Arquivo da tag: Torneio dos Campeões

Um ano para esquecer

Santistas de todo Mundo, uni-vos!

A principal novidade no início de 1982 era a contratação de Clodoaldo para o comando técnico do alvinegro praiano.

E o ano começou muito bem!

Um amistoso em Porto Alegre e uma bela vitória sobre o Grêmio (1×0), Campeão Brasileiro de 1981.

Era um amistoso preparatório para o Brasileirão de 82 que começaria em seguida… tudo seria antecipado, pois 82 era ano de Copa do Mundo.

Seriam 40 clubes, novamente, mas com novo regulamento.

Eram 8 grupos de 5 equipes, onde se classificavam os 3 melhores de cada grupo. Os 4ºs colocados disputavam um mata-mata, para qualificar outros 4 para a fase seguinte. Outras 4 equipes viram da Taça de Prata (2ª divisão).

Taça de Prata que contava com 36 clubes divididos em 6 grupos de 6 participantes. Os dois melhores seguiam na competição, totalizando 12 agremiações. Essas 12 equipes eram divididas em 4 grupos de 3 times. O campeão de cada grupo passava à Taça de Ouro (1ª divisão). Cada 2º colocado passava para fase seguinte da Taça de Prata, que recebia também os 12 eliminados da Taça de Ouro. Esses 16 times disputavam o título da Taça de Prata em jogos eleiminatórios.

Enquanto isso, os 32 classificados na Taça de Ouro (os 28 dos grupos) mais os 4 promovidos da Taça de Prata, eram novamente divididos em 8 grupos de 4 equipes.  Os dois primeiros de cada grupo seguiam adiante totalizando 16 clubes.

Dai para frente eram jogos eliminatórios até a final.

Continuava tudo bem simples…  Um time poderia começar disputando a 2ª divisão e ser campeão da 1ª divisão. Ou então, começava disputando a 1ª divisão e acabava campeão da 2ª divisão… no mesmo ano!!!!! Uma lógica impressionante.

Bom, o SFC ficou no mesmo grupo de Vasco da Gama , Moto Clube, Paissandu e Nacional.

Antes que eu esqueça… Corinthians, Palmeiras e Portuguesa disputavam a Taça de Prata (2ª divisão).

A primeira partida no Brasileirão foi contra o Vasco… e foi uma grande exibição do Santos FC. Uma vitória convincente, por magros 1×0, é verdade, mas o alvinegro de Vila Belmiro jogou muito bem e empolgou a torcida.

E Clodoaldo não tinha feito muita coisa… efetivou Márcio Rossini na zaga, teve o retorno de Gilberto Sorriso na lateral esquerda e colocou o time para jogar no ataque… o resultado foram goleadas que iam aparecendo… No final da 1ª fase, uma derrapada: derrotas para o Vasco e Moto Clube, terminando em 2º lugar o grupo. veja os jogos:

17/01 – 1×0 CR Vasco da Gama – Pacaembu – 52.412

20/01 – 4×1 Moto Clube – Vila Belmiro – 17.160

24/01 – 2×2 Nacional FC – Vivaldo Lima – 31.474

28/01 – 0x0 Paissandu SC – Alacid Nunes (atual Mangueirão) – 20.322

03/02 – 3×1 Nacional FC – Vila Belmiro – 15.849

07/02 – 4×1 Paissandu SC – Vila Belmiro – 18.637

14/02 – 0x3 CR Vasco da Gama – Maracanã – 42.959

17/02 – 1×2 Moto Clube – Nhozinho Santos – 10.690

Como um bo time grande, o Santos já estava na 2ª fase, ao lado de Internacional (Limeira), São Paulo (Rio Grande) e Bangu.

Castor de Andrade voltava a gastar o dinheiro do jogo do bicho com o Bangu, e o alvirubro do subúrbio contava novamente com uma boa formação… Assim,  SFC e Bangu eram os favoritos para a classificação à fase seguinte (eliminatória).

