Arquivo da tag: Santos

E o céu caiu sobre nossas cabeças

Amigos,

A máxima do personagem de Goscinny e Uderzo (autores de Axterix e Obelix) se concretizou na tarde de ontem na Baixada Santista.

Uma tormenta caiu na região, provocando imagens pavorosas, como na Serra do Mar, na rodovia dos Imigrantes.

Ontem levei  três horas e meia para sair de Santos e chegar a minha residência, num trajeto de cerca de 50 minutos, normalmente.

Cubatão ficou ilhada, Santos também… centenas de desabrigados e uma morte.

Em Mongaguá, a área rural foi afetada, e pasmem, os moradores não sabiam a quem procurar, uma vez que a Prefeitura ainda não divulgou os nomes dos responsáveis das  diversaas áreas da administração…

Pista de subida da rodovia dos Imigrantes, até agora interditada (15:00)

Andanças Políticas (04/10/2012)

Amigos,

Nestas eleições vários amigos, colegas de associação e escola são candidatos. Apresento alguns, aqui da Baixada Santista:

Em Mongaguá, temos:Professor Alex do PT, Professor Marco Mountain (PSDB e Professora Márcia (PSB). Em Itanhaém, a Vereadora, Professora Regina (PT) candidata a reeleição. Em Peruíbe, Dalva Gregório (PT). E em Santos, o companheiro Hugo Coviello (PSol).

Em primeiro plano, Professor Alex do PT. Professor da ETEC, é associado CAPESP desde 2010
Marco Mountain, do PSDB. Associado CAPESP desde 2009.
Professora Márcia (PSB). Associada CAPESP desde 2011.
Vereadora Professora Regina, na Câmara de Itanhaém.É associada CAPESP desde 2008.
Dalva Gregório (PT), de Peruíbe.Aposentada, é associada CAPESP desde 2006.
Hugo (PSol), da ASSOJUBS. Ex Presidente da CR da CCM Santos, um parceiro do CAPESP nas lutas pelko IAMSPE.

Contra tudo e contra todos

Santistas de todo mundo, uni-vos!

Depois dos vices de 2003 (Libertadores e Brasileiro), a expectativa era grande para 2004… todos davam como certo que o Paulistão seria conquistado, até com certa facilidade.

Reforços chegavam em quantidade… buscando compensar as saída de Fábio Costa e Ricardo Oliveira.

E vieram Doni, Paulo Cesar, Basílio, Robgol, Preto Casagrande, Claiton… da base subiam Jerri e Luis Augusto, mas não eram “Diego e Robinho”…

Basílio foi uma das grandes contratações de 2004, jogou com muita raça e fazendo gols.

Continue lendo

Luís Álvaro vence as eleições no Santos FC

Amigos santistas, Luís Álvaro venceu com facilidade as eleições realizadas ontem,  na Vila Belmiro e na Federação Paulista de Futebol.

A diferença de votos foi enorme… 87% x 13%

Será a continuidade de um projeto que conta com o apoio inegável dos sócios e torcedores do Santos FC.

Seguem fotos tiradas na Vila Belmiro:

Luís Álvaro sendo cumprimentado pelos associados do Santos FC
Arnaldo Hase (Camisa preta) e Marcão pedindo votos para a chapa 2
Nivaldo (de frente à câmara, sem óculos) na difícil tarefa de pedir votos para a chapa 1

Morreu Dr Sócrates

Amigos,

Morreu  Sócrates, grande craque dos anos 80.  Sócrates jogou no Botafogo (Ribeirão Preto), Corinthians, Fiorentina (Itália), Flamengo e Santos.

Inteligência e categoria fora do comum nos gramados, sempre assumiu posições políticas da vida nacional. Líder dos atletas na Campanha pelas “Diretas, já!”, liderou o movimento da “Democracia Corintiana” ao lado de Casagrande e Wladimir. Na Seleção Brasileira era referência no meio de campo e junto com Zico, Cerezo e Falcão marcando época em Copas do Mundo.

Jogou na Itália e não obteve o mesmo sucesso e no final da carreira deu um toque de categoria a um cambaleante Santos FC.

