Arquivo da tag: The Beatles

The Beatles, um marco cinquentão

Amigos,

Texto publicado hoje na uol lembra os 50 anos do primeiro álbum dos Beatles.

O título da matéria já esclarece o conteúdo: “50 anos depois, por que a música dos Beatles é tão boa?”

http://musica.uol.com.br/ultnot/bbc/2012/06/18/analise-50-anos-depois-por-que-a-musica-dos-beatles-ainda-e-tao-boa.jhtm

Beatles é um marco nas minhas primeiras lembranças musicais… lembro de ouvir “Help” naqueles radinhos à pilha, mais ou menos em 1965/66, isto é com meus 4 ou 5 anos… ainda na infância pude conhecer Yesterday, Girl, Anna, Something, Let it be, Get Back, Ob-la-di, ob-la-da, She loves you, Yellow Submarine… entrar na adolescência e descobrir Rubber Soul, Sargent Pepper’s, o álbum branco, Revolver, Beatles for sale, Abbey Road…

Até aqui tudo normal, pois também sou um “cinquentão”… porém o surpreendente foram meus filhos… Todos gostam de Beatles, não há choque de gerações…

Muitas vezes fiquei ouvindo músicas a pedido deles… tipo: “Ouça, pai, essa música dos Beatles… você já conhecia?” Vários aniversários ou Natal forma na base de ganhar CDs da banda de Liverpool… presentes com segundas intenções, é claro… pois eu ouvia e eles também…

Por falar nisso… Gabriel, cadê o CD number#1?

Sgt Pepper’s: 45 anos de um marco no Pop

O álbum que revolucionou o Pop.

Veja as faixas, e escolha a melhor (se conseguir):

1 – Sgt Pepper’s Lonely hearts club band

2 – With a little help from my friends

3 – Lucy in the sky with diamonds

4 – Getting better

5 – Fixing a hole

6 – She’s a leaving home

7 – Being for the benefit of Mr Kite!

8 – Within you whitout you

9 – When I’m sixty-four

10 – Lovely Rita

11 – Good morning, good morning

12 – Sgt Pepper’s Lonely hearts club band (reprise)

13 – A day in the life

E “Strawberry fields forever” e Penny Lane”  ficaram de fora…

O fim de uma geração e o começo de outra

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

Depois da conquista do Penta-Campeonato Brasileiro, o Santos era favorito para qualquer competição que por ventura disputasse.

Rio/São Paulo, Taça Brasil, Paulista e Libertadores seriam as pedreiras que o alvinegro teria pela frente, além disso, 1966 era ano de Copa do Mundo.

O tri campeonato era uma obsessão da CBD, tanto que João Havelange convenceu a direção do Santos a não disputar a Libertadores… assim os atletas santistas poderiam participar dos 3 meses de treinamentos para a Copa da Inglaterra. Período em que a CBD convocou 44 atletas para selecionar os 22 para a Copa…

O ano começa com o SFC em turnê mundial. Primeira parada: África, Costa do Marfim

Pela primeira vez, o Santos atua na África negra.

Pelé é recebido como um deus negro… e para agradecer toda a reverência, o Santos goleia por 7×1 o Stade Club Abdjian , com direito a gol olímpico de Pepe e dois gols de Pelé.

A única partida em campos africanos é um grande sucesso e o alvinegro retornaria nos anos seguintes.

Em seguida o destino da turnê é um giro pela América do Sul e Central:

2×0 Combinado CA Tucumán/ CA San Martin (Argentina)

1×2 Alianza FC (El Salvador)

1×2 Botafogo FR  – Copa Circuito de Jornalistas (Venezuela)

0x3 Botafogo FR – Copa Circuito de Jornalistas (Venezuela)

2×2 C Universitario D (Peru)

4×1 C Alianza L  (Peru)

1×1 FBC Deportivo Melguar (Peru)

6×1 CFP Universidad de Chile

1×0 CA Rosario Central (Argentina)

1×1 CA Sarmiento (Argentina)

2×2 CSD Colo-Colo (Chile)

Retorna ao Brasil e fica sem Pelé, pois o Rei do futebol se afasta dos campos de futebol, para casar-se pela primeira vez.