E assim foi… vencendo na Vila e arrancando pontinhos fora, o alvinegro liderou o grupo:

27/02 – 1×0 AA Internacional – Vila Belmiro – 14.695

07/03 – 6×1 SC São Paulo  – Vila belmiro – 12.205

11/03 – 0x2 Bangu AC – Moça Bonita – 4.696

14/-3 – 0x0 SC São Paulo – Aldo Dapuzzo – 4.896

20/03 – 1×0 Bangu AC – Vila Belmiro  – 15.680

25/03 – 1×0 AA Internacional – Major Levy Sobrinho – 6.695

A preocupação da torcida era ausência de um goleador, de um centroavante fazedor de gols… e isso poderia ser fatal numa fase eliminatória…

O adversário do Santos saiu do grupo de Bangu, Londrina, Botafogo (RJ) e Treze. Sendo classificado o Londrina (o Botafogo foi eliminado)

Era um mata-mata, era muito impotante fazer o maior nº de pontos possíveis, pois isso definiria vantagem para a fase seguinte. O alvinegro enfrentaria o Londrina com a vantagem de dois empates, pois fizera mais pontos que o Londrina na  fase anterior.

Jogando com o regulamento debaixo do braço, empatou em Londrina e venceu na Vila Belmiro:

28/03 – 0x0 Londrina EC – Estádio do Café – 33.436

31/03 – 1×0 Londrina EC –  Vila Belmiro – 15.733

O Santos estava classificado para enfrentar o Flamengo… perigoso Flamengo…de Zico, Junior, Tita, Wright, Aragão…

Se iso não basta, veja também:

Guardaram o nome? Scolfaro…. mais um para a lista…

O alvinegro jogaria com a vantagem do empate, istoé, caso perdesse no Maracanã, uma vitória em São Paulo pela mesma diferençade gols classificaria o SFC.

O Peixe jogou bem no Maracanã, mas sofre uma derrota nos minutos finais, por 1×2. Uma vitória por 1×0 colocava o time nas semi-finais, contra o Guarani.

NO Morumbi, o Santos  foi para cima do assustado Flamengo… e ficou assim até fazer o gol (que seria) da classificação… Pita arranca e entra na área, via chutar…. é Pênalti!!!!! (Pênalti contra o Flamengo?????)…. o árbitro deixa seguir e Paulinho Batistote entra na corrida e estufa a rede… aí, não tinha jeito… Santos 1×0.

Flamengo morto… Santos mandando…

Inexplicavelmente, o alvinegro recua… e dá campo para Zico e Cia.

Uma chuva de gols perdidos no Morumbi… sempre pelo rubronegro… o gol de empate parece questão de tempo… mas o relógio trabalha a favor do time paulista…

Clodoaldo grita no banco… Pelé, nas arquibancadas pede para o time ir para o ataque… ao menos segurar a bola na frente…

Até que aos 83′, Tita levanta a bola na área santista… Zico sobe e empata de cabeça. Fim do sonho.

03/04 – 1×2 CR Flamengo – Maracanã – 65.805

06/04 – 1×1 CR Flamengo – Morumbi – 54.215

Se parasse de contar aqui como foi o ano de 1982 não faria a menor diferença, pois de abril até dezembro pouco de útil aconteceu, numa sucessão de maus resultados.

Com a Copa do Mundo, a CBF inventa um Torneio Caça Níqueis, batizado com o nome de Torneio dos Campeões…

Quem participava? Os campeões do Brasileiro pós 71, os campeões do Robertão e da Taça Brasil…

Na época seriam: Atlético MG, Palmeiras, Vasco, Internacional, São Paulo, Guarani, Flamengo (desistiu do Torneio), Grêmio, Fluminense, Santos, Botafogo, Cruzeiro e Bahia.