Com Sócrates em campo, o Corinthians era um adversário temido e difícil de ser batido… por sinal, a única época que tive simpatias pelo futebol do clube de Parque São Jorge foi durante a passagem do Doutor.

Sócrates e Zico na Copa de 1982
Sócrates e Zico na Copa de 1982

Nuvens pesadas cobriam o Brasil, mas o Santos continuava ganhando

Santistas de Todo Mundo, uni-vos!

A temporada futebolística de 1963 só acaba em 1964, com a fase final da Taça Brasil (Campeonato Brasileiro).

E logo em janeiro, Santos e Grêmio protagonizaram um duelo sensacional… primeiro no estádio Olímpico, onde 50.000 gauchos se comprimiam e viram uma das maiores exibições de futebol em Porto Alegre. O Santos vence por 3×1 e sai aplaudido… Pelé e Coutinho estavam numa noite magistral e proporcionaram uma tabela (de cabeça)  do meio de campo até a área gremista…

Na partida de volta, no Pacaembu, o Grêmio joga muito e abre 3×1, obrigando o alvinegro a jogar tudo que sabia… e jogou. Virou para 4×3… porém aos 86′ Gilmar é expulso e Pelé vai para o gol… sim, meus amigos o Rei Pelé maior artilheiro de todos os tempos também sabia fazer o papel inverso… e numa partida árdua como aquela contra o Grêmio, Pelé foi para o gol e ainda realizou algumas defesas… ele que já tinha marcado 3 gols naquela tarde!

O Rei em ação no gol .

Passado o Grêmio, o adversário na final seria novamente o EC Bahia.

E o Bahia desta vez não ofereceu resistência: 6×0 no Pacaembu, e 2×0 na Fonte Nova.

Santos, tri-campeão brasileiro (61, 62 e 63)… era a 10ª conquista em 11 competições oficiais!

Destaque para a bela  nova camisa usada pelo SFC, branca com finas listras pretas na vertical:

Com a conquista de mais brasileiro, segue o alvinegro para a sua tradicional excursão de início de ano, e uma enorme surpresa… derrotas contundentes para o Independiente e para o Peñarol (1×5 e 0x5, respectivamente)

Retorna ao Brasil , joga em Santa Catarina (3×1 no Metropol) e parte para o Peru:

3×2 Sport Boys (Peru)

3×2 Alianza (Peru)

2×3 Colo-Colo (Chile)

3×2 Godoy Cruz (Argentina)

4×2 Colo-Colo (Chile)

2×1 Tallares (Argentina)

Ao final da excursão trouxe o atacante Angel Ruben para testes em Vila Belmiro, mas o craque não ficou em Santos.

Em seguida, começou o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, cuja decisão se daria apenas em 1965… Santos e Botafogo empataram na 1ª posição, chegaram a realizar uma partida da decisão-extra, mas por falta de datas não realizaram a última partida, e assim resolveram dividir o título… coisa estranhas começavam a acontecer no futebol brasileiro…

Em março de 1964, começava a campanha santista em mais um Rio/São Paulo:

SC Corinthians P – 3×0 (Pacaembu)

Fluminense FC – 1×0 (Maracanã) – partida da gratidão. Neste dia o time do SFC entrou com as camisas dos clubes cariocas em agradecimento ao apoio dos torcedores na decisão contra o Milan, em 1963.

CR Vasco da Gama  – 2×0 (Pacaembu) – partida realizada em 29 de março, antevéspera da quartelada de 1º de abril… a chamada “redentora”, que de redentora não teve nada.

Bangu AC – 2×1 (Pacaembu)

SE Palmeiras  – 2×1 (Pacaembu)

A Portuguesa D – 2×5 (Pacaembu)

São Paulo FC – 4×1 (Pacaembu)

Botafogo FR – 3×1 (Maracanã)

CR Flamengo – 2×3 (Maracanã) – realizada no dia 1º de maio (dia do trabalhador). Inaugurando uma prática comum nos anos da ditadura militar, não houve cobrança de ingressos, e 132.550 ingressos foram distribuídos (e usados) e os torcedores tomaram conta do Maracanã.