Assim , sem o Rei, e com diversos atletas acima dos 30 anos (Gilmar, Zito, Mauro, Pepe, Orlando e o retorno de Del Vecchio) o Santos começa sua campanha no Torneio Roberto Gomes Pedrosa (Torneio Rio/Sâo Paulo), “é o momento de preparar a renovação do elenco”, pensa Lula.

26/02 – 2×3 São Paulo (Pacaembu)

03/03 – 2×1 A Portuguesa D (Pacaembu) – Uma partida comum, exceto por um detalhe: a primeira partida do ponteiro esquerdo EDU. Com apenas 16 anos, Edu era mais um menino que Lula lançava no time principal do SFC.

06/03 – 1×1 CR Flamengo (Maracanã)

10/03 – 0x1 Fluminense FC (Parque Antártica)

13/03 – 1×1 Botafogo FR (Maracanã)

17/03  – 4×0 Bangu AC (Pacaembu). Um marco! Edu arrebentou com a partida… cansou de entortar Fidélis (que seria o lateral titular da Seleção) e ainda marcou dois gols

Foto de Edu em 1971 (Revista Placar). Reparem as 3 estrelas acima do escudo (mas, isso já é outra história…).

Edu foi o maior ídolo santista (tirando Pelé, é claro) no período 67/76. Disputou as copas de 66, 70 e 74. Teve o grande azar de ter como técnico na Seleção Brasileira, Zagallo (1970 e 1974). Edu era técnico, driblador, cobrava faltas com violência e perfeição, um ponta autêntico. O oposto de Zagallo, que  gostava de pontas que compunham o meio de campo, que cercavam e marcavam…

Com Edu não, quem tinha que se preocupar em marcar era o lateral, não ele..

Com o surgimento de Edu, o time embala:

20/03 – 5×2 CR Vasco da Gama (Pacaembu)

23/03 – 3×2 SE Palmeiras

Até chega a última rodada… de azarão, o Santos passa a ter condições de conquistar mais uma Taça. O adversário seria o Corinthians. O alvinegro paulistanno tinha virado “timão”, pois para tentar ganhar alguma coisa e quebrar o tabu de quase 10 anos sem vencer o SFC, contratara de uma só vez o veterano e genial ponteiro Garrincha (mas, já com inúmeros problemas físicos), o zagueiro Ditão e o volante Nair (ambos da Portuguesa). Seus torcedores imaginavam que juntos com Jair Marinho, Dino Sani, Flávio e Rivellino o SCCP poderia superar o alvinegro de Vila Belmiro.  A situação era a seguinte: quem vencesse torceria contra o Vasco (que enfrentaria o Botafogo), para assegurar o título. Nas contas da imprensa paulistana o Corinthians tinha grandes chances de sagrar-se campeão…

Para a imprensa paulistana, naquela tarde, Garrincha quebraria o tabu, ainda mais sem a presença de Pelé em campo.

Pênalti de Zito em Garrincha. Laércio irá defender a cobrança.

Empurrado pela torcida, o Corinthians parte para cima… Garrincha esta inspirado e dá um trabalho enorme para Zé Carlos e Zito….

Mesmo assim, ganhar do SFC não era nada fácil… torcedores santistas ou neutros (sim, naquela época era comum ter torcedores nos Estádios que iam ver o espetáculo, sem torcer para nenhum dos dois times) tinham isso quase como certeza… Meus irmãos, que viram a partida no Pacaembu, contam que um senhor de terno, logo atrás deles gritava a pleno pulmões: “Se o Santos perder, eu tiro a roupa!!!”

E muitos já imaginavam o espetáculo deprimente que aquele senhor se dispunha a fazer, quando Coutinho foi expulso ainda no 1º tempo… logo em seguida, é a vez de Mengálvio ir embora mais cedo… o Santos com  9 e o sujeito berrava…”Se o SFC perder eu tiro a roupa”… a situação já estava ficando inconveniente, pois o SFC foi todo para a defesa, deixando Toninho Guerreiro isolado no ataque…  Garrincha esta liso feito sabão, sendo parado apenas na pancada… e foi numa dessas que Garrincha cavou um pênalti, aos 44 minutos. Meu pai já estava querendo tirar meus irmão daquele lugar, pois o alucinado senhor prometia… (bom, das duas uma… ou o exibicionista ficaria isolado, ou ia tomar porrada até cansar…)

Flávio prepara a cobrança, chuta  e ………. Laércio defende!!!!