Para completar número, chamaram os vices também: Fortaleza, Naútico, Corinthians. Além desses a CBF convidou também a Portuguesa (Pelo Rio/São Paulo 52 e 55), O America (RJ), como clube com maior participação nos torneios nacionais e ainda o Santa Cruz (em substituição ao Flamengo).

Os 18 clubes foram divididos em 4 grupos: 2 grupos com 5 equipes e outros dois com 4 equipes. As partidas seriam em turno e returno no mesmo grupo. Os campeões de cada turno passariam a fase final, em partida eleiminatórias até a final.

O grupo do SFC era: Santos, São Paulo, Guarani,  Vasco e Botafogo.

No 1º turno, um vexame:

24/04 – 0x1 Botafogo FR – Maracanã – 6.976

02/05 – 0x1 São Paulo FC – Vila Belmiro – 13.541

06/05 – 1×2 Guarani FC – Brinco de Ouro -2.129

09/05 – 2×1 CR Vasco da Gama – Vila Belmiro – 6.713

No 2º turno, já sem Clodoaldo e com Paulo Emílio no banco… parecia que ia melhorar… mas, não melhororu.

20/05 – 3×1 Botafogo FR – Vila Belmiro – 5.342

22/05 – 2×0 Guarani FC – Vila Belmiro – 7.668

25/05 – 0x1 São Pauloo FC – Morumbi – 1.159

30/05 – 1×3 CR Vasco da Gama – Maracanã – 1.630

Os públicos eram ridículos, afinal todos acompanhavam os preparativos da Seleção de Telê Santana, para a Copa do Mundo na Espanha. E mais uma vez, não havia nenhum santista entre os 22 escolhidos. Marolla, Pita, João Paulo que tinham participado de amistosos em 80 e 81 não foram relacionados.

Antes do Campeonato Paulista, alguns amistosos e também alguns vexames.

Em abril, derrota para o São Paulo, na Vila (0x2), em maio goleada para o Palmeiras (0x4 no Parque Antártica), em junho, é goleado pelo Uberlândia : 4×0 !!!!!!!

Um desastre…

Vitórias contra times sem a menor tradição: 1×0 no Operário de Dourados (MS) e 5×0 no CA Paulista (Suzano – Grande São Paulo)!!!!!!

Para o campeonato Paulista as coisas foram, finalmente, simplificadas. 20 clubes, turno e returno. Campeão do 1º turno x Campeão do 2º turno.

O regulamento enxuto não dava muitas esperanças ao santista.

Reforço para o elenco?

A vinda de Toninho Carlos  para fazer dupla com Márcio Rossini, o atacante Roberto César (Ex- Cruzeiro).. e um trio do Londrina: o atacante Paulinho, o volante Luiz Gustavo e o zagueiro Toninho Paraná. Além disso havia a manutenção de Cardim (que ganhava o lugar de Carlos Silva) e de Paulinho Batistote na ponta… Palhinha, Chicão e Gilberto Sorriso não ficaram até o final do ano.

Os destaques eram (ainda) Marolla, Pita e João Paulo. Márcio Rossini tomava conta da defesa. E só.

A maior “façanha” do Santos, de Paulo Emílio, em 1982 foi a excursão ao México. Quatro jogos, 3 derrotas, um empate… último lugar no Torneio Aguillas Aztecas e uma pancadaria sem tamanho na partida contra o America.

Anote o vexame:

08/08 – 1×3 C Necaxa  – Cidade do México – Torneio Aguillas Aztecas

12/08 – 1×2 Universidad de Guadalajara – Guadalajara – amistosó

15/08 – 0x4 America FC –  Cidade do México – Torneio Aguillas Aztecas

17/08 – 1×1 CSDC Cruz Azul – Hidalgo – amistoso

Antes seguir ao México, o time estava mal da pernas no Paulista. Conseguiu manter um série de 8 partidas sem derrota, mas após perder para o Guarani, pegou ‘gosto” da coisa…

No retorno da excursão, a torcida já queria Paulo Emílio fora do comando… Mas Paulo Emílio tinha uma última esperança: vencer o Corinthians de Sócrates e Casagrande.