Como o título foi dividido, era a 11º conquista em 12 competições.

E o Santos parte para mais jogos na Argentina: 4×3 Boca Juniors; 2×1 Racing; e 1×2 Colon (no mesmo ano o Colon subiu para a divisão principal do Campeonato Argentino… a partir daí, seu estádio ficaria conhecido como “cemitério de elefantes, pois os grandes caiam naquele estádio).

Em junho um curioso amistoso em Ulrico Mursa, contra a simpática AA Portuguesa… curioso porque a arrecadação fazia parte da campanha “ouro para bem do Brasil”, promovido pelo regime militar… nunca se soube ao certo o destino do ouro da tal campanha…

Imediatamente após, um rápido giro pela Europa:

1×3 BV Borussia Dortmund (Alemanha Ocidental) – Torneio de Paris  – o destaque foi  a grande torcida do SFC, compostas por brasileiros exilados na França devido ao golpe de 1º de abril.

1×1 Stade Reims C (França) -Torneio de Paris

4×3 AS Saint-Etiene (França)

2×1 Borussia VfL Moenchengladbach (Alemanha Ocidental)

Volta ao Brasil, para disputar o Campeonato Paulista e a Libertadores de América.

Na Libertadores, novamente entra na fase de semi-finais, para enfrentar o forte Independiente (Campeão Argentino).

Normalmente, já seria uma partida difícil, quanto mais sem Mauro Ramos de Oliveira, Mengálvio, Coutinho e Pelé… e sem os craques o alvinegro tomou a virada no Maracanã (2×3) e não conseguiu superar o quadro argentino numa Avellaneda abarrotada de “hinchas”(1×2). O sonho do tri seria adiado por 47 anos…

No meio de tudo isso, Athiê promovia a ampliação sistemática de Vila Belmiro… desde os anos 50 era assim… até que em 1964, as arquibancadas (e os 3 lances) do retão ficam prontas elevando a capacidade da Vila para teóricas 30.000 pessoas.

Assim, no campeonato Paulista de 1964 grandes públicos tomam Vila, retornam os clásicos para a cidade de Santos , e o SFC recupera a hegemonia no futebol Paulista com mais um título:

América FC  – 1×2 (São José do Rio Preto); 3×1 (VB)

Comercial FC  – 2×1 (VB); 3×2 (Francisco Palma Travassos)

São Paulo FC – 5×1 (VB); 2×3 (Morumbi)

A Prudentina EA – 1×1 (PP); 8×1 (VB)

A Esportiva Guaratinguetá – 3×1 (VB); 0x2 (Guaratinguetá)

CA Juventus – 2×1 (Rua Javari); 5×2 (VB)

EC XV de Novembro (Piracicaba) – 1×0 (VB); 6×3 (Piracicaba)

Guarani FC – 6×1 (VB); 1×5 (Brinco de Ouro)

SE Palmeiras – 2×1 (Morumbi); 2×3 (VB)

A Ferroviária E – 2×1 (VB); 0x0 (Araraquara)

Botafogo FC – 0x2 (Luís Pereira); 11×0 (VB)

EC Noroeste – 4×2 (VB); 3×0 (Bauru)

EC São Bento – 1×1 (Sorocaba); 6×0 (VB)

A Portuguesa D – 3×4 (Pacaembu); 3×2 (VB)

SC Corinthians P – 1×1 (Pacaembu); 7×4 (Pacaembu)

Observações:

* O time do SFC continuava sendo a grande atração do Campeonato: quebrou o recorde de renda/público contra o América em São José do Rio Preto (22.225 pessoas); inaugurou o novo estádio do Comercial FC (14/10); bateu o recorde de público/renda em Campinas (25.258 pessoas); bateu o recorde de renda em Bauru (Cr$ 12.187.000,00) e Guaratinguetá (Cr$ 5.089.400,00) e teve o recorde de renda e público do Campeonato: SFC 7×4 Corinthians, no Pacaembu, com 56.476 torcedores, gerando uma arrecadação de Cr$ 36.437.800,00.