Um alívio no time santista e nas arquibancadas do Pacaembu… pois, após esse penalti perdido todos sabiam que o Corinthians não marcaria mais… logo, o Santos não perderia. Assim, aquele senhor tresloucado continuou berrando (e dando risada) “Se o Santos perder, eu tiro a roupa”.

No 2º tempo, ainda teve um gol anulado do Corinthians e um outro incrivelmente perdido pelo SFC… final 0x0.

No Rio de Janeiro, o Botafogo vencia o Vasco por 3×0 e provocava um quádruplo empate na 1ª posição. Como não haveriam datas disponíveis para o torneio de desempate, os quatro alvinegros foram considerados campeões!

O Santos ainda realiza mais 3 amistosos antes de começar os treinamentos da seleção…

Em abril, os 44 atletas são chamados… entre eles são diversos os santistas:

Gilmar, Orlando, Carlos Alberto Torres, Lima, Zito, Pelé e….. Edu.

Sim, meus amigos, com UM MÊS de atuação profissional, Edu já fazia parte do seleto grupo de atletas que poderiam representar a Seleção Nacional.

Um sonho inimaginável para qualquer garoto aos 16 anos… Jogar no SFC (no lugar de Pepe), passar para Seleção e ir para uma Copa do Mundo… ainda mais uma Copa do Mundo na Inglaterra… e para jogar em Liverpool!

Liverpool, terra dos BEATLES!!!!!

E Edu conquistou tudo isso em UM MÊS!

Bom, enquanto os 44 atletas se matavam para saber quem iria para a Copa, o Santos ia realizando amistosos, afinal tinha um Parque Balneário para pagar.

Encara um triangular no Mineirão (Santos, Atlético Mineiro e Seleção do Uruguai), e o resultado não foi bom:

0x3 C Atlético Mineiro e 1×3 Uruguai

E o time de saltimbancos santistas ainda atua em Santa Catarina, Mato Grosso e interior do Estado… até acabar a Copa do Mundo e começar o Campeonato Paulista.

Imagem (hecurvature.com)

Copa do Mundo que foi uma tragédia…

Com a bagunça dos 44 convocados, o período de treinamento foi confuso, acreditou-se que o veteranos poderiam vencer (como em 62). Mas o futebol tinha mudado, o mundo havia mudado. Assim, Gilmar, Orlando, Djalma Santos, Belline, Zito, Garrincha, Altair não puderam acompanhar o ritmo  que as seleções européias introduziam no gramado… Se isso não fosse o suficiente, Pelé foi caçado em campo como uma presa a ser abatida…

O espetáculo começa a dar espaço para a competição, a beleza saia de campo e entrava o resultado a qualquer custo…

Imagem (albertohelder.blogspot.com)

Em agosto, começava o Campeonato Paulista.

O início santista foi razoável: 5×1 Noroeste, 3×3 Portuguesa Santista, 5×2 América e 1×1 Juventus.

Porém, o que todos ainda tinham em mente era a imagem de Pelé saindo do gramado de Liverpool abatido e derrotado por Eusébio e seus companheiros.

Imagem(copadomundo.uol.com.br)

Assim, quando empresários norte-americanos organizaram a New York Champions Cup e convidaram o Benfica (base da deleção de Portugal), o Santos (base da seleção Brasileira)  e o AEK (Campeão Grego), o Mundo parou novamente para ver como reagiriam os craques brasileiros…

E nessas condições, o Santos é outro Santos…

E o alvinegro passou por cima do Benfica como bem quis… 4×0!!!!!

Contra o AEK , foi apenas 1×0, e a New York Cup foi para a Vila Belmiro.

De Nova Iorque,  o time segue para o México:

1×1 D Toluca FC

2×2 CF Atlante

E antes de regressar ao Brasil, mais uma partida em Nova Iorque. O adversário agora, é o Internazionale (Itália), e em disputa o troféu “Il Progresso” .Final, Santos 4×1. prestígio intacto e mais um mercado aberto: o dos EUA!

Dois dias depois já esta em Campinas, e perde: 0x3 Guarani.