E 63.000 pessoas compareceram ao Morumbi para ver o Corinthians vencer e Paulo Emílio, cair.

Clodoaldo esquenta o banco para Cilinho… e tudo na mesma…

O alvinegro chega a 14 partidas sem vitórias…  o desespero bate às portas santistas…

Clássico contra o Palmeiras e Pita resolve jogar…

Um show de Pita e uma vitória convincente por 3×1. Parecia que o time iria acordar…

Foi só impressão e a rotina de derrotas, empates e vitórias insossas retornaria.

Valia mais a pena acompanhar as eleições que se aproximavam do que ver os jogos do Peixe.

Slogan de Montoro era: Você sabe, é preciso mudar! Venceu as eleições.

Seriam as primeiras eleições livres para Governador desde o Golpe Militar de 1964.

A participação da população era enorme.

Cinco eram os candidatos: Franco Montoro (PMDB), Reinaldo de Barros (PDS), Jânio Quadros (PTB), Lula (PT) e Rogê Ferreira (PDT).

Montoro venceu. Uma esperança de novos ares democráticos soprava sobre o Brasil…

Mas ainda teríamos que esperar mais 7 anos para uma eleição para Presidência da República… a Ditadura se esvaziava a olhos vistos, mas não largava “o osso”….

Na esteira da vitória da democracia (como se dizia na época), surge a democracia corintiana…

Em outubro, o Peixe inaugura o novo Estádio de Presidente Prudente, vencendo o Corinthians local por 1×0.

A única grande alegria do santista foi no  2º turno, novamente contra o Palmeiras.

Uma incrível goleada por sonoros 6×1!!!!!!

Vale a  pena ver os gols:

http://www.youtube.com/watch?v=6xBS91W2bjI

A mudança do time? A presença de Chico Formiga…

Vejam só… Formiga montou os “Meninos da Vila”, saiu… o time caiu de rendimento… Pepe retornou, o time disputou um Título… saiu…. o time foi caindo, caindo e teve que aparecer Formiga para recuperar o alvinegro.

Campanha do SFC no Paulistão:

São José EC – 0x0 (VB); 1×0 (SJC)

EC São Bento – 2×0 (VB); 2×2 (Sorocaba)

Santo André EC  – 0x0 (Santo André); 2×0 (VB)

Comercial FC – 2×0 (VB); 0x0 (Francisco Palma Travassos)

AA Internacional – 1×1 (VB); 0x0 (Limeira)

A Ferroviária E – 1×1 (Araraquara); 1×2 (VB)

Marília AC – 1×0 (VB); 3×2 (Marília)

A Portuguesa D – 1×1 (Canindé); 0x3 (VB)

Guarani FC – 0x1 (VB); 1×2 (Brinco de Ouro)

SC Corinthians – 0x1 (Morumbi); 0x1 (Morumbi)

CA Juventus  – 1×1 (Pacaembu); 0x1 (Parque Antártica)

EC XV de Novembro (Jaú) – 0x0 (Jaú); 3×2 (VB)

EC Taubaté – 0x0 (VB); 0x0 (Taubaté)

AA Ponte Preta – 0x0 (Moisés Lucarelli); 2×1 (VB)

São Paulo FC – 1×1 (Morumbi); 0x0 (Morumbi)

América FC – 0x0x (VB); 1×2 (SJRP)

AA Francana – 0x2 (Franca); 1×3 (VB)

SE Palmeiras – 3×1 (Morumbi); 6×1 (Pacaembu)

Botafogo FC – 0x2 (Santa Cruz); 1×1 (VB)

Terminou em 9º lugar na classificação geral… um ano para esquecer, ou melhor para aprender.