0x3 (Pacaembu); 1×2 (Pacaembu)

A Portuguesa D – 1×2 (VB); 1×3 (Canindé)

Nesta fase a FPF garantia uma cota mínima de público e renda, surgiam os “públicos virtuais”, isto é, o público e a renda divulgada não correspondiam com a realidade. Por exemplo, na última partida contra a Ponte, com as duas equipes eliminadas, a FPF divulgou um público de 15.030 na Vila Belmiro, no entanto menos de mil torcedores fizeram-se presentes naquela ocasião…

Poucos dias depois de mais uma eliminação, o Santos FC perdia seu presidente Athiê Jorge Cury. No dia 1º de dezembro falecia o ex-dirigente santista que mudou a história do alvinegro.

Athiê, mesmo com seus erros administrativos, foi sem dúvida, o principal dirigente do clube em toda história santista.

Athiê: um marco, uma lenda que passou pelos portões de Vila Belmiro.

Athiê: Talvez o maior Presidente de todos os tempos do SFC
Athiê: Talvez o maior Presidente de todos os tempos do SFC

2