Vence a Prudentina (3×1),mas uma série de resultados ruins fazem com que o tri-campeonato santista fique distante…na derrota por 2×0 para a Portuguesa de Desportos, Lula tenta agredir o bandeirinha e pega um gancho da FPF, sendo substituido por Antoninho no comando técnico nos dias de jogos.

No clássico contra o Corinthians, um grande atrativo:  Garrincha faria a sua 1ª partida após a Copa do Mundo. No entanto,  o nome do jogo foi Coutinho… em 15 minutos Coutinho marcou 3 gols e acabou com o Corinthians. No jogo seguinte, Coutinho marcou ourtos 4 gols na vitória por 7×5 contra o Comercial!!!!!

Em novembro, a Taça Brasil, e o adversário seria o C Naútico C, grande campeão do Nordeste.

No Recife, 2×0 para o alvinegro.

Mas, no Pacaembu…

Os campeões pernambucanos surpreenderam e venceram por impressionantes 5×3!

Dois dias depois a 3ª partida… 4×1 para o Santos, numa grande exibição de Toninho Guerreiro.

Santos na final… novamente. Era a oportunidade de ficar em definitivo com a 2ª Taça Brasil.

A final seria contra o Cruzeiro de Minas Gerais…

O Cruzeiro era um time jovem, que contava com craques indiscutíveis como Tostão , Dirceu Lopes, Wilson Piazza, Zé Carlos e  Natal.

Minas estava em ebulição… o Mineirão tinha sido inaugurado em 1965 e seu futebol tinha melhorado a olhos vistos.

Mesmo assim, o mais otimista dos cruzeirenses nunca imaginariam o que aconteceria no Mineirão em 30 de novembro…

Antes dessa partida, o Santos voltava para o Campeonato Paulista e parecia que tinha embalado para o tri: pois duas vitórias (2×0 Palmeiras e 2×1 Guarani) colocavam o time no páreo para o título.

Chega 30 de novembro…

Mineirão lotado (imagem: a2bs.sites.uol.com.br)…

Recorde de renda em todo o Brasil…

Lula manda a campo o que o Santos tinha de melhor, de mais experiente:

Gilmar; Carlos Alberto, Mauro, Oberdã e Zé Carlos; Zito e Lima; Dorval, Toninho, Pelé e Pepe

Um minuto de partida, Cruzeiro, 1×0

Aos 5′, Natal…2×0

Dirceu Lopes, 3×0

Outra vez Dirceu Lopes…4×0…

Tostão, de pênalti, 5×0

O Santos estava conhecendo um 3º rival a sua altura no Brasil (os outros eram o Botafogo e o Palmeiras)…

Fim do 1º tempo…

O time do SFC dava “graças a Deus” por ter terminado aquele bombardeio.

Retornam os atletas… e o alvinegro parte para cima..

Em 10 minutos, Toninho Guerreiro já diminui para 2×5… a torcida mineira gela na arquibancadas… mas Tostão e Dirceu Lopes não…

Aos 72′, Dirceu Lopes marca mais um e liquida qualquer possibilidade de reaçao santista…

No Pacaembu, as coisas serão diferentes… esse era o pensamento santista.

E parecia que seria mesmo, pois logo no 1º tempo o Santos abre 2×0…

No início do 2º tempo, Cláudio  defende pênalti cobrado por Tostão…

O Cruzeiro com mais fôlego, mais jovem, não desiste… toca a bola a acua o experiente time santista… e Tostão, Dirceu Lopes e Natal decretam o fim de uma geração.

Cruzeiro 3×2 Santos

O poder jovem celebrado pelas músicas de 1966 chegara ao futebol…

Novos craques, novos nomes…

A geração de ouro santista concebida no final dos anos 50 estava sendo superada.

O Brasil descobria o Cruzeiro… o Brasil descobria Minas Gerais… o modelo da Taça Brasil iria começar a ficar obsoleto… todos (e não apenas o campeão carioca ou paulista) queriam enfrentar o time que derrubara o SFC do pedestal do futebol brasileiro…

Assim, derrotado, abatido o Santos tenta recuparar o ânimo com o Campeonato Paulista… precisa vencer seus jogos, um empate já colocaria tudo a perder… nos anos anteriores issonão seria problema… mas, naquele final de 1966 as incertezas compartilhavam os vestiários santistas.