* No dia 19 de julho foram entregues as arquibancadas do lado oposto das sociais, o chamado “retão”: 19.889 santistas viram o Peixe massacrar o São Paulo por 5×1.

* No dia 23 de agosto, dia do soldado, o Santos vence o Palmeiras e recebe o Troféu “Caxias”, recebido das mãos do Comandante do II Exército… coisas do tempo da “revolução”…

* O Botafogo vence o SFC por 2×0 e coloca o Peixe na roda… a vingança viria no 2º turno: Uma sonora goleada por 11×0!!!!!!! Com direito a 8 gols de Pelé e um gol olímpico de Pepe. Ganhar do SFC era um grande risco…

* O alvinegro teve uma partida anulada. Foi contra o Corinthians, na Vila Belmiro. Na realidade a partida foi suspensa e tranferida para o Pacaembu. O Motivo da suspensão foi a queda do alambrado no gol de fundo da Vila Belmiro (muitos repetem erradamente que caiu a arquibancada… as arquibancadas da Vila nunca sequer racharam…). Naquela tarde de domingo houve a maior presença de público em todos os tempos no histórico estádio. Quase 33.000 pessoas se comprimiram  tanto que derrubaram os alambrados… houve confusão, core-corre, tumulto… vários torcedores entraram no campo para se proteger da avalanche humana que derrubava a grade aramada… fraturas, escoriações, desmaios… muitos feridos (mais de 100), mas nenhuma morte.

Imagem: botadegaucho.blogspot.com

* Pelé foi mais uma vez artilheiro do Campeonato Paulista e o SFC o melhor ataque.

Na reta final do Campeonato Paulista, o Santos começava sua campanha na Taça Brasil.

O primeiro adversário foi o C Atlético Mineiro… recorde de público e renda no Independência (Belo Horizonte) e 4×1 para o SFC. No Pacaembu, foi  5×1!

Eliminado o Galo mineiro, o próximo obstáculo seria o Palmeiras (campeão Paulista de 1963). Se no Campeonato Paulista o Palmeiras encrespou, no Campeonato Brasileiro, não teve chance: 3×2 e 4×0.

Último desafio seria o popular CR Flamengo. Primeira partida no pântano do Pacaembu… baile santista: 4×1!

Vale a pena ver as imagens para conhecer o estado do gramado (sic)

No Maracanã foi só tocar a bola e deixar o tempo correr… 0x0 e o tetra campeonato brasileiro estava garantido. Era a 13ª conquista em 16 competições oficiais.

O atendimento médico ao funcionalismo

Amigos,

O atendimento médico ao funcionalismo público estadual, na Baixada Santista é um caso sério.

Para que o leitor (que não é servidor público estadual) tenha uma ideia, o Governo do Estado desconta  2% da folha de pagamento de todo funcionalismo para a manutenção do IAMSPE (Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual). O IAMSPE é responsável por todo atendimento médico  (PS, consultas, internações, cirurgias…), e funciona como um plano de Saúde.

Quem administra esse montante (cerca de 400 milhões por ano) é um administrador indicado pelo Governo do Estado. Porém, o Governo do Estado não entra com a sua cota-parte (outros 2%), como seria normal. Funciona assim: nós entramos com o dinheiro, e eles com a administração.

Na capital, o funcionalismo conta com o Hospital do Servidor Público Estadual  (HSPE).

No interior, além do CEAMA (Centro de Atendimento Médico Ambulatorial) foram feitos, ao longo dos anos, diversos convênios com Hospitais Particulares, ao estilo convênio SUS.

Na Baixada Santista é diferente.

O CEAMA de Santos sempre manteve poucos médicos com poucas especialidades (ao longo de mais de 20 anos, teve no máximo 8 especialidades), hoje são apenas 6 (incluindo nutrição e psicologia).

As clínicas conveniadas fazem apenas consultas, mas não fazem um procedimentro qualquer (não recebem para isso).

Logo, se você for servidor público, passar num dermatologista e precisar de um tratamento no local, não terá. Receberá apenas o diagnóstico, o tratamento será feito em São Paulo, no HSPE!