E no dia 12 de dezembro, a pá de cal nas  pretenções do SFC… nova derrota, para a Portuguesa (1×0) liquidam o sonho do tri-campeonato.

Campanha do Campeonato Paulista:

EC Noroeste – 5×1 (VB); 4×1 (Bauru)

AA Portuguesa – 3×3 (VB); 3×0 (VB)

America FC – 5×2 (SJRP); 2×1 (VB)

CA Juventus  – 1×1 (VB); 3×0 (Pacaembu)

Guarani FC – 0x3 (Brinco de Ouro); 2×1 (VB)

A Prudentina EA –  3×1 (PP); 3×0 (VB)

A Portuguesa D – 0x2 (VB); 0x1 (Pacaembu)

Comercial FC – 1×3 (Francisco Palma Travassos); 7×5 (VB)

SE Palmeiras – 2×2 (Pacembu); 2×0 (VB)

Botafogo FC – 1×2 (Luis Pereira); 3×1 (VB)

São Paulo FC – 1×0 (VB); 1×2 (Morumbi)

EC São Bento  – 3×3 (Humberto Realli); 2×2 (VB)

CA Bragantino  – 6×2 (VB); 3×2 (VB)

SC Corinthians P – 3×0 (Pacaembu); 1×1 (Pacaembu)

Lula esta sendo ameaçado no emprego… Mauro, Zito, Pepe, Orlando já não possuiam a mesma vitalidade…Coutinho estava sempre com problemas físicos… parecia que o reinado esta por um fio…

A esperança estava nos jovens…

Young power

Força jovem,

A esperança estava em Edu, Clodoaldo, Joel Camargo, Oberdã e Cláudio… além de Pelé é claro

1967 estava “virando a esquina”… o final dos anos 60 prometia muitas mudanças, alegrias, contestações e quebra de paradigmas.

Música para o final de semana

Sir Paul McCartney vem ao Brasil, para São Paulo.

E para comemorar nada melhor que “Maca” junto com os outros 3 fabulosos de Liverpool…. uma canção dedicada a um certo candidato de Sampa:

I’m a Loser (segue letra e  versão)

I’m a loser, I’m a loser,
And I’m not what I appear to be.
Of all the love I have won or have lost,
There is one love I should never have crossed.
She was a girl in a million my friend,
I should have known she would win in the end.
I’m a loser, and I lost someone who’s near to me,
I’m a loser, and I’m not what I appear to be.
Although I laugh and I act like a clown,
Beneath this mask I am wearing a frown,
My tears are falling like rain from the sky,
Is it for her or myself that I cry.
I’m a loser, and I lost someone who’s near to me,
I’m a loser, and I’m not what I appear to be.
What have I done to deserve such a fate,
I realize I have left it too late.
And so it’s true pride comes before a fall,
I’m telling you so that you won’t lose all.
I’m a loser, and I lost someone who’s near to me,
I’m a loser, and I’m not what I appear to be.

Eu Sou Um Perdedor

Eu sou um perdedor, eu sou um perdedor,

E eu não sou o que parecem ser.
De todo o amor que ganharam ou perderam,
Há um amor que eu nunca deveria ter cruzado.
Ela era uma menina em um milhão de meu amigo,
Eu deveria ter sabido que ela iria ganhar no final.
Eu sou um perdedor, e eu perdi alguém que está perto de mim,
Eu sou um perdedor, e eu não sou o que parecem ser.
Embora eu rir e eu agir como um palhaço,
Sob essa máscara que eu estou usando uma carranca,
Minhas lágrimas estão caindo como chuva do céu,
É para ela ou a mim mesmo que eu choro.
Eu sou um perdedor, e eu perdi alguém que está perto de mim,
Eu sou um perdedor, e eu não sou o que parecem ser.
Que fiz eu para merecer tal destino,
Sei que me resta é tarde demais.
E isso é verdadeiro orgulho vem antes de uma queda,
Eu estou dizendo a você para que você não vai perder tudo.
Eu sou um perdedor, e eu perdi alguém que está perto de mim,
Eu sou um perdedor, e eu não sou o que parecem ser.