Então, por que não usar um Hospital na região?

Na Baixada, que vai de Bertioga até Peruíbe, o último convênio médico hospitalar data de 1987!

São 23 anos sem um convênio médico hospitalar. Só isso, 23 anos!!!!!

A bem da verdade, no ano passado foi firmado um convênio com o Hospital Santo Amaro (Guarujá), porém, nem de longe atende as reais necessidades do funcionalismo. E isso por duas razões – uma, geográfica: alguém acredita na viabilidade de um funcionário do Forum de Peruíbe deslocar-se até Guarujá para um atendimento de urgência ou uma cirurgia? – outra, de ordem prática: o Hospital já recebe uma quantidade enorme de pacientes via SUS, e não consegue oferecer o atendimento adequado aos usuários do convênio IAMSPE.

Mais uma gestão termina e a Baixada Santista ainda não tem seu atendimento médico adequado. São 23 anos assim…

Nesses 23 anos, passaram Quércia, Fleury, Covas, Alckmim (2 vezes) e Serra.

Nenhum deles conseguiu fazer um convênio.

Será que não tiveram tempo?

2ª Tarrafa Literária em Santos

Amigos,

Vai o convite e a programação da 2ª Tarrafa Literária de Santos.

Vale a pena!

Festival de Literatura em Santos marca início da primavera
Quem quer curtir a chegada da nova estação à beira do mar e com boas opções de lazer, Santos é o cenário ideal
Entre os dias 22 e 26 de setembro, a cidade recebe a 2º edição do Festival Internacional de Literatura, Tarrafa Literária, evento que vai reunir grandes autores e que conta com programação para adultos e crianças

Show do cantor Tom Zé abre o Festival, que também terá partida de futebol entre os artistas

Entre os dias 22 e 26 de setembro, a cidade de Santos estará repleta de cultura e atrações. Será realizada a 2º edição da Tarrafa Literária, Festival Internacional que reunirá grandes nomes da literatura nacional e internacional e terá uma programação cultural para curtir o começo da primavera no litoral paulista. Com show de abertura do cantor Tom Zé, o evento também terá espaço para as crianças, com a realização da Tarrafinha, com atividades especiais para os pequenos e contação de histórias. Para os aficionados por futebol, a programação conta ainda com uma partida de futebol entre os artistas participantes do evento. A entrada para as atrações da Tarrafa Literária é um livro usado, que será doado para instituições beneficentes. O evento é realizado no Teatro Guarany, em Santos.
Autores nacionais como Luis Fernando Verissimo, Zuenir Ventura, Roberto Muylaert, Jeremy Mercer, Mark Crick, Guilherme Fiuza, João Paulo Cuenca e Maria Valéria Rezende se revezarão em mesas que tratam sobre a grande aventura dos livros, que nos levam a amores perdidos, guerras, tempos distantes, viagens e comidas. Apaixonados por quadrinhos se deliciarão com uma mesa dedicada ao tema, com a presença dos cartunistas Angeli e Alan Sieber.
Santos também será sede do melhor da literatura mundial. Já estão confirmadas as presenças do britânico Mark Crick, de “A Sopa de Kafka” e Jeremy Mercer, canadense, autor de “Um livro por dia – minha temporada parisiense na Shakespeare and Company” e o camaronês Célestin Monga, autor da obra “Niilismo e Negritude”, considerado um dos maiores pensadores africanos da atualidade.
“A 2º Tarrafa Literária é uma ótima pedida para quem quer curtir o começo da primavera em um encontro de lazer e cultura para a família inteira, com a presença do que há de melhor da literatura no Brasil e no mundo”, afirma José Luiz Tahan, idealizador do evento. A Tarrafa Literária é realizada pela Realejo Livros & Edições, por meio da Lei Rouanet com patrocínio da Praticagem e Codesp.

2º Tarrafa Literária
22 a 26 de setembro de 2010
Teatro Guarany
Endereço: Praça dos Andradas, SN – Centro
Entrada: um livro usado